Jogos digitais educacionais, práticas interdisciplinares e pensamento computacional: relações possíveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v10i4.2442

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, Jogos Digitais, Matemática, Pensamento Computacional, Educação

Resumo

É comum que as pessoas se utilizem do termo interdisciplinaridade quando por alguma razão, pretendem ultrapassar as fronteiras que cercam os limites da área em que se situam, ou ainda quando nos deparamos com um saber que não se encaixa em nada que já definimos anteriormente, ou seja, quando nos encontramos em uma situação que exige diferentes perspectivas do conhecimento. A crescente evolução dos recursos tecnológicos, aliada a características marcantes dos mesmos, como a portabilidade, adaptabilidade, pervasividade, interatividade, ubiquidade, entre outras, vem mostrando um grande potencial para promover sua utilização em muitos campos da Educação, entre os quais a Educação Matemática. A interdisciplinaridade pode ser o caminho que finalmente integre os campos da tecnologia e da educação, aproximando-os e trazendo os alunos mais próximos a situações da vida real em seus processos de aprendizagem. Entre as tecnologias digitais mencionadas, destacam-se os jogos digitais - embora os jogos físicos estejam presentes em sala de aula há muito tempo, os avanços tecnológicos permitiram que os jogos digitais venham ocupando papeis importantes no contexto educacional, convertendo-se atualmente em uma das principais tecnologias empregadas com fins educacionais. Nesse contexto, as competências do Pensamento Computacional se tornam um ferramental conceitual útil para se trabalhar com problemas mais próximos da nossa realidade, que em sua grande maioria envolvem saberes interdisciplinares. Nesse sentido, o presente artigo faz um arrazoado conceitual sobre interdisciplinaridade, de forma a gerar subsídios que permitam integrá-la a jogos digitais no desenvolvimento do Pensamento Computacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Cesar Naves Fernandes, Universidade Cruzeiro do Sul

Possui graduação em Sistema de Informação pela Libertas Faculdades Integradas (2009) e graduação em Matemática - Licenciatura pela Universidade de Franca (2016). Possui Especialização em Ensino de Matemática (2018) e esta Cursando Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática (2017), ambos pela Cruzeiro do Sul de São Paulo. Atualmente é professor regente de aulas do Colégio Crescer entre outras funções internas e Analista de Sistemas da Libertas Faculdades Integradas. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Sistemas de Informação, e em Ciências da terra, com ênfase em Matemática e Ciências.

Referências

BALASUBRAMANIAN, Nathan; WILSON, Brent G. Games and Simulations. In: Society for information technology and teacher education International conference, 2006. Proceedings. v.1. 2006. Disponível em: http://www.coulthard.com/library/Files/ balasubramanianwilson_2005-gamesandsimulations.pdf. Acesso em: 28 mai. 2019.

BARADEL, C. de. B. Didática: contribuições teóricas e concepções de professores. 2007. 65f. Monografia - Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências, Campus Bauru, 2007.

BARBOZA JR, A. T.; SILVEIRA, I. F. PerMotivE: Um Modelo conceitual de Persuasão, Motivação e Engajamento para Jogos Educacionais. XV Simpósio Brasileiro de Jogos Digitais e Entretenimento (SBGAMES), São Paulo, p. 920-929, 2016.

BARCELOS, T. S. SILVEIRA, I. S. Pensamento Computacional e Educação Matemática: Relações para o Ensino de Computação na Educação Básica. In: XX WorkShop sobre Educação em Computação, Curitiba, 2012.

BARCELOS, T. S. et al. Relações entre o Pensamento Computacional e a Matemática: uma Revisão Sistemática da Literatura. Anais dos Workshops do IV Congresso Brasileiro de Informática na Educação. 2015. Disponível em: http://www.br- ie.org/pub/index.php/wcbie/article/view/6311/4420. Acesso em: 28 mai. 2019.

BECTA. Computer Games in Education Project. Coventry: BECTA, 2001.

BOCHNIAK, R. Questionar o conhecimento: interdisciplinaridade na escola. 2 Edição. Editora Loyola. Soa Paulo, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 1999.

CALEJON, L. M. C. SILVEIRA, I. F. Os Desafios da Educação Escolar na Contemporaneidade: Tecnologias da Informação e da Comunicação na Educação Escolar. REnCiMa, v. 10, n. 1 p.130-143, 2019. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2254/1098. Acesso em: 28 mai. 2019.

CHAVES, Eduardo O. C. Tecnologia na Educação. 2004. Disponível em: http://www.chaves.com.br/TEXTSELF/EDTECH/tecned2.htm. Acesso em: 28 mai. 2019.

COSTA, D. K. CURY, H. N. Mapeamento de Pesquisas Interdisciplinares no Rio Grande do Sul: Contribuição ao Diálogo entre Disciplinas. REnCiMa, v. 7, n. 1 p.59-73, 2016. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1084/ 810. Acesso em: 28 mai. 2019.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Flow and the psychology of discovery and invention. HarperPerennial, New York, v. 39, 1997.

DOLLE, J. M. Multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade à luz da Epistemologia Genética. Revista Schème – Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas, v.7 n. 1, p. 4-31, 2015.

FABRICATORE, C. Learning and videogames: An unexploited synergy. In: International Conference of the Association for Educational Communications and Technology, Denver, Colorado. 2000.

FAZENDA, I. Dicionário em construção: interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2002.

FRISON, L. M. B. A Perspectiva do especialista em educação: um olhar sobre a Orientação Educacional: avanços e possibilidades. Santa Cruz do Sul: UNISC, set/dez, 2000.

GROS, B. The impact of digital games in education. First Monday, v. 8, n. 7, jul. 2003. Disponível em: http://www.firstmonday.org/issues/issue8_7/xyzgros/index.html. Acesso em: 28 mai. 2019.

HAMARI, J. et al. Challenging games help students learn: An empirical study on engagement, flow and immersion in game-based learning. Computers in human behavior, v. 54, p. 170-179, 2016.

HSIAO, H. A Brief Review of Digital Games and Learning. DIGITEL 2007, The First IEEE International Workshop on Digital Game and Intelligent Toy Enhanced Learning. Los Alamitos, CA, USA: IEEE Computer Society, 2007. 124-129 p. Disponível em: http://doi.ieeecomputersociety.org/10.1109/DIGITEL.2007.3. Acesso em: 28 mai. 2019.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

KIRRIEMUIR, J. MCFARLANE, A. Literature review in games and learning. Futurelab Series Report, 8. University of Bristol. 39 p. 2004.

KOSTER, R. A Theory of Fun for Game Design. 2005.

LEIS, H. R. Sobre o Conceito de Interdisciplinaridade. Caderno de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas. Agosto, 2005.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 22ª ed. São Paulo: Cortez, 1994.

LIMA, M. C. F. et al. Jogos educativos no âmbito educacional: um estudo sobre o uso de jogos no projeto MAIS da Rede Municipal do Recife, 2009.

MITCHELL, A. SAVILL-SMITH, C. The use of computer and video games for learning: A review of the literature. Londres: Learning and Skills Development Agency (LSDA), 2004. Disponível em: htttp://www.lsda.org.uk/files/PDF/1529.pdf. Acesso em: 28 mai. 2019.

MUNGUBA, M. C. et al. Jogos Eletrônicos: Apreensão de Estratégias de Aprendizagem. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. V. 16. N. 1. 2003. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/330/2032. Acesso em: 28 mai. 2019.

NUNES, D. J. Ciência da Computação na Educação Básica. Jornal da Ciência. 09 de setembro, 2011.

PRIETO, L. M. et al. Uso das Tecnologias Digitais em Atividades Didáticas nas Séries Iniciais. Renote: revista novas tecnologias na educação, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p.1-11, maio 2005. Disponível em: http://www.cinted.ufrgs.br/renote/maio2005/artigos/ a6_seriesiniciais_revisado.pdf. Acesso em: 28 mai. 2019.

PIMENTA, S. G. Panorama atual da didática no quadro das ciências da educação: educação, pedagogia e didática. Pedagogia, ciência da educação? 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

PRENSKY, M. Digital game-based learning. New York: McGraw-Hill, 2001.

PRENSKY, M. O papel da tecnologia no ensino e na sala de aula. Tradução Cristina

M. P. In Conjectura, Caxias do Sul, v. 15, n. 2, p.201-204, maio/ago. 2010. Disponível em http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/view/335/289. Acesso em: 28 mai. 2019.

RITCHIE, D. DODGE, B. Integrating Technology Usage across the Curriculum through Educational Adventure Games. p.10. Houston. 1992

SANTOMÉ, J. T. Os motivos no currículo integrado. Capítulo II. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SILVA, A. X., CUSATI, I. C, GUERRA, M. G. G. V. Interdisciplinaridade e transdisciplinaridade: dos conhecimentos e suas histórias. RIAEE – Revista Ibero- Americana de Estudos em Educação, v. 13, n. 3, p. 979-996, 2018.

SILVEIRA, I. F. A “multiplurintertransdisciplinaridade” da Informática na Educação. Computação Brasil n. 36, p. 40-46. Disponível em http://www.sbc.org.br/images/flippingbook/computacaobrasil/computa_31/Comp_Brasil_02_2016.pdf. Acesso em 9 jun. 2019.

SILVEIRA, I. F.. Open educational games: Challenges and perspectives. In: 2016 XI Latin American Conference on Learning Objects and Technology (LACLO). IEEE, 2016. p. 1-9.

SILVEIRA, I. F.; VILLALBA-CONDORI, K. O. An Open Perspective for Educational Games. Journal of Information Technology Research (JITR), v. 11, n. 1, p. 18-28, 2018.

SOUSA, J. G., PINHO, M. J. Interdisciplinaridade e transdisciplinaridade como fundamentos na ação pedagógica: aproximações teórico-conceituais. Revista Signos, v. 38, n. 2, p. 93-110, 2017.

SOUZA, I. M. A. SOUZA, L. V. A. O Uso da Tecnologia como Facilitadora da Aprendizagem do Aluno na Escola. Fórum Identidades, Itabaiana, v. 8, n. 4, p.127-142, jul./dez. 2010. Disponível em: http://200.17.141.110/periodicos/revista_forum_identidades/ revistas/ARQ_FORUM_IND_8 /FORUM_V8_08.pdf. Acesso em: 28 mai. 2019.

VALENTE, J. A. Pesquisa, comunicação e aprendizagem com o computador. Série Pedagogia de Projetos e Integração de Mídias - Programa Salto para o Futuro, setembro, 2003.

VANDEVENTER, S. S. WHITE, J. A. Expert Behavior in Children's Video Game Play. Simulation Gaming, v. 33, n. 1, p. 28-48, 2002. Disponível em: http://sag.sagepub.com/cgi/content/abstract/33/1/28. Acesso em: 28 mai. 2019.

WEIBEL, D.; WISSMATH, B. Immersion in computer games: The role of spatial presence and flow. International Journal of Computer Games Technology, v. 2011, p. 6, 2011.

WING, J. M. Computational thinking. Communications of the ACM, v. 49, n. 3, p. 33–35, mar 2006.

ZAHARIJA, G.; MLADENOVIC, S.; BOLJAT, I. Introducing basic Programming Concepts to Elementary School Children, Procedia - Social and Behavioral Sciences, vol. 106, pp. 1576-1584. 2013.

Downloads

Publicado

2019-07-18

Como Citar

FERNANDES, J. C. N.; SILVEIRA, I. F. Jogos digitais educacionais, práticas interdisciplinares e pensamento computacional: relações possíveis. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 10, n. 4, p. 116-136, 2019. DOI: 10.26843/rencima.v10i4.2442. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2442. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)