O livro didático de Física e suas tendências: uma análise necessária da influência behaviorista no ensino de Ciências

Palavras-chave: Livro didático, Behaviorismo, Ensino de Física

Resumo

O trabalho, ora apresentado, tem o objetivo de fazer uma análise de um livro de Física comumente utilizado por professores na rede básica. O livro em questão é o Tópicos de Física 3. Na ocasião, procura-se destacar aspectos behavioristas que aparecem como elementos basilares no conteúdo presente no livro. Assim, buscou-se, no livro didático, encontrar excertos que pudessem se articular a conceitos importantes do Behaviorismo, desde Pavlov e Watson até Skinner. Foi possível observar um grande número de aspectos behavioristas presentes como reforço positivo e reforço negativo, contingência de reforço, entre outros. Diante disso, é possível dizer que o livro Tópicos de Física 3 apresenta uma forte influência behaviorista e que isso pode ser um interessante parâmetro para se levar em consideração no momento de adoção do mesmo pelos professores no ensino de Física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, C. S.; MARTINS, A. F. P. História e Filosofia da Ciência: contribuições aos professores das séries iniciais do ensino fundamental. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, VII, 2009, Florianópolis.Atas... ABRAPEC, p. 1-12.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70. São Paulo: 2004.

BISCUOLA, G. J.; BÔAS, N. V.; DOCA, R. H. Tópicos de Física 3. 17 ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais + (PCN+) - Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Básica (SEB), Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Orientações Curriculares do Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB, 2006.

CASTRO, R. S. de. Uma e outras histórias. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org). Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa e a Prática. São Paulo: Cengage Learning, 2009. cap. 6, p. 101-118.

DA SILVA, E.F.; GARCIA, T.M.F.B.; GARCIA, N.M.D. O livro didático de Física está na escola. O que pensam os alunos do Ensino Médio? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, VIII, 2011, Campinas. Atas.ABRAPEC, p. 582-91.

GARCIA, N. M. D. Livro didático de Física e de Ciências: contribuições das pesquisas para a transformação do ensino. Educar em Revista, Curitiba, v. ?, n. 44, p. 145-163, abr./jun. 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. GREF. Física 3: Eletromagnetismo. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2012.

HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física, Volume 4: óptica e física moderna. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

JUNIOR, W. E. F.; JÚNIOR, O. G. Leitura em sala de aula: um caso envolvendo o funcionamento da ciência. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 191- 199, ago. 2010. Disponível em: <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc32_3/09-PE- 8809_novo.pdf>. Acesso em: 11/02/2019.

KNIGHT, R. Física 2: uma abordagem estratégica. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

LAKOMY, A. M. Teorias Cognitivas de Aprendizagem. 2. ed. Curitiba: Ibpex, 2008.

LEFRANCOIS, G. R. Teorias da Aprendizagem: o que a velha senhora disse. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

MÁXIMO, A.; ALVARENGA, B. Curso de física. São Paulo: Scipione, 2000. MOREIRA, M. A. Teorias de Aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

NETO, J. M.; PACHECO, D. Pesquisa sobre o ensino e Física no nível médio no Brasil: concepção e tratamento de problemas em teses e dissertações. In: NARDI,

R. (Org). Pesquisas no Ensino de Física. 2. ed. São Paulo: Escrituras Editora. 2001. cap. ?, p. 5-30.

NEVES, M. C. D. A História da Ciência no Ensino de Física. Ciência & Educação, Bauru, v. 5, n. 1, p. 73-81, dez. 1988. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v5n1/a07v5n1.pdf>. Acesso em: 11/02/2019.

NEVES, M. C. D.; SAVI, A. A. A sobrevivência do Alternativo: uma pequena digressão sobre mudanças conceituais que não ocorrem no ensino de Física. Ciência & Educação, Bauru, v. 6, n. 1, p. 11-20, dez. 2000. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v6n1/02.pdf>. Acesso em: 11/02/2019.

PIETROCOLA, M. Curiosidade e Imaginação – os Caminhos do Conhecimento nas Ciências, nas Artes e no Ensino. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org). Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa e a Prática. São Paulo: Cengage Learning, 2009. Cap. 7, p. 119-134.

PIETROCOLA, M. A Matemática como linguagem estruturante do pensamento físico. In: CARVALHO, A. M. P. de. et al. Ensino de Física. São Paulo: Cengage Learning, 2010. cap. 4, p. 79-106.

RICARDO, E. C. Problematização e contextualização no ensino de Física. In: CARVALHO, A. M. P. de. et al. Ensino de Física. São Paulo: Cengage Learning, 2010. cap. 2, p. 29-51.

ROCHA, J. N.; COSTA, T. M. L.; ALMEIDA, R. A. F. A percepção da ciência dos professores da educação básica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 3, n. 3, p. 139-151, 2012. Disponível em:

<http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/358/301>. Acesso em: 11/02/2019.

SOBRINHO, M. F.; CARNEIRO, M. H. da S. Newton e a decomposição da luz solar em um prisma: o que trazem os livros de ensino médio? Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 5, n. 2, p. 35-55, 2014. Disponível em:

. Acesso em: 11/02/2019.

Publicado
2020-08-08
Como Citar
MELO, M. G. DE A.; NEVES, M. C. D.; SILVA, S. DE C. R. DA; PINHEIRO, N. A. M.; MIQUELIN, A. F. O livro didático de Física e suas tendências: uma análise necessária da influência behaviorista no ensino de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 5, p. 185-203, 8 ago. 2020.
Seção
Artigos Gerais