O jogo educativo “caça-piolhos”: Como prevenir a pediculose brincando

  • Tami Pestana Bogéa Centro Universitário Celso Lisboa
  • Artur Araújo Centro Universitário Celso Lisboa
  • Aline Aparecida Silva Cardoso Centro Universitário Celso Lisboa
  • Jonathan Vieira de Melo Centro Universitário Celso Lisboa
  • Rebeca Fernandes Teixeira da Rocha Centro Universitário Celso Lisboa
  • Ludmila Lorraine Pereira dos Santos Centro Universitário Celso Lisboa
Palavras-chave: pediculose, ensino fundamental, jogo analógico, Caça-Piolhos, metodologias ativas

Resumo

A pediculose é uma infecção parasitária comumente encontrada na comunidade escolar brasileira. A despeito das campanhas para controle do piolho de cabeça, as taxas de prevalência permanecem altas. Este trabalho apresenta o jogo educativo “Caça-Piolhos” como parte de uma sequência didática para informar, de forma lúdica, sobre a biologia do piolho e a prevenção da pediculose. Estudantes dos 4o e 5o anos do ensino fundamental de uma unidade escolar pública participaram de aulas expositivas dialogadas, oficinas além de participar do jogo “Caça-Piolhos”. Verificou-se que o jogo manteve um bom nível de engajamento dos estudantes, permitindo verificar o aprendizado dos conteúdos discutidos. Observou-se ainda a falta de interesse de alguns estudantes em função da idade e/ou dificuldades na leitura e compreensão das perguntas. Além de promover o aprendizado sobre a pediculose, este jogo poderia atuar como ferramenta na detecção de problemas de alfabetização se caso fosse incorporado à uma estratégia interdisciplinar envolvendo professores de Ciências e Português. Ao desenvolver ou utilizar jogos educativos é importante avaliar a qualidade destes produtos para assegurar que eles trazem benefícios à aprendizagem, justificando a sua utilização. Assim, estudos que desenvolvam métodos para avaliar a eficiência dos jogos educativos como metodologia ativa de ensino-aprendizagem são encorajados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMENDOEIRA, M.R.R.; GONÇALVES, A.G.; CORREIA, J.A.S.; VICENTE, R.T.; COSTA, T. da; VIEIRA, K.A. Correlação entre o rendimento escolar e enteroparasitoses de escolares de uma escola municipal do Rio de Janeiro. In: XVIII Congresso Brasileiro de Parasitologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003, Anais... Rio de Janeiro/BR, p. 155, 2003.

BARKLEY, E.F. Students engagement techniques: a handbook for college faculty. San Francisco: Jossey-Bass, 2009.

BELLOTO, M.V.T.; SANTOS JUNIOR, J.E.; MACEDO, E.A.; PONCE, A.; GALISTEU, K.J.; CASTRO E. de; TAUYR, L.V.; ROSSIT, A.R.B.; MACHADO, R.L.D. Enteroparasitoses numa população de escolares da rede pública de ensino do Município de Mirassol, São Paulo, Brasil. Revista Pan- Amazônica de Saúde, v. 2, n. 1, p. 37-44, 2011.

BARBOSA, J. V.; PINTO, Z. T. Pediculose no Brasil. Entomologia y Vectores, v. 10, n.4, p. 579-86, 2003.

BENDER, W.N. Aprendizagem baseada em projetos. Porto Alegre: Penso, 2014.

CALLEJA, C. Jack Mezirow’s conceptualisation of adult transformative learning: a review. Journal of Adult and Continuing Education, v. 20, n. 1: p. 117-136, 2014.

CARDOSO, A.P.S.; MELO, J.V.; ARAUJO, A.; SANTOS, L.L.P.; ROCHA, R.F.T.; BOGÉA, T.H.P. Infecções parasitárias prevalentes na comunidade estudantil de uma unidade escolar pública do município do Rio de Janeiro. Revista Presença, v. 2, n. 8, p. 1-11, 2017.

CHRISTENSEN, C.R. Every student teaches and every teacher learns: the reciprocal gift of discussion teaching. In: CHRISTENSEN, C.R.; GARVIN, D.; SWEET, A. (Orgs.). Education for judgement: the artistry of discussion leadership. Boston: HBS Press, 1991. p. 99-119.

COSTA, L.C. da; GUERATO, E. Jogos pedagógicos & oficinas: uma parceria nas aulas de matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v.3, n.3, p. 304-313, 2012.

DELEUZE, G. Conversações. 1. ed., Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DUARTE, R.A.; SANTOS, A.D. Intervenção pedagógica para conhecimento e controle da pediculose: sequência didática aplicada ao ensino fundamental, objetivando solução de problemas e a formação de multiplicadores do conhecimento em saúde pública. Revista da Pós-Graduação Multidisciplinar, v. 1, n. 2, p. 147-158, 2017.

FADEL, L. M.; ULBRICHT, V. R.; BATISTA, C. R.; VANZIN, T. Gamificação na educação. 1. ed., São Paulo: Pimenta Cultural, 2014.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. 27. ed., Petrópolis: Editora Vozes, 1987.

HEUKELACH J. OLIVEIRA .A.F. FEL MEIER H. Ectoparasitoses e sa de p blica no rasil desafios para controle. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n.5, p. 1535-1540, 2003.

ILLERIS, K. Uma compreensão abrangente sobre a aprendizagem humana. In: ILLERIS, K. (Org.). Teorias contemporâneas da aprendizagem. Porto Alegre: Penso, 2009. p. 15-30.

LIBERAL, E.F.; AIRES, R.T.; AIRES, M.T.; OSORIO, A.C. de A. Escola Segura. Journal of Pediatry, v. 81, n. 5, supl., p. s155-s163, 2005.

MITRE, S.M.; SIQUEIRA-BATISTA, R.; GIRARDI-DE-MENDONÇA, J.M.; MORAIS- PINTO, N.M.; MEIRELLES, C.A.B.; PINTO-PORTO, C.; MOREIRA, T.; HOFFMANN, L.M.A. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação professional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, n. 2, p. 2133-2144, 2013.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C.A.S.; MORALES, O.E.T. (orgs.). Coleções mídas Contemporâneas. Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. Vol. II. Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015.

MOYLES, J. R. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NEVES, D.P.P. Parasitologia humana, 11. ed., São Paulo Atheneu, 2005 .

PINTO, T.Z.; VARGAS, P.E. Abordagem educativa e divulgações sobre tratamento de pediculose na internet. Disponível em <http://extra.globo.com/saude/materias/2007/05/15/295771934.asp>. Acesso em: 15 mai. 2017.

RAMALHO, A.M.C.; MARQUES, F.L.M. Classificação da pesquisa científica. Natal/BR: UFRN/ UFPB. Apostila, 2009.

RODRIGUES, M.G.S.; FREITAS, K.S.S.; SILVEIRA, M.F.N.; ASSUMPÇÃO, J.P. A enfermagem e a saúde do escolar. Revista Vitalle, v.12, p. 109-113, 2000.

SAWYER, R.K. The new science of learning. In: SAWYER, R.K. (Org.). The Cambridge handbook of the learning sciences, 2. ed., Cambridge: Cambridge University Press, 2014. p.1-18.

SALVADOR, S.; STRECK, E.L. Parasitoses em crianças: uma revisão bibliográfica dos casos na América Latina. Revista Inova Saúde, v. 6, n. 2: p. 88-97, 2018.

SANTOS JÚNIOR, E. R.; SANTOS, L.E.O.; SANTANA, S.F.; AGUIAR, N.A.; TRZAN, G.F.L.; FONSÊCA, C.H.A.; AMOR, A.L.M. Relato de uma estratégia lúdica educativa que promueve el control de insectos de importância médica e interés em Salud Pública. Journal of Health and Biological Sciences, v.6, n.3, p. 242-248, 2018.

SAVI, R. Avaliação de Jogos Voltados para a Disseminação do Conhecimento. 2011. Dissertação de Doutorado - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Florianópolis, 2011.

SAVI, R.; WANGENHEIM, C. G.; ULBRICHT, V.; VANZIN, T. Proposta de um modelo de avaliação de jogos educativos. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2017.

SILVA, T.C.; AMARAL, C.L.C. Jogos e avaliaç o no processo ensino-aprendizagem uma relação possível. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 2, n. 1, p. 1-8, 2011.

SILVA-PIRES, F.E.S.; TRAJANO, V.S.; ARAÚJO-JORGE, T.C. Construindo o protótipo do jogo “Infectando” o papel do anti-herói aplicado no conceito de doenças. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 1, p. 65-84, 2019.

SPIEGEL, C.N.; GUTEMBERG, G.A.; CARDONA, T.S. MELIM, L.M.C.; LUZ, M.R.M.; ARAÚJO-JORGE, T.C. Discovering the cell: an educational game about cell and molecular biology. Journal of Biological Education, v. 43: p. 27-36, 2010.

REY, L. Bases da parasitologia m i a, 3. ed., Rio de Janeiro: Editora Guanabara- Koogan, Rio de Janeiro, 2011.

Publicado
2020-01-01
Como Citar
BOGÉA, T. P.; ARAÚJO, A.; SILVA CARDOSO, A. A.; VIEIRA DE MELO, J.; TEIXEIRA DA ROCHA, R. F.; PEREIRA DOS SANTOS, L. L. O jogo educativo “caça-piolhos”: Como prevenir a pediculose brincando. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 1, p. 189-201, 1 jan. 2020.
Seção
Artigos Gerais