Plantas medicinais na escola: uma experiência com estudantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental

Palavras-chave: Plantas medicinais, Ensino de Ciências, Ensino Fundamental

Resumo

O ensino de Ciências no Ensino Fundamental permite o aprendizado de conceitos básicos, possibilitando ao aluno desenvolver habilidades de investigação, pensamento lógico e ético, garantindo sua inserção à cultura científica. Entretanto, esse ensino nos anos iniciais é descontextualizado, pois utiliza uma linguagem distante da realidade dos alunos, gerando desinteresse. É preciso estabelecer o diálogo entre os saberes populares e científicos. A temática “Plantas Medicinais” mostra-se uma forma de favorecer a aprendizagem, sendo reconhecida a necessidade da valorização das práticas tradicionais/populares. Neste texto, relatamos uma experiência que teve por objetivo elaborar e desenvolver uma proposta de ensino com o objetivo de promover a aprendizagem significativa sobre Plantas medicinais, por meio de atividades práticas diversas, buscando-se favorecer o diálogo entre os saberes científicos e as experiências dos alunos e a construção de novos conhecimentos. A proposta foi desenvolvida com aproximadamente 25 alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, com faixa etária de nove a onze anos, de uma escola pública municipal de uma cidade do interior de São Paulo e sua análise mostra que os resultados foram positivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMOROZO, M. C. M. Abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: DI STASI, L. C. (Org.) Plantas medicinais: arte e ciência. Um guia de estudos interdisciplinar. São Paulo: UNESP. 1996.

ANDRADE, M. L. F.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: Um desafio para os professores de Ciências. Ciência & Educação, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.

ANVISA. Medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/fitoterapicos. Acesso em: 08/10/2017.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 1, p. 1-13, 2001.

BARTOLOMÉ, A. R. Nuevas tecnologías en el aula. Barcelona: Gaò, 1999.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BROOKS, M. What Vygotsky can teach us about young children drawing. International Art in Early Childhood Research Journal, Austrália, v. 1, n. 1, 2009.

CHASSOT, A. I. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 23, n. 22, p. 89-100, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n22/n22a09.pdf> Acesso em: 10 ago. 2010.

COSTA R. G. A. Os saberes populares da etnociência no ensino das ciências naturais: uma proposta didática para aprendizagem significativa. Didática Sistêmica, v. 8, jul./dez. 2008.

DELIZOICOV, D. et al. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. 3 ed., São Paulo: Cortez, 2009.

FIALHO, N. N., MATOS, E. L. M. A arte de envolver o aluno na aprendizagem de ciências utilizando softwares educacionais. Educar em Revista, n. 2 (especial), p. 121- 136, 2010.

FIGUEIREDO, A. C.; J.G., BARROSO; L.G., PEDRO (Eds). Potencialidades e Aplicações das Plantas Aromáticas e Medicinais. Curso Teórico-Prático, 3ª ED. da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa – Centro de Biotecnologia Vegetal, Lisboa, Portugal, p. 168-174, 2007.

FONTES, A.; CARDOSO, A. Formação de Professores de acordo com a abordagem Ciência/Tecnologia/Sociedade. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 5, n. 1, p. 15-30, 2006.

GRANDI, T. S. M. Tratados das plantas medicinais: mineiras, nativas e cultivadas. 1º ed digital. Belo Horizonte: Adaequatio estúdio, 1204 páginas, 2014.

HAMILTON, A. C. et al. The purposes and teaching of applied ethnobotany. Godalming: WWF, 2003. (People and plants working paper, 11). Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001458/145847e.pdf>. Acesso em: 23 set. 2013.

KINOSHITA, L. S. et al. A botânica no ensino básico: relatos de uma experiência transformadora. São Carlos: Rima, p. 143, 2006.

KOVALSKI M. L. et al. Diálogo dos saberes: o conhecimento científico e popular das plantas medicinais na escola, 2010.

KOVALSKI, M. L.; OBARA, A. T. O Estudo da Etnobotânica das Plantas Medicinais na Escola. Ciência e Educação, v. 19, n. 4, p. 911-927, 2013.

LIMA, M. E. C. C.; MAUÉS, E. Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 8, n. 2, 2006.

LOGUERCIO, R.Q.; DEL PINO, J.C.; SOUZA, D. O. Uma análise crítica do discurso em um texto didático. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 2, Valinhos. Atas ... São Paulo: ABRAPEC, 1999.

MACIEL, M. A. M., PINTO, A. C., JUNIOR, V. F. V. Plantas medicinais: A Necessidade de Estudos Multidisciplinares. Quim. Nova, v. 25, n. 3, p. 429-438, 2002.

MATTHEWS, M. R. Science teaching: the role of history and philosophy of Science. New York: Routledge, 1994.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12 ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília - DF, 2009.

MOREIRA, M. A. A Resolução de Problemas como um tipo especial de Aprendizagem Significativa. Porto Alegre, v. 18, n. 3; p. 263-277. 2001.

PIAGET, J. Le langage et la pensée chez l'enfant. Neuchâtel: Delachaux; Paris: Niestlé, 1923.

PORTAL Brasil. Saúde repassa R$6,7 milhões para Programas e Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2012/07/saude- repassa-r-6-7-milhoes-para-programa- de-plantas-medicinais-e-fitoterapicos. Acesso em: 25/02/2017.

RAMOS, L. B. C.; ROSA, P. R. S. O ensino de ciências: fatores intrínsecos e extrínsecos que limitam a realização de atividades experimentais pelo professor dos anos iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, v. 13, n. 3, p. 299-331, 2008.

RODRIGUES, J. S. C. Estudo Etnobotânico das Plantas Aromáticas e Medicinais. Curso Teórico-Prático, n. 57, p. 168–174, 2007.

ROSA, C. W.; PEREZ, C. A. S.; DRUM, C. Ensino de Física nas séries iniciais: concepções da prática docente. Investigações em Ensino de Ciências, v. 12, n. 3, p. 357-368, 2007.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 12, n. 36, set/dez. 2007.

SILVA, M. C. Conhecimento científico e o saber popular sobre os moluscos nos terreiros de candomblé de Recife e Olinda, estado de Pernambuco. 111 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2006.

SILVA, P.G. P. O ensino da botânica no nível fundamental: um enfoque nos procedimentos metodológicos. 2008. 146 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2008.

SOARES, A. et al. Ensino de ciências nos anos iniciais do ensino fundamental: possibilidades e desafios em Canoas-RS. Revista Educação, Ciência e Cultura, v. 18, n. 1, 2013.

TONELLI, J. R. A. A “dislexia” e o ensino-aprendizagem da língua inglesa. Dissertação (Doutorado em Linguagens) - Universidade Estadual de Londrina, Paraná, 2012.

UNESCO BRASIL. Ensino de Ciências: o futuro em risco, 2005. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001399/139948por.pdf. Acesso em: 01 jun. 2011.

VIECHENESKI, J. et al. Desafios e Práticas para o Ensino de Ciências e Alfabetização Científica nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Atos de Pesquisa em Educação - ppge/me, v. 7, n. 3, p. 853-876, 2012.

Publicado
2019-10-07
Como Citar
DOS SANTOS, B. B.; CAMPOS, L. M. L. Plantas medicinais na escola: uma experiência com estudantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 271-290, 7 out. 2019.
Seção
Artigos Gerais