Jogos cooperativos e argumentação: potencialidades para a promoção do pensamento crítico e reflexivo no ensino de Matemática

Palavras-chave: Jogos Cooperativos, Argumentação, Educação Matemática

Resumo

O presente artigo tem como principal objetivo discutir as potencialidades de jogos em uma perspectiva cooperativa para a promoção de processos argumentativos em sala de aula, isto pensado com o intuito de propiciar o desenvolvimento do pensamento crítico e reflexivo no ensino de Matemática. Para tanto, se optou por uma pesquisa de cunho bibliográfico para levantamento e sistematização dos conceitos acerca dos temas envolvidos na pesquisa a fim de descrever essas potencialidades educativas, e, concomitantemente, realizamos análises dos documentos curriculares oficiais (Nacionais e regionais) visando identificar o que propõem os mesmos no que concerne ao ensino da Matemática. Descrevemos que, em todos os documentos analisados, a cooperação e o pensamento crítico são propostas para o trabalho em sala de aula, e, em seguida, justificamos as correlações das possíveis potencialidades dos Jogos Cooperativos (JC) para promover os processos argumentativos de acordo com os autores pesquisados. Concluímos que o professor, por meio de ações discursivas específicas, convicto da potencialidade da Argumentação e utilizando um jogo na perspectiva cooperativa, possibilitará aos alunos tornarem-se indivíduos críticos e reflexivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Antonio da Silva Lopes, Universidade Federal de Pernambuco

Mestrado Em Educação em Ensino de Ciências e Matemática

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática, v.3. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. (3º e 4º ciclos do ensino fundamental). Brasília: MEC, 1998.

BROTTO, Fábio Otuzi. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. 4º ed. São Paulo: Palas Athena, 2013.

BROWN, Guilhermo. Jogos cooperativos: teoria e prática. São Leopoldo, RS: Sinodal, 1994.

CALLOIS, Roger. Os jogos e os homens: A máscara e a vertigem. Edições Cotovia, Lisboa, 1990.

COSTA, Jane dos Santos. Aplicações de jogos e desafios para o ensino de Matemática nas séries iniciais.São Carlos, 2011. Disponível em <http://www.pedagogia.ufscar.br/documentos/arquivos/trabalhos-de-conclusao-de- curso/tcc-2008/aplicacoes-de-jogos-e-desafios-para-o-ensino-de-matematica-nas-series- iniciais-1>. Acesso em: 13 Dez. 2018.

DE CHIARO, Sylvia. LEITÃO, Selma. O papel do professor na construção discursiva da Argumentação em Sala de Aula. Universidade Federal de Pernambuco, Recife. Psicologia, Reflexão e Crítica, 2005, pp. 350-357.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade. 2001. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

GRANDO, Regina Célia. O Jogo suas potencialidades metodológicas no ensino- aprendizagem da matemática. Campinas, fevereiro de 1995.

GRANDO, Regina Celia. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. 2000. 224p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP.

GUERREIRO, António Manuel da Conceição. Comunicação no ensino-aprendizagem da matemática:práticas no 1º ciclo do ensino básico. Tese de doutoramento, Educação (Didática da Matemática), Universidade de Lisboa, Instituto de Educação, 2011.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 4. Ed. São Paulo, 2000.

ITACARAMBI, Ruth Ribas. Jogo como recurso pedagógico para trabalhar matemática na escola básica: ensino fundamental. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2013.

LEITÃO, Selma; ALMEIDA, Eliana G. da S. A Produção de Contra-Argumentos na Escrita Infantil. Universidade Federal de Pernambuco, Recife. In: Psicologia: Reflexão e Crítica, 2000, 13, v.3, pg.351-361.

LEITÃO, S. Processos de construção do conhecimento: a argumentação em foco. In: Pro- Posições(UNICAMP. Impresso), v. 18, p. 75-92, 2007.

LEITÃO, Selma. DAMIANOVIC, Maria Cristina. (Orgs.). Argumentação na escola: o conhecimento em construção. Campinas, SP: Pontes editores, 2011.

LITTIG, Jonisário. LORENZONI, Lessa. TEIXEIRA, O. L. T. FERREIRA, M. A. V. A

modelagem matemática na perspectiva sociocrítica e a teoria da situação didática: identificando aproximações potencializadores da aprendizagem e do desenvolvimento do conhecimento reflexivo. REnCiMa, v. 10, n.1, p. 01-13, 2019. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1603/1090. Acesso em: 04 Abr. 2019.

ONUCHIC, Lourdes de la Rosa. A Resolução de Problemas na Educação Matemática: Onde estamos e para onde iremos? Universidade de Passo Fundo. 2012. Disponível em:

<http://anaisjem.upf.br/download/cmp-14-onuchic.pdf>.Acesso em: 22 de Jan. 2019. ORLICK, Terry. Vencendo a competição. Ed integral. São Paulo: Círculo do livro, 1993.

PEREIRA, Teixeira Regina. Do professor tradicional ao inovador: novos papéis docentes. 2015. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/117514/000967420.pdf?sequence=1>. Acesso em: 17 de Jan. 2019.

PERNAMBUCO, Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares de Matemática para o Ensino Fundamental e Médio. Recife, 2012.

POLYA, G. Sobre a resolução de problemas de matemática na high school. In: KRULIK, S.; REYS, R. E. (Org). A resolução de problemas na matemática escolar. São Paulo: Atual, 1997.

PONTE, João Pedro da. Matemática: uma disciplina condenada ao insucesso. NOESIS, n. 32, p. 24-26, 1994. Disponível em: <http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/docs-pt/94-Ponte(NOESIS).doc>. Acesso em: 09 de Fev. 2019.

SILVA, C. L. A. GODOY, E. V. Tendências de pesquisa em Educação Matemática que privilegiam as dimensões social, cultural e política da matemática escolar. REnCiMa, Edição Especial: Educação Matemática, v.7, n.4, p. 128-148, 2016. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1210 Acesso em: 04 de Abr, 2019.

VAN EEMEREN, Frans H. etal. Fundamentals of argumentation theory: A handbook of historical backgrounds and contemporary developments. Mahwah, NJ: Erlbaum, 1996.

Publicado
2020-05-05
Como Citar
LOPES, C.; RODRIGUES, K.; DE CHIARO RIBEIRO RODRIGUES, S. Jogos cooperativos e argumentação: potencialidades para a promoção do pensamento crítico e reflexivo no ensino de Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 3, p. 244-263, 5 maio 2020.
Seção
Artigos Gerais