A utilização de mapas conceituais como instrumento de avaliação no ensino de Física

Autores

  • Ederson Carlos Gomes Universidade Estadual de Maringá
  • Michel Corci Batista Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Polônia Altoé Fusinato Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v10i3.2053

Palavras-chave:

Mapas conceituais, Aprendizagem Significativa, Ensino de Física, Avaliação

Resumo

O ensino e aprendizagem da Física tem sido objeto de muitas pesquisas há décadas, entretanto ele ainda é visto por muitos alunos no Ensino Médio como uma extensão da Matemática, pouco significativo e memorístico. Nesse sentido, a presente pesquisa de cunho qualitativo, buscou investigar a contribuição dos mapas conceituais como instrumento de avaliação, a fim de identificar elementos de Aprendizagem Significativa sobre o conteúdo “ondas eletromagnéticas”, em uma turma de 13 alunos do 3º ano do Ensino Médio de uma instituição pública da região centro-oeste do Estado do Paraná. Os dados desta pesquisa foram obtidos por meio de mapas conceituais iniciais (MCI) e finais (MCF) produzidos pelos alunos durante a implementação de uma sequencia didática. Para análise dos dados utilizou-se a teoria de Gowin e Novak (1999), buscando elementos teóricos da Aprendizagem Significativa de Ausubel, como organização hierárquica, diferenciação progressiva e reconciliação integradora. Buscou-se comparar individualmente a inferência de hierarquização, conceitos físicos, número de ligações e exemplos, bem como a pontuação atingida por cada participante. Perante o exposto, foi possível perceber que essa ferramenta possui grande potencial como instrumento de avaliação indicando indícios de uma Aprendizagem Significativa entre os participantes da proposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-06-21

Como Citar

GOMES, E. C.; BATISTA, M. C.; FUSINATO, P. A. A utilização de mapas conceituais como instrumento de avaliação no ensino de Física. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 58–78, 2019. DOI: 10.26843/rencima.v10i3.2053. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2053. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos