A importância de Emmy Noether para a inclusão das mulheres no Ensino Superior e no desenvolvimento dos estudos matemáticos

Palavras-chave: Desenvolvimento Científico, Educação, Física, Matemática, Mulheres

Resumo

O presente trabalho aborda a vida e a obra de Amalie “Emmy” Noether. Discute, brevemente, algumas de suas contribuições científicas, com fins educativos nas áreas da matemática e de gênero. A partir de uma revisão de literatura, este trabalho traz um pouco da biografia de Emmy Noether e seleciona algumas de suas principais contribuições ao longo de sua vida. Os resultados obtidos e discutidos são a respeito de suas inovações e da relevância da isonomia de gênero na educação que contribuem para o desenvolvimento científico e para a democracia da educação. Para atingir esses resultados foi feita uma pesquisa bibliográfica indireta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, E. Feminist Epistemology and Philosophy of Science. Stanford: Edward N. Ed. Zalta, 2011.

BASQUEROTTO, C. H. C. C.; RIGHETTO, E.; SILVA, S. As Simetrias de Lie de um Pião. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 1-8, Nov. 2017.

BASSALO, J. M. F. Crônicas da Física, Tomo 2, Pará: Editora Universitária da Universidade Federal do Pará (UFPA), 1990.

BRADING, K. Which Symmetry? Noether, Weyl, and Conservation of Electric Charge. St. Hugh’s College, Oxford, v. 33, p. 1-22, 2002.

BRANDÃO, W. Emmy Noether, "Emmy" da Matemática, 2015. Disponível em: <http://cienciadagarota.blogspot.com/2015/12/emmy-noether-emmy-da-matematica.html>. Acesso em: 12 mai. 2018.

CARVALHO, T. F.; FERREIRA, D. H. L.; PENEREIRO, J. C. Matemática, Mulheres e Mitos: causas e consequências históricas da discriminação de gênero. Educação Matemática e Pesquisa, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 571-597, 2016.

COSTA, F. J. Teorema de Noether do Cálculo das Variações e do Controlo Óptimo na Economia. 2006. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Matemática, Universidade de Aveiro, Portugal, 2006.

ENGUITA, M. F. Trabalho, escola e ideologia – Marx e a crítica a educação. Porto Alegre: Artes Medicas Sul, 1993.

FELÍCIO, J. R. D. A política das agências de fomento na promoção da participação das mulheres na pesquisa. In: Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisa Pensando Gênero e Ciências. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, p. 45-52, 2010.

FERNANDES, M. C. V. A inserção e vivência da mulher na docência de matemática: uma questão de gênero. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2006.

FREIRE, I. F.; SILVA, P. L. Sobre uma classe de equações diferenciais ordinárias admitindo propriedades especiais. In: Anais do Congresso de Matemática Aplicada e Computacional – CMAC Sudeste. São Paulo: Universidade Federal do ABC, p. 622-625, 2013.

HALL, N.; JONES, M.; JONES, G. A Vida e o Trabalho de Sophie Germain. Gazeta da Matemática, n. 146, p. 32-35, 2004.

HILL, C.; CORBERTT, C.; ROSE, A. Why So Few? Women in Science, Technology, Engineering, and Mathematics. Washington: AAUW, 2010.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Vozes, p. 184, 2003.

MARTINS, M. C. Ada Lovelace: a primeira programadora da história. Correio dos Açores, 2016.

NASCIMENTO, J. B. Algumas mulheres da história da matemática: A questão de gênero em ciências e tecnologia. In: GADELHA, P. H. Novo olhar sobre a matemática, Beira do Rio, Ano XXVI, nº 93, abr. 2011.

PATRÃO, M. Uma pequena biografia de Emmy Noether. e-boletim de física, Brasília: Universidade de Brasília, 2015.

PENEREIRO, J. C.; FERREIRA, D. H. L. F. Matemática na arte filatélica: Um olhar histórico da matemática por meio de imagens em selos postais. REnCiMa, v. 1, n. 2, p. 126-144, jul/dez 2010.

PERROT, M. Mulheres públicas. Tradução Roberto Leal Ferreira, São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

POMMER, W. M. Números irracionais na escolaridade básica: as contribuições didático-epistemológicas advindas da história da matemática. REnCiMa, v. 9, n.3, p. 183-199, 2018.

RADFORD, D. On Emmy Noether and Her Algebraic Works. 2016. Dissertation (Master of Science) – Arizona State University, 2016.

SAMPAIO, J. C. S. Sobre simetrias e a teoria de leis de conservação de Ibragimov. 2015. Tese (Doutorado) – Instituto de Matemática, Estatística e Computação Cientifica, Universidade de Campinas – SP, 2015.

SANTOS, D. M. F. A relação entre a álgebra acadêmica e a álgebra escolar em um curso de licenciatura em matemática: concepções de alunos e professores. 2016. Tese (Doutorado) – Faculdade de Ciência e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, 2016.

SCHIENBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? Bauru – SP: EDUSC, 2001.

SCHWARTZ, J.; CASAGRANDE, S. L.; LESZCZYNSKI, S. A. C.; CARVALHO, M. G. Mulheres na informática: quais foram as pioneiras? Cadernos Pagu, n. 27, p. 255-278, jul./dez. 2006.

SILVA, E. R. A (in) visibilidade das mulheres no campo científico. Revista Histedbr on-line, n. 30, p. 133-148, 2008.

SOUZA, K. C. S. As mulheres na matemática. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2006.

TOSI, L. Mulher e Ciência: A revolução científica, a caça às bruxas e a ciência moderna. Cadernos Pagu, n. 10, p. 369-397, 1997.

VIANA, I. A Vida de Emmy Noether. 2016. Disponível em: <http://mulheresnamatematica.sites.uff.br/wp-content/uploads/sites/237/2017/10/emmy_noether.pdf>. Acesso em: 12 jun. 2018.

Publicado
2020-10-01
Como Citar
JESUS, S.; GOMES, L. A importância de Emmy Noether para a inclusão das mulheres no Ensino Superior e no desenvolvimento dos estudos matemáticos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 798-808, 1 out. 2020.
Seção
Artigos Gerais