Experimentação investigativa em Eletroquímica e argumentação no Ensino Médio em uma Escola Federal em Santa Maria/RS

  • Rodrigo Rozado Leal Universidade Federal de Santa Maria
  • Maria Rosa Chitolina Schetinger Universidade Federal de Santa Maria
  • Giovanni Bressiani Pedroso Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Ensino de Química, Experimentação Investigativa, Argumentação

Resumo

A argumentação tem sido uma preocupação na pesquisa em educação em ciências. É considerada benéfica para a compreensão conceitual e proporciona aos alunos a capacidade de pensar criticamente em um contexto científico. A formulação de argumentos é significativa no desenvolvimento de atividades científicas, mas no contexto escolar os alunos precisam ter a oportunidade de se envolver em argumentações. Considerando o contexto brasileiro, essa questão ainda não está bem elucidada. Neste artigo, é discutido como três atividade com experimentos investigativos em eletroquímica, com diferentes níveis de abertura, podem promover a argumentação em um grupo de 48 alunos do ensino médio no laboratório de química. O discurso durante as atividades com experimentos com alto nível de abertura mostrou-se rico em argumentos, enquanto que durante a atividade com experimentos com baixo nível de abertura o discurso mostrou-se escasso em argumentação. Os argumentos foram coletados e analisados de acordo com o modelo de argumentação de Toulmin (2006).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFONSO, M. M. A Educação científica no 1.º ciclo do Ensino Básico. Das teorias às práticas. Porto: Porto Editora, 2008.

AZEVEDO, M. C. P. S. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: CARVALHO, A. M., P. (Org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Thomson, p. 19-33, 2004.

BARBERÁ, O; VELDÉS, P. El trabajo practico en la enseñanza de las ciências: una revisión. Enseñanza de las ciências, v. 14, n.3, p. 365-379, 1996. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21466. Acesso em: 18 jul. 2019.

BARGALLÓ, C. M. Aprender Ciências a través del lenguaje. Educar, p. 27-39, 2005.

BIANCHINI, T. B.; ZULIANI, S. R. Q. A. A investigação orientada como instrumento para o ensino de eletroquímica. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 7, Florianópolis. Anais. UFSC, p. 1-12. 2009. Disponível em: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/266.pdf. Acesso em: 18 jul. 2019.

BORGES, A. T. Novos Rumos para o Laboratório Escolar. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 3, p. 291-313, 2002.

CAPECCHI, M. C. V. M.; CARVALHO, A. M. P. Argumentação numa Aula de Física. In: CARVALHO, A. M. P (org). Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa e a Prática. Ed. Thomson: São Paulo, SP, 2004.

CHOMSKY, N. Linguagem e Pensamento. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1977.

COELHO DA SILVA, J. L. Actividades laboratoriais e autonomia na aprendizagem das ciências. In F. VIEIRA, M. A. MOREIRA, J. L, COELHO DA SILVA & M. C. MELO (Eds.), Pedagogia para a autonomia - Reconstruir a esperança na educação. Actas do 4º Encontro do GT- PA (Grupo de Trabalho - Pedagogia para a Autonomia). Braga: Universidade do Minho, Centro de Investigação em Educação, p. 205-218, 2009.

DUSCHL, R. A.; SCWEINGRUBER, H. A.; SHOUSE, A. W. Taking Science to School: learning and teaching science in Grades K-8. Washington, DC: National Academies Press, 2007.

ERDURAN, S.; SIMON, S.; OSBORNE, J. F. TAPping into argumentation: developments in the application of Toulmin’s Argument Pattern for studying science discourse. Science Education, v.88, p.915–933. 2004. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1002/sce.20012. Acesso em: 18 jul. 2019.

FERREIRA, L. H.; HARTWIG, D. R.; OLIVEIRA, R. C. Ensino experimental de química: uma abordagem investigativa contextualizada. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 101-106, 2010. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc32_2/08-PE-5207.pdf. Acesso em: 19 jul. 2019.

GALLET, Christian. Problem solving teaching in the chemistry laboratory: leaving the cooks… Journal of Chemical Education, v.75, n.1, p.72-77, 1998. Disponível em: https://pubs.acs.org/doi/10.1021/ed075p72. Acesso em: 18 jul. 2019.

HERRON, M. The nature of scientific enquiry. School Review, v. 79, p. 171-212, 1971. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1084259?seq=1#page_scan_tab_contents. Acesso em: 18 jul. 2019.

HODSON, D. Is this really what scientists do seeking a more authentic science and beyond the school laboratory? In: WELLINGTON, J. Practical work in school science: wich way now? London: Routledge, p. 93-108, 1998.

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P.; ERDURAN, S. Argumentation in science education: An overview. In S. ERDURAN, M. P. JIMÉNEZ-ALEIXANDRE (Eds.), Argumentation in science education: Recent developments and future directions. Dordrecht: Springer, 2008.

LEMKE, J. L. Talking science: Language, learning, and values. Norwood, ed. Ablex, 1990.

MIRZA, N. M.; PERRET-CLERMONT, A. N. (Eds). Argumentation and education: theoretical foundations and practices. Dordrecht, Heidelberg, London, New York: Springer, 2009.

MUNFORD, D.; LIMA, M. E. C. C. Ensinar Ciências por investigação: em quê estamos de acordo? Rev. Ensaio, Belo Horizonte, v. 09, n. 01, p.89-111, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epec/v9n1/1983-2117-epec-9-01-00089.pdf. Acesso em 18 jul. 2019.

OLIVEIRA, J. R. S. A perspectiva sócio-histórica de Vygotsky e suas relações com a prática da experimentação no ensino de Química. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 3, n. 3, p. 25-45, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/38134. Acesso em 15 jul. 2019.

OSBORNE, J. F.; ERDURAN, S.; SIMON, S. Enhancing the quality of argument in school science. Journal of Research in Science Teaching, v.41, p.994–1020, 2004. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/tea.20035. Acesso em: 15 jul. 2019.

PRIESTLEY, W. J. The impact of longer-term intervention on reforming physical science teachers’ approaches to laboratory instruction: seeking a more effective role for laboratory in science education. Dissertation Abstracts International, v. 58, n.3, p. 806, 1997.

SANTANA, R. S.; FRANZOLIN, F. O ensino de ciências por investigação e os desafios da implementação na práxis dos professores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v.9, n.3, p.218-237, 2018. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1427/1010. Acesso em 18 jul. 2019.

SANTOS, D. M.; NAGASHIMA, L. A. Potencialidades das atividades experimentais no ensino de química. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v.8, n.3, p.94-108, 2017. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1081/898. Acesso em: 17 jul. 2019.

SCHWAB, J. J. The teaching of science as enquiry. In: SCHWAB, J. J.; BRANDWEIN, P. F. (eds). The teaching of science. Cambridge: Harvard University Press, p. 3-103, 1962.

SCHWARTZMAN. S.; CHRISTOPHE, M. A Educação em Ciências no Brasil, documento preparado por solicitação da Academia Brasileira de Ciências, 2011. Disponível em: http://www.abc.org.br/IMG/pdf/doc-210.pdf. Acesso em: 1 nov. 2018.

SILVA, D. P. Questões propostas no planejamento de atividades experimentais de natureza investigativa no ensino de química: reflexões de um grupo de professores. 2011, Dissertação de Mestrado – Universidade de São Paulo, Instituto de Física, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde- 01062012-135651/pt-br.php. Acesso em: 1 nov. 2018.

SIMON, S.; JOHNSON, S. Professional learning portfolios for argumentation in school science. International Journal of Science Education, v.30, p.669–688, 2008. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09500690701854873. Acesso em: 18 jul. 2019.

TAMIR, P. Pratical work at school: An analysis of current practice. In: WOOLNOUGH, B. (ed). Pratical Science. Milton Keynes: Open University Press, 1991.

TOLEDO, E. J. L.; FERREIRA, L. H. A atividade investigativa na elaboração e análise de experimentos didáticos. Rev. Bras. Ens. Ciência e Tecnol., v. 9, n. 2, p.1-23, 2016. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/view/2805/pdf. Acesso em: 18 jul. 2019.

TOULMIN, S. Os usos do argumento. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006. 375p.

VELASCO, P. D. N. Sobre a Crítica Toulminiana ao Padrão Analítico-dedutivo de Argumento. Cognitio, v. 10, n. 2, p. 281-292, jul./dez. 2009. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/cognitiofilosofia/article/viewFile/13443/9967. Acesso em: 18 jul. 2019.

VIEIRA, R. D.; NASCIMENTO, S. S. Argumentação no Ensino de Ciências – Tendências, práticas e metodologia de análise. 1ª Edição, Curitiba, Ed. Appris, 2013. 112p.

VIGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ZANETIC, João. Física e cultura. São Paulo, Ciência e Cultura, v.57, n.3, p. 21-24, 2005. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009- 67252005000300014. Acesso em 18 jul. 2019.

ZÔMPERO, A. F.; LABURÚ, C. E. Atividades investigativas no Ensino de Ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Revista Ensaios, v. 13, n. 3, p. 67-80, 2011.

Publicado
2019-12-10
Como Citar
LEAL, R. R.; SCHETINGER, M. R. C.; PEDROSO, G. B. Experimentação investigativa em Eletroquímica e argumentação no Ensino Médio em uma Escola Federal em Santa Maria/RS. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 6, p. 142-162, 10 dez. 2019.
Seção
Artigos Gerais