Intervenção educativa sobre febre amarela com alunos de uma Escola Pública Federal em Floriano, Piauí, Brasil

  • Wanderson Lopes dos Santos Freitas Instituto Federal do Piauí
  • Raíla Kely de Sousa Pacheco Instituto Federal do Piauí
  • Maurício Santos Araújo
  • Aracelli de Sousa Leite Instituto Federal do Piauí
Palavras-chave: Aedes aegypti, Hematófagos, Intervenção educativa

Resumo

A Febre Amarela é uma doença infecciosa não contagiosa, transmitida ao homem pela picada de mosquitos hematófagos da família Culicidae. Contabiliza-se no mundo cerca de 200 mil casos por ano, e causando a morte de 30 mil pessoas principalmente em áreas de clima tropical. Sendo assim, este trabalho buscou compreender o nível de conhecimento dos alunos da 2ª série do Ensino Médio de uma Escola Federal de Floriano, Piauí, sobre a Febre Amarela, visando orientá-los sobre a temática, por meio de uma intervenção educativa com a utilização de uma revista informativa como material didático alternativo. Adotou-se uma pesquisa com abordagem quali-quantitativa. Aplicou-se um questionário pré-teste com perguntas fechadas antes da intervenção, e um pós-teste depois da aula. Verificou-se que os alunos não possuíam um conhecimento satisfatório sobre a doença, principalmente sobre o agente etiológico, vetor e espécies responsáveis pela transmissão da Febre Amarela no ciclo urbano e silvestre. A doença não é frequentemente abordada em sala de aula. Portanto, após a intervenção educativa com auxílio da revista foi possível verificar a construção de uma aprendizagem siginificativa sobre os pontos-chave da doença e sua profilaxia. Assim, essas metodologias alternativas no âmbito escolar podem promover a construção do conhecimento e consequentemente a promoção da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, M. S.; SOUSA, S. C.; LEITE; A. S. L. Metodologias ativas para a inclusão de alunos com deficiência auditiva: novas possibilidades no processo de ensino- aprendizagem em biologia. In: CARLONI, P. R.; FREIRE, A. C.; ANDRADE, T. C. O. (org.). Educação, Inclusão e Sociedade. Goiânia: Mundial Gráfica, 2017, 6-234 p.

BARROS, G. D.; SILVA, D. M. S. O uso de um recurso didático como subsídio para o ensino de genética. Revista SBEnBIO, v.1, n.9. p.4250- 4261, 2016.

BRASIL. FIOCRUZ. Febre Amarela. Disponível em: <https://agencia.fiocruz.br/febre- amarela> Acesso em: 03 fev. 2018c.

BRASIL. Governo do Brasil. Macacos não são transmissores da febre amarela. Disponível em: < http://www.brasil.gov.br/saude/2017/03/macacos-nao-sao-transmissores- de-febre-amarela> Acesso em: 23 jan. 2018b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias/Ministério da Educação. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 1999a.

BRITO, L. B. M., SANTOS, J. A., GOMES, A. L. P., MARCOS, A. J. F. Yellow fever a review of literature. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, v. 8, n. 3, p. 61- 65, 2014.

CARNEIRO, M.; LARA, B. S.; SCHIMIDT, B.; GAIS, L. Superdosagem da vacina 17DD contra febre amarela, em uma região do sul do Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.44, n.2, p.252- 253, 2011.

CARVALHO, J. A.; TEIXEIRA, S. R. F.; CARVALHO, M. P.; VIEIRA, V.; ALVES, F. A. Doenças emergentes: uma análise sobre a relação do homem com o seu ambiente. Revista Praxis, v. 1, n. 1, p. 19-23, 2009.

CAVALCANTE, K. L. R. J.; TAUIL, P. L. Risco de reintrodução da febre amarela no brasil. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, n. 3, p. 617-620, 2017.

CHAMBERS, T. J.; DROLL, D. A.; TANG, Y.; LIANG, Y. Yellow fever virus NS2B-NS3 protease: characterization of charged- to-alanine mutant and revertant viruses and analysis of polyprotein-cleavage activities. Journal of General Virology, v. 86, p. 1403- 1413, 2005.

FERREIRA, F. A.; VAILLANT, V. S.; MANIERO, V. C.; SANTOS, L. M.; VASCONCELOS, R. F. R. R. O jogo “caça mosquito” como material didático para ensinar a combater a dengue, zika e chikungunya nas escolas. Revista SBEnBIO, v. 1, n. 9. p. 7400- 7409, 2016.

GOLDMAN, L.; BENNETT, J. C. C. Tratado de medicina interna. 21. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

LUZ, M.; OLIVEIRA, M. F. A. Identificando os nutrientes energéticos: uma abordagem baseada em ensino investigativo para alunos do Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 8, n. 2, p. 12, 2008.

MACHADO, V. W.; VASCONCELOS, P. F. C.; SILVA, E. V. P.; SANTOS, J. B. Serologic assessment of yellow fever immunity in the rural population of a yellow fever-endemic area in Central Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 46, p.166- 171, 2013.

MUTEBI, J. P.; WANG, H.; LI, L.; BRYANT, J. E.; BARRETT, A. D. T. Phylogenetic and evolutionary relationships among yellow fever virus isolates in Africa. Journal of Virology, v. 75, n. 1, p. 6999-7008, 2011.

NEVES, D. P.; MELO, A. L.; LINARDI, P. M.; VITOR, R. W. A. Parasitologia Humana. 13. ed. São Paulo: Atheneu, 2016.

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de biologia. Revista do Núcleo de Educação a Distância da Universidade Estadual Paulista – NEaD/Unesp, v. 2, n. 1, p. 355-381, 2016.

PIRES, L. M.; QUEIRÓS, P. S.; MUNARI, D. B.; MELO, C. F.; SOUZA, M. M. S. A Enfermagem no Contexto da Saúde do Escolar: Revisão Integrativa da Literatura. Revista de Enfermagem da UERJ, v. 20, n. 5, p. 668-675, 2012.

REY, L. Bases da parasitologia médica. Campo Grande, RJ: Gunabara Koogan, 2011.

SANTOS, F. S. A construção de material didático contextualizado como subsídio para as aulas de Ciências do Ensino Fundamental (II): uma experiência colaborativa em Cubatão, SP. 2009. 209 f. Tese de Doutorado (Ensino de Ciências e Matemática) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo - FEUSP, São Paulo, 2009.

SARAIVA, M. C. G.; AMORIM, R. D. S.; MOURA, M. A. S.; SANTOS, E. C. S.; SAMPAIO, L. S.; BARBOSA, M. G. V. Historical analysis of the records of sylvan yellow fever in the State of Amazonas, Brazil, from 1996 to 2009. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 46, p. 223-226, 2013.

SELEMANE, I. Epidemiological monitoring of the last outbreak of yellow fever im Brazil – An outlook from Portugal. Revista Medicene and Infectous Diseases, v. 28, n. 1, p. 46- 51, 2019.

SILVA, J. S.; MARIANO, Z. F.; SCOPEL. A dengue no brasil e as políticas de combate ao Aedes aegypti: da tentativa de erradicação ás políticas de controle. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 6, n. 3, p. 163-175, 2008.

SILVA, F. C. Efeitos da vacinação contra febre amarela sobre a gestação em camundongos. 2009. 90 f. Tese de Mestrado (Biologia Celular e Tecidual) – Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

SILVA, T. V. Tema transversal saúde na escola: diagnóstico e possibilidades, 2013. 57 f. Trabalho de conclusão de curso (Pedagogia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, Rio Branco, 2013.

VASCONCELOS, P. F. C. Febre Amarela. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n. 2, p. 275-293, 2003.

VASCONCELOS, P. F. C. Yellow fever in Brazil: thoughts and hypotheses on the emergence in previously free areas. Revista Saúde Pública. v. 44, n. 1, p.1144-1149, 2010.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Revista Educação e Sociedade, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, 2010.

Publicado
2020-01-01
Como Citar
FREITAS, W. L. DOS S.; PACHECO, R. K. DE S.; SANTOS ARAÚJO, M.; LEITE, A. DE S. Intervenção educativa sobre febre amarela com alunos de uma Escola Pública Federal em Floriano, Piauí, Brasil. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 1, p. 154-168, 1 jan. 2020.
Seção
Artigos Gerais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)