Corpo humano e a saúde na juventude: estratégia e recursos para o Ensino Médio

Palavras-chave: Ensino de ciências, Corpo humano, Recursos didáticos, Formação inicial docente

Resumo

Compreender a constituição e o desenvolvimento do corpo humano enquanto um sistema, entender seus mecanismos fisiológicos e conhecer a relação de interdependência existente entre os órgãos são conhecimentos fulcrais para o desenvolvimento de atitudes e hábitos individuais e coletivos saudáveis. Tais saberes orientam os aprendizes para escolhas mais conscientes com relação ao estilo de vida e aos cuidados com a saúde, visando a um bom funcionamento do organismo e bem-estar do indivíduo. Não obstante a reconhecida importância do ensino de conteúdos relacionados ao corpo humano, estes são comumente apresentados de maneira superficial para adolescentes do Ensino Médio do Estado de São Paulo, em virtude do currículo paulista. Neste sentido, o artigo apresenta estratégias e recursos educacionais resultantes de um Estágio Curricular Supervisionado realizado por licenciandos do curso de Ciências Biológicas, que buscaram conciliar a realidade escolar vivenciada no desenvolvimento da investigação à abordagem sistêmica deste conteúdo, visando os aspectos de saúde e qualidade de vida dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, L. M., CAVALCANTE, D. M., BARROSO, M. F G., NOGUEIRA, L. F., SOUSA, A. P. B., MORAES, K. M. Viver saúde: promoção da qualidade de vida de adolescentes vulneráveis em um projeto social. Sanare, v. 14, n. 1, p. 93-96, 2015.

AROEIRA, K. P. Estágio supervisionado e possibilidades para uma formação com vínculos colaborativos entra a universidade e a escola. Em: ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. (orgs.). Estágios supervisionados na formação docente: educação básica e educação de jovens e adultos. São Paulo: Cortez, 2015.

ARAUJO-JUNIOR, J. P., GALVÃO, G. A. S., MAREGA, P., BAPTISTA, J. S., BEBER, E. H. , SEYFERT, C. E. Desafio anatômico: uma metodologia capaz de auxiliar no aprendizado de anatomia humana. Medicina, v. 47, n. 1, p. 62-68, 2014.

BARRETO, E. S.; OLIVEIRA, M. M.; ARAUJO, M. L. F. O estágio supervisionado obrigatório na formação do professor de Ciências e Biologia: perspectivas de licenciandos e orientadores. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 8, n. 16, p. 51-60, 2015.

BOLZANI, B., BITTAR, C. M. L. Oficinas de artes visuais para adolescentes em situação de risco social: uma possibilidade para ações em promoção de saúde. Adolescência & Saúde, v. 14, n. 1, p. 7-13, 2017.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, DF: MEC, 2006.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente e saúde. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BURKE, R. M., MEYER, A., KAY, C., ALLENSWORTH, D., GAZMARARIAN, J. A. A holistic school-based intervention for improving health-related knowledge, body composition, and fitness in elementary school students: na evaluation of the HealthMPowers program. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v. 11, n. 78, p. 1-12, 2014.

CARMO, H., FERREIRA, M. M. Metodologias da Investigação: guia para auto- aprendizagem. Lisboa: Universidade Aberta, 2008.

CHIBIAQUE, F. M., AVILA, M. C., SOUSA, C. M., FIRME, M. V. “Aulão” uma proposta interdisciplinar dos PIBID Química e Matemática da UNIPAMPA. Em: XXXIV Encontro de Debates sobre Ensino de Química, 2014, Anais… Santa Catarina, Brasil: UNISC, p. 156-157, 2014.

DUSO, L., CLEMENT, L., PEREIRA, P. B., ALVES-FILHO, J. P. Modelização: uma possibilidade didática no ensino de biologia. Revista Ensaio, v. 15, n. 2, p. 29-44, 2013.

ELLIOT, J. El cambio educativo desde la investigación-acción. Madrid: Ediciones Morata, 2005.

FREITAS, N. O, CARVALHO, K. E. G., ARAÚJO, E. C. Estratégia de educação em saúde para um grupo de adolescentes do Recife. Adolescência & Saúde, v. 14, n. 1, p. 29-36, 2017.

GIORDAN, M. Z., HOBBOLD, M. S. A Escola como espaço de formação de professores iniciantes. Revista Reflexão e Ação, v. 24, n. 3, p. 7-25. 2016

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63. 1995.

GONÇALVES, L. F. F., FARIA, D. S. A., BATISTA, E. S., FERREIRA, S. R., ASSIS, S. M. Promoção de saúde com adolescentes em ambiente escolar: relato de experiência. Sanare, v. 15, n. 2, p. 160-167, 2016.

KAWAMOTO, E. M., CAMPOS, L. M. L. Histórias em quadrinhos como recurso didático para o ensino do corpo humano em anos iniciais do ensino fundamental. Ciência & Educação, v. 20, n. 1, p. 147-158, 2014.

LATORRE, A. La investigación-acción: conocer y cambiar la prática educativa. Barcelona: Editora Graó, 2005.

LUA-FILHO, W. L., PELLANDA, N. M. C. Ensinar e viver a história: um olhar complexo sobre o estudo do passado. Educação em Análise, v. 2, n. 1, p. 147-164, 2017.

LIMA, P. G. Formação de professores e estágio curricular supervisionado: docência e desafios. Laplage em Revista, v. 2, n. 2, p. 1-2, 2016.

MACEDO, E. O. S., CONCEIÇÃO, M. I. G. Significações sobre adolescência e saúde entre participantes de um grupo educativo de adolescentes. Psicologia, Ciência e Profissão, v. 35, n. 4, p. 1059-1073, 2015.

MARQUES, L., PRAIA, J. Educação em Ciência: actividades exteriores à sala de aula. Terræ Didatica, v. 5, n. 1, p. 10-16, 2009.

MORAES, G. N. B., SCHWINGEL, P.A., SILVA JÚNIOR, E. X. Uso de roteiros didáticos e modelos anatômicos, alternativos, no ensino-aprendizagem nas aulas práticas de anatomia humana. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. 1, p. 223-230, 2016.

MOURA, J. L. P., MAGALHÃES, M. B. L., MARTINS, R. S. F.O jacaré e o estreito de Bering: etnografias e diálogos interculturais no ensino. Revista Presença Geográfica, v. 7, n. 2, p. 1-13, 2017.

NETA, S. A. L., CASTRO, D. L. Teorias da aprendizagem: fundamento do uso dos jogos no ensino de ciências. Revista Ciências e Ideias, v. 8, n. 2, p. 195-204 2017.

NICOLA, J. A., PANIZ, C. M. A. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de ciências e biologia. Revista NEaD-Unesp, v. 2, n. 1, p. 355-381, 2016.

OLIVEIRA, O. B., BARZOTTO, V. H., TRIVELATO, S. L. F. Os licenciandos e a prática docente: consensos e tensões. Revista Diálogo Educacional, v. 11, n. 33, p. 533-546, 2011.

PANTOJA, D. R.; MELO, E. F.; LIMA, R. A. O estágio supervisionado em Biologia: um estudo de caso na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Orlando Freire em Porto Velho – RO. South American Journal of Basic Education, Tachnical and Technological, v. 3, n. 2, p. 68-65, 2016.

PELLIS, V. F.; CASSOL, S.; ALMEIDA, A. P. T.; ONOFRE, A. V. C.; SOUZA, S. C. O significado do estágio supervisionado no Ensino de Ciências na formação de professores: um relato vivenciado no Ensino fundamental. Sobre Tudo, v. 9, n. 1, p. 229-250, 2018.

PATRICK, P. G., TUNNICLIFFE, S. D. Science teachers' drawings of what is inside the human body. Journal of Biological Education, v. 44, n. 2, p. 81-87, 2010.

PESSALACIA, J. D. R., MENEZES, E. S., MASSUIA, D. A vulnerabilidade do adolescente numa perspectiva das políticas de saúde pública. Revista Bioethikos, v. 4, n. 4, p. 423- 430, 2010.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2018.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Os (Des)caminhos das políticas de formação de professores – o caso dos estágios supervisionados e o programa de iniciação à docência: duas faces da mesma moeda? In: Reunião nacional ANPEd, 2017, Anais... São Luis, Maranhão, Brasil: UFMA, p. 1-15, 2017.

PIMENTEL, C. S.; PONTUSCHKA, N. N. A construção da profissionalidade docente em atividades de estágio curricular: experiências na Educação Básica. In: ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. (orgs.). Estágios supervisionados na formação docente: educação básica e educação de jovens e adultos. São Paulo: Cortez, 2015.

PONTE, M. L.; PIRANHA, J. M. Educação Ambiental vai à rua – o lugar e o entorno escolar no ensino. In: Encontro Paranaense de Educação Ambiental, XIV, 2017, Anais... Curitiba, Paraná: UFPR, p. 425-428, 2017.

RAMOS, D. K., SEGUNDO, F.R. Jogos digitais na escola: aprimorando a atenção e a flexibilidade cognitiva. Educação & Realidade, v. 43, n. 2, p. 531-550, 2018.

REBELO, D., MARQUES, L., COSTA, N. Actividades en ambientes exteriores al aula em la Educación en Ciencias: contribuciones para su Operatividad. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, v. 19, n. 1, p. 15-25, 2011.

RODRIGUES, A. B., CABUS, R. S., FREITAS, S. R. S. Ludicidade aplicada ao ensino do corpo humano: orientação e divulgação dos métodos contraceptivos para prevenção da gravidez precoce e doenças sexualmente transmissíveis em escolares amazônicos. Cadernos de Educação, v. 16, n. 33, p. 95-109, 2017.

ROSA, L. Z.; ALMEIDA, C. G. M.; DEZORDI, F. Z. RPGBIO drogadição: o jogo role playing game (RPG) como prática no proceso de ensino e aprendizagem. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 1, p. 166-181, 2017.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas tecnologias. São Paulo: SE, 2012.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Diretrizes do programa de Ensino Integral. São Paulo: SE, 2013.

SILVA, C. A.; CUNHA, A. F.; SILVA, L. B. Relato de experiências a partir dos estágios supervisionados em Ciências Biológicas da Universidade Federal do Piauí. Revista Internacional de Formação de Professores, v. 3, n. 1, p. 275-291, 2018.

SILVA, M. C. C. L.; LIMA, R. A. Estágio supervisionado: uma oportunidade de reflexão na formação inicial de professores de Biologia. South American Journal of Basic Education, Tachnical and Technological, v. 2, n. 2, p. 134-142, 2015.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" (UNESP). Portaria do diretor n° 23, de 28 de outubro de 2009. São Paulo: UNESP, 2009.

QUADROS, V. C.; KOCHHANN, M. E. R. Contribuições do estágio curricular supervisionado da licenciatura em matemática no proceso de construção dos saberes docentes dos estagiários. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 3, p. 106-122, 2018.

VASCONCELOS, A. C. M., OLIVEIRA, K. M. C., ROCHA, N. N. V., CAVALCANTE, J. H. I. O protagonismo dos adolescentes na escola: tecendo a rede psicossocial álcool, crack e outras drogas. Sanare, v. 14, n. 2, p. 117-122, 2015.

VILELA, M. L., E SELLES, S. E. Corpo humano e saúde nos currículos escolares: quando as abordagens socioculturais interpelam a hegemonia biomédica e higienista. Biografia, v. 8, n. 15, p. 113-121, 2015.

Publicado
2019-12-10
Como Citar
PONTE, M. L.; MALDARINE, J. S. Corpo humano e a saúde na juventude: estratégia e recursos para o Ensino Médio. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 6, p. 76-94, 10 dez. 2019.
Seção
Artigos Gerais