Análise da produção argumentativa com uso de jogo didático investigativo em uma aula de Biologia

Palavras-chave: Alfabetização científica, Jogos didáticos, Ensino por investigação, Argumentação

Resumo

Entre os fatores importantes para a alfabetização científica destacamos aprendizagem significativa e o desenvolvimento da comunicação, com ênfase na construção do argumento. Estes fatores são fomentados através do método de ensino por investigação, que não se limita a aulas experimentais. O objetivo deste trabalho é analisar o potencial de um jogo didático investigativo como uma ferramenta para o ensino-aprendizagem de Biologia, utilizando a produção argumentativa como um indicador de alfabetização científica. A pesquisa foi desenvolvida com estudantes de 1º ano do Ensino Médio de uma escola pública estadual na cidade de São Paulo. As discussões entre os alunos foram gravadas, transcritas e posteriormente analisadas para verificar a ocorrência da argumentação. Para a analisar a produção argumentativa utilizamos o modelo de Toulmin (2006), que propõe a análise estrutural do argumento com base em três componentes: dados (D), garantias (W) e conclusões (C). O jogo didático se mostrou eficaz como uma ferramenta de ensino-aprendizagem ao proporcionar uma situação favorável para a construção de argumentos lógicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, L.; CASADO FIREMAN, E. Sequência de ensino investigativa: problematizando aulas de ciências nos anos iniciais com conteúdos de eletricidade. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 2, p. 143-161, 5 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de educação básica. Orientações curriculares para o ensino médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/EB, 2006.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC /SEF, 1998a.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998b.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998c.

CARVALHO, A. M. P. Habilidades de Professores Para Promover a Enculturação Científica. Revista Contexto & Educação, v. 22, n. 77, p. 25-49, 2007.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, A. M. P. Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. p. 1-19.

CHIARO, S.; LEITÃO, S. O papel do professor na construção discursiva da argumentação em sala de aula. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 18, n.3, p. 350-357, 2005.

GREGORIO, M. P. F.; PEREIRA, P. S. Construtivismo e aprendizagem: uma reflexão sobre o trabalho docente. Revista Educação, Batatais, v. 2, n. 1, p. 51-66, junho, 2012.

HATCH, J. A. Doing qualitative research in education settings. Albany: State University of New York Press. 2002.

JIMÉNEZ, M. P. A.; DÍAZ, J. B. Discurso de aula y argumentación en la classe de ciências: cuestiones teóricas y metodológicas. Enseñanza de las Ciencias. v. 21, n. 3. p. 359-370, 2003.

LEITÃO, S. O lugar da argumentação na construção do conhecimento em sala de aula. In: LEITÃO, S.; DAMIANOVIC, M. C. (Org.). Argumentação na escola: o conhecimento em construção. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011, p. 13-46.

MARCUSCHI, Luiz A. Análise da Conversação. São Paulo, Ática, 2003. Série Princípios.

MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências, v. 1, n. 1, p.20-39, 1996.

MOTOKANE, M. et al. Caraterísticas de sequência didáticas promotoras da alfabetização científica no ensino de biologia. Enseñanza de las ciencias, volume extra, IX congreso internacional sobre investigación en didáctica de las ciencias. 2013, p. 2421-2424.

OLIVEIRA, C. M. A. O que se fala e se escreve nas aulas de ciências. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013, p. 63-75.

ORLANDO, T. C. et. al. Planejamento, montagem e aplicação de modelos didáticos para abordagem de Biologia Celular e Molecular no Ensino Médio por graduandos de Ciências Biológicas. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular. 2009.

OROFINO, R. P. Análise da argumentação e de seus processos formadores em uma aula de Biologia. 2011. 186 f. Dissertação (Mestrado) — Instituto de Física, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

OSBORNE, J.; ERDURAN, S.; SIMON, S. Enhancing the Quality of Argument in School Science. Journal of Research in Science Teaching, v. 41, n. 10, p. 994-1020, 2004.

OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. J. H. Teorias de aprendizagem. Porto Alegre: Editora Evangraf, UFRGS, 2011.

PEDROSO, C. V. Jogos didáticos no ensino de biologia: uma proposta metodológica baseada em módulo didático. In: Congresso Nacional de Educação — EDUCERE, IX, Curitiba. 2009. Anais... Curitiba: PUCPR, 2009.

RAMOS, L. B. da C; ROSA, P. R. S. O Ensino de Ciências: fatores intrínsecos e extrínsecos que limitam a realização de atividades experimentais pelo professor dos anos Iniciais do Ensino Fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, v. 13, n. 3, p.299-331, 2008.

SANTANA, R. S. et, al. Jogos didáticos e o ensino por investigação: contribuições do jogo mundo dos parasitos. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga, v. 1, n. 4, p. 80-97, 2016.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2011a.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e o padrão de toulmin. Ciência & Educação, Bauru, v. 17, n. 1, p. 97-114, 2011b.

SASSERON, L. H. Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage, 2013. cap. 3, p. 41-61.

SHUNEMANN, H. E. S. Aprendizagem: teorias e práticas. São Paulo: UNASP, 2012. Apostila de apoio do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da UNASP.

SILVA, T. C; AMARAL, C. L. C. Jogos e avaliação no processo ensino-aprendizagem: Uma relação possível. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 2, n. 1, p. 1-8, 2011.

SOUZA, V. F. M.; SASSERON, L. H. As interações discursivas no ensino de física: a promoção da discussão pelo professor e a alfabetização científica dos alunos. Ciência e Educação. Bauru, v. 18, n 3, p. 593-611, 2012.

TONETE, D. C. Análise do Ensino-Aprendizagem de Biologia nos anos finais da Educação Básica, uma perspectiva dos conteúdos de Genética, Bioquímica, Fisiologia e Biologia Celular. 2018. 41f. Monografia (Especialização em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino). Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Medianeira.

TOULMIN, S. Os usos do argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Publicado
2020-01-01
Como Citar
REIS, J.; MARQUES, R.; DUARTE, E. Análise da produção argumentativa com uso de jogo didático investigativo em uma aula de Biologia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 1, p. 341-360, 1 jan. 2020.
Seção
Artigos Gerais