A influência dos desenhos animados e da programação televisiva nas aulas de Ciências em uma sala de Educação Básica

Palavras-chave: Ciência, Educação, Desenhos animados, Divulgação científica

Resumo

Este artigo tem a finalidade de apresentar reflexões sobre uma experiência realizada em 2017, no âmbito de nossa pesquisa de mestrado no Programa de Pós-graduação Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, pertencente a Universidade do Estado do Amazonas, em que junto a estudantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental buscou-se identificar a preferência das crianças por determinada animação televisiva, com o objetivo de verificar quais os desenhos que tem exercido mais influência nas crianças a respeito do seu contato com a ciência no  cotidiano.  O estudo ocorreu a partir de abordagem qualitativa, mediante observação participante e rodas de conversa para coleta de dados, a animação foi exibida por livre escolha da turma, sem interferência dos pesquisadores. Procuramos analisar não só as escolhas das crianças em torno das animações, bem como o interesse, ou não, pelos desenhos com temáticas da ciência, além de discutir a veiculação da ciência nos desenhos animados da TV para o público infantil. Como resultados significativos, observamos que os programas televisivos e os desenhos animados possuem um forte apelo afetivo junto a vida das crianças sendo importantes na formação da cultura infantil atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, L. B. C. A programação televisiva e os direitos da criança e do adolescente no Brasil. Mimesis, Bauru, v. 33, p.7-20, 2012.

AZEVÊDO, L. B.; FIREMAN, E. C. Sequência de ensino investigativa: Problematizando aulas de ciências nos anos Iniciais com conteúdos de eletricidade. REnCiMa, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 143-161, abr./jun. 2017.

BELLONI, M. L. Crianças e mídias no Brasil: Cenários de Mudança. Campinas: Papirus, 2014.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em Educação. Porto: Porto, 1997.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação Matemática: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Portugal: Porto, 1994.

BORGES, G. L. A. Ciências nos anos iniciais do Ensino Fundamental: fundamentos, história e realidade em sala de aula. Acervo digital UNESP, v. 10, p. 19-41, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CARTOON NETWORK. Programação. Disponível em: http://www.cartoonnetwork.com.br/programacao. Acesso em: 27 fev. 2017.

ESPERANÇA, T. C. R. B.; FILOMENO, C. E. S; LAGE, D. A. Divulgação Científica No Ambiente Escolar: Uma Proposta A Partir Do Uso De Mídias Digitais. Revista da SBEnBio, v. 7, p. 1582-1591, 2014.

FERNANDES, N.; SARMENTO, M.; TOMÁS, C. A. Investigação da infância e crianças como investigadoras: metodologias participativas dos mundos sociais das crianças. Nuances: Estudos sobre Educação, v. 12, n. 13, p. 50-64.,2005.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1983

KRAMER, S. A infância e sua singularidade. In: BEAUCHAMP, J.; RANGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. (Org.). Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: MEC/SEF, 2007.

MARTINS FILHO, A. J.; BARBOSA, M. C. S. Metodologias de pesquisas com crianças. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 18, n. 2, p. 8-28, jul. 2010.

MESQUITA, N.A.S.; SOARES, M. H. F. B. Visões de ciência em desenhos animados: uma alternativa para o debate sobre a construção do conhecimento científico em sala de aula. Ciência & Educação, Bauru, v. 14, n. 3, p. 417-429, 2008.

MONTEIRO, P. C.; SANTIN-FILHO, O. A influência dos desenhos animados nas atitudes frente à ciência e a ser cientista. Acta Scientiarum, Maringá, v. 35, n. 2, p. 191-200, jul./dez. 2013.

SCHMIEDECKE, W. G.; PORTO, P. A. A história da ciência e a divulgação científica na TV: subsídios teóricos para uma abordagem crítica dessa aproximação no ensino de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, n. 3, p. 627-643, 2015.

SILVA, P. K.; NEVES, F. M. Desenhos animados, cultura e universo escolar. Revista UNIFAMMA, v. 12, n. 1, 2014.

SILVA, A. A. R. A participação das crianças na roda de conversa: possibilidades e limites da ação educativa e pedagógica na educação infantil. 2015, 237f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Escola de Formação de Professores e Humanidades. Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia.

SIQUEIRA, D. C. O. Conhecimento, ciência e escola: representações em desenhos animados. IN: Massarani, L. (Org.) Ciência e criança: a divulgação científica para o público infanto-juvenil. Rio de Janeiro: Museu da Vida / Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz, 2008.

SOUZA, F. A influência das mídias na educação infantil. 2013. 23f. Monografia (Especialização em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira.

SOUZA, J. B.; FERNANDES, L. L. A mídia televisiva como agente formador e transformador na infância. In: IV Encontro Educacional de Pesquisa em Pernambuco, 2012, Caruaru. Anais. Caruaru: UFPE, 2012, p.1-17

VASCONCELLOS, A. C. Desenho animado, uma fonte histórica. Revista Encontros, v. 13, n. 24, 2015.

Publicado
2020-01-01
Como Citar
XAVIER, J.; GONÇALVES, C. A influência dos desenhos animados e da programação televisiva nas aulas de Ciências em uma sala de Educação Básica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 1, p. 374-387, 1 jan. 2020.
Seção
Artigos Gerais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)