Uma revisão bibliográfica e pesquisa sobre livros didáticos de Matemática, tecnologia e ensino de geometria no Ensino Fundamental e Médio

Palavras-chave: Tecnologia, Geometria, Livros Didáticos, Matemática

Resumo

É notória a importância e necessidade da utilização das novas tecnologias no decorrer do processo educativo, em atendimento as reais necessidades e demandas do atual contexto. Deste modo, torna-se igualmente imprescindível a articulação das novas tecnologias no ensino de geometria com os livros didáticos de matemática distribuídos às escolas pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), recurso principal na prática do ensino atual em consonância com “imigrantes e nativos digitais”. A utilização de novas estratégias e recursos didáticos se faz necessária numa perspectiva de motivação e inovação para o processo de ensino e aprendizagem. O presente artigo teve por objetivo realizar uma revisão sistemática bibliográfica em periódicos e artigos qualificados acerca da articulação dos livros didáticos de matemática do PNLD, o quesito tecnológico e diretrizes no ensino da geometria. Os resultados apontam que há um forte movimento de mudança e adaptação dos conteúdos matemáticos, em especial o geométrico, nos dias atuais por conta da tecnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geane de Oliveira Romano, Universidade Cruzeiro do Sul

Licenciatura em Ciências Físicas e Biológias -UNICASTELO

Licenciatura em Matemática-PUC-SP

Licenciatura em Pedagogia-UNINOVE

Especialização em Educação Social

Especialista em Metodologia do Ensino em Matemática

Mestrado Acadêmico no Ensino de Ciências - Cursando

 

Juliano Schimiguel, Universidade Cruzeiro do Sul

Possui Doutorado em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2006), Mestrado em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2002) e Graduação de Bacharelado em Informática pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1999). Atualmente é Professor Permanente do Programa de Doutorado/Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Cruzeiro do Sul (São Paulo, SP) e do Centro Universitário Anchieta - UNIANCHIETA (Jundiaí, SP). Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Interação Humano-Computador (IHC) e Engenharia de Software, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento web, design e avaliação de interfaces, sistemas de informação geográfica, geoprocessamento, análise de sistemas, UML, UP, ensino-aprendizagem de tecnologias e matemática, conteúdos digitais interativos, objetos de aprendizagem, ambientes virtuais e colaborativos, jogos para o ensino, etc.

Marcelo Eloy Fernandes, Universidade Cruzeiro do Sul

Atualmente cursa Pós Doutorado no Programa de Ensino de Ciências e Matemática na UNICSUL, possui pós doutorado em Engenharia de Produção (UNIP), é doutor em Engenharia de Produção (UNIMEP), mestre em Administração (FECAP). É bacharel em análise de sistemas (UNIP), administração (UNINOVE), ciências contábeis (UNICID), engenharia de produção (UNINOVE) e Tecnólogo em Gestão Pública (UBC). Atualmente cursa bacharelado em direito na FMU. Possui especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho (UCAM), Sistemas de informação gerencial (UNIP), docência no ensino superior, planejamento (UNINOVE), implementação e gestão da EAD (UFF), MBA em Marketing (UNINOVE) e Engenharia da Qualidade Integrada (UNINOVE). Tem 29 anos de experiência profissional nas áreas de sistemas integrados (ERP), gestão e arranjo de processos produtivos, auditoria de sistemas, da qualidade e modelagem de sistemas de informação para tomada de decisão em organizações nacionais e internacionais. É professor universitário desde 2001 e desde 2005 na gestão de cursos de bacharelado e tecnologia. É Avaliador do INEP/MEC, Consultor Especialista do Conselho Estadual de Educação de São Paulo (CEE), Membro da SBC (Sociedade Brasileira de Computação) e da ABEPRO (Associação Brasileira de Engenharia de Produção). Atuou como consultor ad-hoc no desenvolvimento de questões ENADE-MEC (2009|2012|2015) no eixo de negócio, para as temáticas de Administração de Produção e Sistemas de informação e Gestão de Projetos. É parecerista de periódicos nacionais e internacionais. Já publicou artigos em anais e periódicos nacionais e internacionais.

 

Referências

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 5.692/71. Brasília, 1971.

DASSIE, Bruno Alves. Euclides Roxo e a constituição da Educação Matemática no Brasil. 2008. 271 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

DEARDORFF, Darla K. The SAGE handbook of intercultural competence. California: SAGE Publications, Inc, 2009.

DEMO, Pedro. Complexidade e Aprendizagem: a dinâmica não linear do conhecimento. São Paulo: Atlas, 2002.

FRANTZ, Débora de Sales Fontoura da Silva; DALCIN, Andréia. Fotografia e Matemática em uma escola do campo: ampliando olhares, construindo saberes. REMATEC, ano 12, n. 25, mai/ago, 2017.

FRANCO, C. P. Understanding Digital Natives. Learning Experiences. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 13(3), 2013.

GIRAFFA, L. M. M. Vamos bloggar professor? Possibilidades, desafios e requisitos para ensinar matemática no século xxi. REnCiMa, v. 1, n. 2, p. 97-110, jul/dez 2010.

HAJIZADEH, Neda. The Relationship Between Acculturation, Intergenerational Family Conflict, and Late Adolescent Psychological Adjustment in Asian Indian College Students. Pro Quest, 2009.

KENSKI, V. M. Novas Tecnologias: o redimensionamento do espaço e do tempo e os impactos no trabalho docente. Revista Brasileira de Educação, Brasília, n.8, 1998.

KUMAR, Margaret. Postcolonial Theory and Cross-culturalism: Collaborative ‘Signposts’ of Discursive Practices. Australia: University of South Australia. Journal of educational Enquiry, Vol.1, Nº 2, 2000.

LORENZATO, Sérgio. Porque não ensinar Geometria? Educação Matemática em Revista. v. 3, n. 4, 1995.

MENDONÇA, Thiago Neves. Que geometria ensinar às crianças em tempos de matemática moderna? Referências e práticas de uma professora da cidade de Juiz de Fora, Dissertação (mestrado), Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2016.

MORAN, J. M. A Educação que Desejamos: novos desafios e como chegar lá. São Paulo: Papirus, 2011.

OBERG, Kalervo. Cultural Shock: Adjustment to New Cultural Environments. Reprint de 1960, Curare 29, 2006.

OLIVEIRA, F. K.; PONTES, M. G. O.; SANTANA, J. R.; CUNHA, R. B. O ensino de geometria por meio de múltiplas plataformas: uma experiência com o Geonext. REnCiMa, v. 2, n. 1, p. 30-49, jan/jun 2011.

PACHÊCO, Franklin Fernando Ferreira; PACHÊCO, Gisele Ferreira; SILVA, Anderson Douglas Pereira Rodrigues da. Uma análise em livros didáticos de matemática dos anos finais do ensino fundamental acerca da proposta do ensino de polígonos sob a ótica da teoria de Van Hiele. REVEMAT. Florianópolis, (SC), v.12, n. 2, 2017.

PAVANELLO, R. M. O abandono do ensino da Geometria no Brasil: causas e consequências. Zetetiké. v. 1, n. 1, p. 7-17, 1993.

PEREIRA, E.; GUERRA, E. A. A utilização de applets no Geogebra para a aprendizagem da trigonometria no ensino médio. REnCiMa, v. 7, n.3, p. 53-72, 2016.

PRENSKY, Mark. Digital Natives, Digital Immigrants. In: On the Horizon. NCB University Press, n.5, v.9, 2001.

ROSINSKI, Philippe. Coaching Across Cultures. London: International Journal of Coaching in Organizations, 2003.

ROSSINI, M. A. P. Um estudo sobre o uso de régua, compasso e um Software de geometria dinâmica no ensino da Geometria hiperbólica. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2010.

SAM, David L.; BERRY, John W. The Cambridge Handbook of Acculturation Psychology. UK: Cambridge University Press, 2006.

SANTOS, Everaldo Roberto Monteiro dos Santos; ALVES, José Jerônimo de Alencar. Inovações matemáticas no ensino da província do Grão-Pará (1838-1841). REMATEC, ano 13, n. 27, jan/abr, 2018.

SANTOS, W. D.; SANTOS JR., J.; VELASQUE, L. S. O desenvolvimento do letramento estatístico pelos livros didáticos e a base nacional comum curricular. REnCiMa, v.9, n.2, p. 210-229, 2018.

SOARES, E. Uma análise sobre as atividades de probabilidade propostas em livros didáticos de matemática dos anos finais do ensino fundamental. REnCiMa, v. 9, n.6, p. 65, 2018.

SOUZA, Samuel Mercês; BORGES, Luzineide Miranda. As redes sociais virtuais, os nativos e imigrantes digitais. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE HIPERTEXTO, 3, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte, 2009.

VIANA, O. A.; BOIAGO, C. E. P. Modelagem matemática no Geogebra: uma análise a partir dos registros de representação semiótica. REnCiMa, v. 6, n. 3, p. 23-37, 2015.

VIEIRA, Andréa Aparecida; ESCHER, Marco Antônio. Construções Geométricas Utilizando Régua e Compasso e Softwares Educacionais. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v.8, n.1, jan/abr, 2018.

VIGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Publicado
2019-07-18
Como Citar
ROMANO, G. DE O.; SCHIMIGUEL, J.; FERNANDES, M. E. Uma revisão bibliográfica e pesquisa sobre livros didáticos de Matemática, tecnologia e ensino de geometria no Ensino Fundamental e Médio. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 4, p. 212-226, 18 jul. 2019.
Seção
Artigos Gerais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>