Inovação disruptiva: um olhar sobre os ambientes educativos inovadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v10i4.2388

Palavras-chave:

Inovação educacional, Professores, Alunos, Espaço da sala de aula

Resumo

Os Ambientes Educativos Inovadores (AEI) surgem no contexto da sala de aula na tentativa de promover práticas inovadoras e as chamadas competências do século XXI.  O presente estudo foi realizado a partir de informações sobre o processo de implementação de Ambientes Educativos Inovadores no contexto de 4 escolas portuguesas. A investigação consistiu na coleta de informações a partir de 3 fontes de informação básicas: vídeos de aulas previamente gravadas no AEI, entrevista com 9 professores e observação de atividades. A partir do conceito de inovação disruptiva analisamos a implementação desses AEI no contexto português, procuramos observar três possíveis posturas apresentadas pelos professores e alunos durante o processo de implementação dos AEI, sendo elas: Rejeição, Affordance e crença no Poder Mágico do AEI como meio de transformação do ensino. Dessa análise entende-se que o AEI compreendido como inovação disruptiva rompe com o modelo tradicional de sala de aula e para que esse ambiente atinja o potencial prometido, alunos e professores precisam reconhecer o potencial desse novo ambiente. O docente precisa transformar sua prática e não apenas incorporá-la em um novo espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarice Parreira Senra, Universidade Federal de Juiz de Fora

Possui graduação em Física pela Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF, (2008). Mestrado profissionalizante em Ensino de Ciências e Matemática pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, CEFET-RJ, (2011). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência Tecnologia e Educação (CEFET-RJ). Atualmente é professora assistente do Departamento de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF. Temas de interesse: Novos Ambientes de Aprendizagem, Robótica Educacional.

Marco Braga, Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Educação

Graduado em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - 1985. Mestre em Educação pela PUC-RJ - 1991. Doutor em Engenharia de Produção pela COPPE - UFRJ -1999. Pós Doutorado na University of California at Berkeley. Atualmente é professor titular e pesquisador no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - RJ. Líder do grupo de pesquisa CNPq Novas Abordagens em Tecnologia e Educação;. É co-autor de 11 livros de Divulgação Científica. Coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Educação do CEFET/RJ de 2010 até 2014 e de 2018 até a presente data. Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2 do CNPq na área de Educação. Dedica-se à compreensão das relações entre Tecnologia e Educação a partir do estudo da formação de Redes de Conhecimento em Ambientes Inovadores de Aprendizagem STEM (Labs didáticos, Ecolabs, Espaços Maker, Oficinas de Robótica), Produção de novas mídias. Engineering Education Coordena o N@MELAB Laboratório de Redes de Conhecimento e Midias na Educação. Área de investigação: Tecnologia e Educação - Inovação no Ensino de Ciências e Engenharia - Redes de Conhecimento - Ambientes Educacionais Inovadores. Mídias na Educação, Gestão de Conhecimento em Ambientes STEM. Temas de Interesse: Difusão de Conhecimentos (Ciência e Tecnologia) em Ambientes STEM.

Referências

ADMIRAAL, W. et al. Teachers in school-based technology innovations: A typology. Computers & Education, v. 114, p. 57-68, 2017.

BANNISTER, D. Guidelines on Exploring and Adapting LEARNING SPACES IN SCHOOLS. European Schoolnet, Dez. 2017. Disponivel em: <http://www.indire.it/wp- content/uploads/2018/04/Learning_spaces_guidelines_ENG.pdf>. Acesso em: 29 maio 2018.

BYERS, T.; IMMS, W. Solution? Evolution? or Revolution? Learning Spaces, Teaching Times: Birmingham, v. 3, n.3, p. 50-58, 2017.

BYERS, T.; IMMS, W.; HARTNELL-YOUNG, E. Comparative analysis of the impact of traditional versus innovative learning environment on student attitudes and learning outcomes. Studies in Educational Evaluation, v. 58, p. 167-177, Sept. 2018.

CHISM, N. V. N. Challenging Traditional Assumptions and Rethinking Learning Spacesl. In: OBLINGER, D. G. Learning Spaces. [S.l.]: Educause, 2006. p. 2.1-2.12.

CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; JOHNSON, C. W. Inovação na sala de aula: como a inovação disruptiva muda a forma de aprender. Porto Alegre: Bookman, 2012.

ERTE. Ambientes Educativos Inovadores. Disponível em: <http://erte.dge.mec.pt/ambientes-educativos-inovadores>. Acesso em: 25 maio 2018.

ERTMER, P. A. Addressing First- and second-order barriers to change: strategies for technology integration. Educational Technology Research and Development, v. 47, n. 4, p. 47-61, 1999.

ERTMER, P. A. et al. Teacher beliefs and technology integration practices: A critical relationship. Computer & Education, v. 59, n. 2, p. 423-435, 2012.

ERTMER, P. A.; OTTENBREIT-LEFTWICH, A. T.; TONDEUR, J. Theachers’ beliefs and uses of technology to support 21st-century teaching and learning. In: FIVE, H.; GILL, M. G. International Handbook of Research on Teachers' Beliefs. New York: Routeledge, 2015. p. 403-418.

EUROPEAN SCHOOLNET. Future Classroom Lab. 2016. Disponível em: <http://fcl.eun.org/documents/10180/13526/FCL+learning+zones+Dec+2016/a091a761- 7a63-443e-afe0-d1870e430686>. Acesso em: 20 ago. 2017.

FOUCAULT, M. "Outros espaços". In:. Ditos e escritos III - Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. p. 411-422.

IMMS, W. et al. Type and Use of Innovative Learning Environments in Australasian Schools ILETC Survey n. 1., 2017. Disponivel em: <http://www.iletc.com.au/publications/reports>. Acesso em: 8 out. 2018.

IMMS, W.; CLEVELAND, B.; FISHER, K. Learning environments evaluation. Snapshots of emerging issues, methods and knowledge. Rotterdam: Sense Publishers, 2016.

LEAHY, G. The modern classroom: Strategic insights for school leaders. Blackburn: Promethean, 2016.

LINHARES, R. N.; FERREIRA, S. L. Reflexões sobre o perfil tecnológico dos professores do núcleo de Itabaiana/Sergipe no curso de formação para PROUCA. In: 35ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED. Anais... Porto de Galinhas : [s.n.]. 2012.

MAHAT, M. et al. Innovative Learning Environments and Teacher Change: Defining key concepts. LEaRN, Melbourne, 2018. Disponível em: <http://www.iletc.com.au/publications/reports>. Acesso em: 9 out. 2018.

MONAHAN, T. Flexible Space & Built Pedagogy: Emerging IT Embodiments. Inventio, v. 4, n. 1, p. 1-19, 2002.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com apoio de tecnologias. In: MORAN,

J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2013. p. 11-72.

OECD. The OECD Handbook for Innovative Learning Environments. Paris: OECD Publishing, 2017.

PEDRO, N. Ambientes educativos inovadores: o estudo do fator espaço nas "salas de aula do futuro" portuguesas. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 10, n. 23, p. 99-108, 2017.

SEIXAS, L. V. S. Conectando a rede: recontextualizações do projeto “Um computador por aluno” (UCA) em uma escola municipal do Rio de Janeiro. Porto de Galinhas: Atas da 34ª Reunião Anual da ANPED, 2011.

SERRES, M. Polegarzinha. Tradução de Jorge Bastos. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015. 96 p.

Downloads

Publicado

2019-07-18

Como Citar

SENRA, C. P.; BRAGA, M. Inovação disruptiva: um olhar sobre os ambientes educativos inovadores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 10, n. 4, p. 101–115, 2019. DOI: 10.26843/rencima.v10i4.2388. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2388. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos