A “linha de abastecimento”: reflexões sobre a educação das meninas na área das Ciências Exatas e da Computação

  • Rozenilda Luz Oliveira de Matos Universidade Estadual de Maringá https://orcid.org/0000-0002-5314-1734
  • Ourides Santin Filho Universidade Estadual de Maringá
  • Neide Maria Michellan Kiouranis Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Ciências da Computação, Informática e Educação, Educação escolar

Resumo

O presente artigo aborda a temática sobre as mulheres na ciência da computação e a aprendizagem das meninas nessa área. Este tema de investigação faz parte da pesquisa de doutorado que tem como um dos objetivos específicos levantar dados sobre a história da computação e a participação das mulheres para a consolidação dessa ciência. Durante o doutorado contatou-se que as mulheres pesquisadas somam mais de dez ao todo, mas para o referido artigo optamos por falar de apenas três: Ada Lovelace, Grace Hopper e Mary Kenneth. A metodologia utilizada é a bibliográfica e tem como objetivo fazer uma reflexão sobre as práticas educativas, estabelecendo um parâmetro crítico entre a prática pedagógica e a “linha de abastecimento” que fomentou programas de governo. A “linha de abastecimento” segundo Schiebinger (2001) foi como os pesquisadores nomearam esse incentivo voltado ao aumento no número de meninas interessadas em ciência poderia acabar resultando num maior número de mulheres cientistas. Como resultado da pesquisa, percebe-se que a inclusão das mulheres na área da computação passou por um longo caminho, desde as tentativas de atrair as mulheres para essa área, partindo-se do pressuposto de que elas nunca tivessem se interessado pelo tema, à prática do “abastecimento” de programas de incentivos nacionais e internacionais que, em sua maioria, não mudaram as práticas e a maneira de ver e agir dos professores, reforçando o aspecto da escola apenas como unidade executora de projetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – Relatório Nacional de Acompanhamento. Brasília: Ipea, 2010.

BRUSCHINI, C. Brasil: La calidad del empleo de las mujeres. Continuidades y cambios. VALENZUELA, M.E. & REINECKE, G. (editores). Santiago de Chile, 2000.

COSTA, M. C. et al. Promover o Ensino experimental das ciências recorrendo ao questionamento investigativo. REnCiMa, vol 9, n. 5, 2018.

ESSINGER, J. Ada´s Algorithm. How Lord Byron´s daughter launcheg the digital age through the poetry of numbers. Printed by Gbson Square. 2017.

FILHO, V. H; SANTOS, G. T. Repercussões de um curso de formação continuada a distância em matemática na visão dos participantes. REnCiMa, vol. 9 n. 3, 2018.

GUEDES, M. C. A presença feminina nos cursos universitários e pós-graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 15, p. 117-132, 2008.

GÜRER, D. Women in Computing History. In: ACM SIGCSE. Bulletin, vol. 34, nº 2, California, 2002, pp.116-120.

INSTITUTO DE PESQUISA E TECNOLOGIA. Disponível em: http://www.ipt.br/institucional/campanhas/8-a_mulher_na_ciencia_e_tecnologia.htm. Acesso em 15 de agosto. 2018.

KELLER, E. Qual foi o impacto do feminismo na ciência? In: Cadernos Pagu, n° 27, Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu/Unicamp, p.15, 2006.

KELLER, E. Reflections on Gender and Science. New Haven, Yale University Press. 1985.

MATOS, R. In: BELTRAN, M.; SAITO, F. ;TRINDADE, L. História da ciência. Tópicos atuais 5. 1 ed. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2017.

MELO, H. P.; LASTRES, H. M. e MARQUES, T. C. Gênero no sistema de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Revista Gênero, vol 1, 2004.

MOREIRA, H. GRAVONSKY, I.; CALVALHO, M.; KOVALESKI, N. Mulheres Pioneiras nas Ciências: Histórias de Conquistas numa Cultura de Exclusão. VIII Congresso Iberoamericano de Ciência, tecnologia e gênero. Abril de 2010.

OLINTO, G. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 5, n. 1, p. 68-77, jul./dez. 2011.Disponível: http://revista.ibict.br/inclusao/index.php/inclusao/issue/view/18; acesso em 16 de agosto. 2017.

PADUA, S. The thrilling adventures of Lovelace and Babbage. United States of American. Pantheon Books, 2015.

QUEIROZ, C.; CARVALHO, M.; MOREIRA, J. Gênero e inclusão de jovens mulheres nas ciências exatas, nas engenharias e na computação. 18 REDOR. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2014.

ROSSI, A. Women in Science: Why So Few? See all authors and affiliations Science 28 May 1965: Vol. 148, Issue 3674, pp. 1196-1202.

ROSSITER, M. W. Women Scientists in America: Before Affirmative Action. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1995.

SABOYA, M. C. L. Gênero e Sexualidade: mapeando as igualdades e as diferenças entre os sexos e suas relações com a educação. Grandes Temas: Sexualidade e Relações de Gênero. Revista Educação, São Paulo, Brasil, 30 mar. 2013.

SANTOS, V. M. Mulheres e homens na política da ciência e tecnologia. Fortaleza: EdUECE; EDMETA, 2012.

SCHIEBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? São Paulo: EDUSC, 2001.

SCHWARTZ, J. Mulheres na informática: quais foram as pioneiras? Circumscribere 1 (2007): 255-278. Disponível em: http://scielo.br/scielo.php?script=sci Acesso: 19 de agosto. 2017.

SILVA, F. Mulheres na ciência: vozes, tempos, lugares e trajetórias. Rio Grande: FURG, 2012. 147f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2012.

SOARES, T. Mulheres em ciência e tecnologia: Ascenção limitada. Revista Química. Nova, Vol. 24, No. 2, 281-285, 2001.

UNESCO. Gender, science and technology. Report of the expert group meeting Organized by United Nations Division for the Advancement of Women (DAW), part of UN Women in cooperation with United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization, 2010.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANISATION (UNESCO). Science, techcology and gender: An International Report. Paris: UNESCO, 2007.

VALERO. Disponível em: https://www.mujeresenlahistoria.com/2018/08/marykenneth- keller.html. Acessado em 26 de abril de 2019.

Publicado
2019-06-21
Como Citar
MATOS, R. L. O. DE; FILHO, O. S.; KIOURANIS, N. M. M. A “linha de abastecimento”: reflexões sobre a educação das meninas na área das Ciências Exatas e da Computação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 3, p. 18-36, 21 jun. 2019.
Seção
Artigos Gerais