Identificação de concepções de estudantes universitários sobre Ciências da Natureza a partir de bacias semânticas

Palavras-chave: Ciências da Natureza, Formação de conceitos, Filosofia da Ciência, Ensino Superior

Resumo

A natureza como ponto de confluência entre a Biologia, a Química e a Física é admitida como um pressuposto que escapa à problematização sobre como essas ciências têm especificado concepções de “ciência” e de “natureza” na educação científica. Considerando que tais concepções sejam fundamentais aos propósitos da alfabetização e letramento científicos, neste estudo identificamos e analisamos as concepções sobre as Ciências da Natureza de estudantes matriculados na disciplina “Ciências da Natureza” pertencente ao Ciclo Básico da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo. Através da aplicação de um questionário ao início e ao final da disciplina, analisamos isoladamente as concepções de “ciência” e de “natureza” presentes nas respostas e, a partir delas, retratamos o imaginário dos discentes sobre as “Ciências da Natureza” através de bacias semânticas. A predominância de uma visão empirista da ciência e da natureza como o conjunto de todos os elementos naturais, em que o ser humano não está necessariamente presente, interagindo e modificando-a por meio da ciência e da tecnologia, sinaliza que a compreensão das complexas relações entre Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente no ensino de ciências ainda se constitui como um objetivo a ser alcançado.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ACEVEDO-DÍAZ, J. A. A. Reflexiones sobre las finalidades de la enseñanza de las ciencias: educación científica para la ciudadanía. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias, v. 1, n. 1, p. 3-15, 2004.

ACEVEDO-DÍAZ, J. A. A.; ALONSO, A. V.; MAS, M. A. M. Papel de la educación CTS en una alfabetización científica y tecnológica para todas las personas. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 2, n. 2, p. 80-111, 2003.

AIKENHEAD, G.; MICHELL, H. Bridging Cultures: Scientific and Indigenous Ways of Knowing Nature. Toronto/Ontario: Pearson Canada Inc., 2011.

ARAÚJO, A, F.; AZEVEDO, F. J. O imaginário educacional na perspectiva de Gilbert Durand. Educação & Realidade, v. 43, n. 1, p. 73-95, 2018

ASSIS, K. R. História e filosofia da ciência no ensino de ciências e o debate universalismo versus relativismo. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 149-166, jul./dez. 2014.

AYRES, A. C. M.; LIMA-TAVARES, D.; FERREIRA, M. S.; SELLES, S. E. Licenciaturas de Curta Duração (1965-1974) e disciplina escolar Ciências: aproximações sócio-históricas. In: SELLES, S. E.; CASSAB, M. (Orgs.). Currículo, docência e cultura. Niterói: EdUFF, 2012, p. 53-74.

BARROS, A. T. M. P. Gilbert Durand, o montanhês que desafiou a margem esquerda do Sena. Esferas, ano 3, n. 4, p. 147-155, jan./jun. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 3, de 26 de junho de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de agosto de 1998, Seção I, p. 21.

CACHAPUZ, A; GIL-PÉREZ, D. CARVALHO, A. M. P.; PRAIA, J.; VILCHES, A. (Org.) A necessária renovação do ensino de ciências. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CARLOTTO, M. C.; GARCIA, S. G. Novos saberes, novas hierarquias: disputas contemporâneas em torno da profissão acadêmica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 33, n. 96, p. 1-19, 2017.

CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89-100, jan./fev./mar./abr. 2003.

COBERN, W. W. College Students’ Conceptualizations of Nature: an interpretive world view analysis. Journal of Research in Science Teaching, v. 30, n. 8, p. 935-951,1993.

COBERN, W. W. The Natural World as Understood by Selected College Students: A World View Methodological Exploration. In: Annual meeting of the National Association for Research in Science Teaching, Lake Geneva, WI, 1991.

dimensão da alfabetização científica na formação de professores de Química. REnCiMa, v. 9, n. 3, p. 38-53, 2018.

DURAND, G. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: DIFEL, 1998.

DURANT, J. O que é alfabetização científica? In: MASSARANI, L.; TURNEY, J.; MOREIRA, I. C. (Org.). Terra incógnita: a interface entre ciência e público. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2005. p. 13-26.

EL-HANI, C. N. Notas sobre o ensino de história e filosofia das ciências na educação científica de nível superior. In: SILVA, C. C. (Org.). História e Filosofia da Ciência no Ensino de Ciências: da teoria à sala de aula. São Paulo: Livraria da Física, 2006. p. 3-21.

ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES. O Ciclo Básico. 2019. Disponível em: http://www5.each.usp.br/ciclo-basico/. Acesso em: 18 nov. 2020.

FERREIRA, M. S.; SELLES, S. E. Entrelaçamentos históricos das Ciências Biológicas com a disciplina escolar Biologia: investigando a versão azul do BSCS. In: PEREIRA, M. G.; AMORIM, A. C. R. (Org.). Ensino de Biologia: fios e desafios na construção de saberes. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2008, p. 37-61.

FOUREZ, G. Crise no Ensino de Ciências? Investigações no Ensino de Ciências, v. 8, n. 2, p, 109-123, 2003.

GALUCH, M. T. B. Da vinculação entre ciência e ensino de ciências: contribuições para a formação docente. Maringá: Eduem, 2013.

GARDENAL, L; PAIXÃO, A. L. Ciclo básico na universidade brasileira: temas e problemas principais. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, p. 3-11, 1982.

GIL-PÉREZ, D.; MONTORO, I. F.; ALÍS, J. C.; CACHAPUZ, A.; PRAIA, J. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, v. 7, n. 2, p. 125-153, 2001.

GIL-PÉREZ, D.; VILCHES-PEÑA, A. Una alfabetización científica para el siglo XXI: obstáculos y propuestas de actuación. Investigación en la escuela, n. 43, p. 27-37, 2001.

GURGEL, I. Reflexões político-curriculares sobre a importância da História das Ciências no contexto da crise da modernidade. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 37, n. 2, p. 333-350, 2020.

GURGEL, I.; PIETROCOLA, M. O papel da imaginação no pensamento científico: análise da criação científica de estudantes em uma atividade didática sobre o espalhamento de Rutherford. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 28, n. 1, p. 91-122, abr. 2011.

KOSMINSKY, L.; GIORDAN, M. Visões de Ciências e sobre cientista entre estudantes do Ensino Médio. Química Nova na Escola, n. 15, p. 11-18, maio 2002.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 2. ed. São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1986.

LEITE, R. F.; RODRIGUES, M. A. Aspectos sociocientíficos e a questão ambiental: uma

MAMEDE, M; ZIMMERMANN, E. Letramento científico e CTS na formação de professores para o ensino de Ciências. In: CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN LA DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS, 7., 2005, Granada. Anais [...]. Granada: Enseñanza de las Ciencias, 2005, p. 1-4.

MAZZONI, J. R. A reforma universitária e o ciclo básico. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 24., 2001, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Associação Nacional de

Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 2001. p. 1-18.

MELO, S. F. Imaginário e filosofia da imagem. Clio – Revista de Pesquisa Histórica, n. 33.1, p. 226-229, 2015.

NAGAYOSHI, C. S. A concepção de natureza no ensino de ciências: um estudo da visão de mundo de estudantes de licenciatura em ciências biológicas. 2014. 136f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Faculdade de Educação, Instituto de Física, Instituto de Química, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

RITZMANN, I. G.; NETTO, M.; OLIVEIRA, P. C.; FIALHO, F. A. P. Imaginário e representação das imagens de perfil no facebook. Revista Travessias, v. 6, n. 2, p. 137-157, 2012.

SANTOS, J. A. E.; IMBERNON, R. A. L. A concepção sobre “natureza” e “meio ambiente” para distintos atores sociais. Terra e Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 151-159, 2015.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 36, p. 474-492, set./dez. 2007.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2011.

SOUZA, A. L. S.; CHAPANI, D. T. Concepções de ciência de um grupo de licenciandas em Pedagogia e suas relações com o processo formativo. Ciência & Educação, Bauru, v. 21, n. 4, p. 945-957, 2015.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Disciplina Ciências da Natureza. 2007. Disponível em: https://uspdigital.usp.br/jupiterweb/obterDisciplina?sgldis=ACH0011&verdis=3. Acesso em: 18 nov. 2020.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Resolução n. 5231, de 18 de agosto de 2005. Cria a Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo. In: NORMAS USP, São Paulo.

Publicado
2020-10-01
Como Citar
SOUSA, J.; COSTA, O.; INFANTE-MALACHIAS, M. Identificação de concepções de estudantes universitários sobre Ciências da Natureza a partir de bacias semânticas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 818-837, 1 out. 2020.
Seção
Artigos Gerais