A utilização de mapas conceituais como instrumento de avaliação no ensino de Física

  • Ederson Carlos Gomes Universidade Estadual de Maringá
  • Michel Corci Batista Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Polônia Altoé Fusinato Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Mapas conceituais, Aprendizagem Significativa, Ensino de Física, Avaliação

Resumo

O ensino e aprendizagem da Física tem sido objeto de muitas pesquisas há décadas, entretanto ele ainda é visto por muitos alunos no Ensino Médio como uma extensão da Matemática, pouco significativo e memorístico. Nesse sentido, a presente pesquisa de cunho qualitativo, buscou investigar a contribuição dos mapas conceituais como instrumento de avaliação, a fim de identificar elementos de Aprendizagem Significativa sobre o conteúdo “ondas eletromagnéticas”, em uma turma de 13 alunos do 3º ano do Ensino Médio de uma instituição pública da região centro-oeste do Estado do Paraná. Os dados desta pesquisa foram obtidos por meio de mapas conceituais iniciais (MCI) e finais (MCF) produzidos pelos alunos durante a implementação de uma sequencia didática. Para análise dos dados utilizou-se a teoria de Gowin e Novak (1999), buscando elementos teóricos da Aprendizagem Significativa de Ausubel, como organização hierárquica, diferenciação progressiva e reconciliação integradora. Buscou-se comparar individualmente a inferência de hierarquização, conceitos físicos, número de ligações e exemplos, bem como a pontuação atingida por cada participante. Perante o exposto, foi possível perceber que essa ferramenta possui grande potencial como instrumento de avaliação indicando indícios de uma Aprendizagem Significativa entre os participantes da proposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BONADIMAM, H.; NONENMACHER, S. E. B.. O gostar e o aprender no ensino de física: uma proposta metodológica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física: vol. 24, nº 2, p.194-223, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio (PCNEM). Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, 1999.

CARVALHO JUNIOR, G. D.. As concepções de ensino de Física e a construção da cidadania. Caderno Catarinense de Ensino de Física. V. 19, nº 1, p. 53-66, 2002.

DEMO, P.. Pesquisa Participante: Mito e Realidade. UNB/INEP. Brasília, 1982.

MOREIRA, M. A. Mapas Conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

MOREIRA, M. A.. Mapas Conceituais e Diagramas V. Porto Alegre: Edição do autor, 2006.

MOREIRA, M. A.. O que é afinal aprendizagem significativa. Aula inaugural do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais - Instituto de Física - Universidade Federal do Mato Grosso. Cuiabá- MT. 2010. Aceito para publicação, Qurriculum, La Laguna, Espanha, 2012.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S.. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

MOREIRA, M.A.; CABALLERO, M. C.; RODRÍGUEZ, M. L. (Org.). Aprendizagem significativa: um conceito subjacente. Actas del Encontro Internacional sobre el Aprendizaje Significativo. Burgos, Espanha, p. 19-44, 1997.

NOVAK, J. D.; GOWIN, B.. Aprender a aprender. Lisboa: Plátano, 1999.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica: Ciências. Curitiba: SEED-PR, 2008.

PERUZZO, C. M. K.. Da Observação Participante à Pesquisa-Ação em comunicação: pressupostos epistemológicos e metodológicos. In: INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2003, Belo Horizonte/Minas Gerais. Anais... Belo Horizonte/Minas Gerais, 2003.

RESQUETTE, S.O.. Uma sequência didática para o ensino da radioatividade no nível médio, com enfoque na história e filosofia da ciência e no movimento cts. Tese de Doutorado. 2013, 281f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

SALTO PARA O FUTURO. Educação de Jovens e Adultos: Secretaria de educação à distância. Brasília: Ministério da Educação, SEED, 1999.

SANTOS, W. L. P. dos. Contextualização no ensino de ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Revista Ciência & Ensino. V. 1, número especial de 2007.

SILVA JUNIOR, E. F. (intr). Física: ensino médio 1ª série. Curitiba: Positivo, 2010.

SILVA, S. de C. R. da. SCHIRLO, A. C.. Teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel: Reflexões para o ensino de física ante a nova realidade social. Revista Imagens da Educação. V. 4, nº 1, p. 36-42, 2014.

THIOLLENT, M.. Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez,1985. ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

WEBER, M. M.. Aulas práticas no ensino de ciências: a construção do conhecimento científico sobre protozoários por alunos do 7º ano do Ensino Fundamental. Dissertação de Mestrado. 2013, 90f. Tese (Mestrado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

WITKOVSKI, S. M. F. Fibra óptica – telecomunicações. Curitiba: Caderno PDE, 2013.

Publicado
2019-06-21
Como Citar
GOMES, E. C.; BATISTA, M. C.; FUSINATO, P. A. A utilização de mapas conceituais como instrumento de avaliação no ensino de Física. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 3, p. 58-78, 21 jun. 2019.
Seção
Artigos Gerais