Abordagem das séries temporais numa disciplina introdutória de estatística

  • Mario de Souza Santana Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
  • Lécio Alves Nascimento Instituto Federal do Norte de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0003-2499-4372
  • Rany Cristina Alves Vieira Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
Palavras-chave: Pensamento Estatístico, Ciclo Investigativo, Séries Temporais

Resumo

O uso de investigações reais no ensino e aprendizagem da Estatística pode gerar necessidades para além daquelas decorrentes do padrão tradicional. Os conteúdos que o docente precisa dominar podem extrapolar o previsto. Nesse sentido, temos o propósito de apresentar as Séries Temporais como um conteúdo emergente em uma proposta didática baseada no uso de um ciclo investigativo visando a analisar sua viabilidade e relevância no contexto acadêmico onde a proposta foi implementada. As atividades foram realizadas em uma turma de 3° período do curso de Gestão Ambiental, sendo os dados coletados no decurso das aulas ao longo do primeiro semestre letivo de 2016. Resultou desse estudo uma sugestão de roteiro para abordagem das Séries Temporais em atividades investigativas. Concluímos que o tema no tipo de atividade que se propôs é pertinente e que seu estudo é importante no contexto acadêmico em questão entendendo, assim, que sua inserção no currículo da Gestão Ambiental é relevante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE FILHO, F. S. Sistemas inteligentes aplicados à análise de riscos ambientais. 2012. 88 p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento de Processos Ambientais) – Universidade Católica de Pernambuco. Recife, PE, 2012.

AMÂNCIO, C. T.; NASCIMENTO, L. F. C. Asma e poluentes ambientais: um estudo de séries temporais. Revista Associação Médica Brasileira, v. 58, n. 3, p. 302-307, 2012.

ANA. Agência Nacional de Águas. HidroWeb. Disponível em: http://hidroweb.ana.gov.br/default.asp. Acesso em: 04 de nov. 2017.

ASSIS, W. L. Variações temporais e espaciais da precipitação em áreas urbanas: estudo de caso na região oeste do município de Belo Horizonte. Geosul, Florianópolis, v. 24, n. 48, p. 177-196, 2009. .

BIAJONE, J. Projeto estatístico na pedagogia. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A. (Org.). Estudos e reflexões em Educação Estatística. Campinas: Mercado de Letras, 2010. (Série Educação Estatística em Foco). pp. 173-192.

Biase, N. G. A Estatística como Ferramenta para Tomada de Decisões. In: OLIVEIRA, C. C; MARIM, V. (orgs.). Educação Matemática: contextos e práticas docentes. Campinas: Editora Alínea, 2010. pp. 131-139.

Bouzada, M. A. C.). Aprendendo Decomposição Clássica: Tutorial para um Método de Análise de Séries Temporais. Tecnologias de Administração e Contabilidade, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, pp. 1-18, Jan./Jun. 2012.

BOX, G. E. P.; JENKINS, G. M.; REINSEL, G. C. Time Series Analysis: Forecasting and Control. 4. ed. Hoboken: John Wiley & Sons. 2008, 768 p.

CAMPOS, C. R. A Educação Estatística: uma investigação acerca dos aspectos relevantes à didática da estatística em cursos de graduação. 2007. 242 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2007.

CARNIER NETO, D. Análise das séries temporais de monitoramento de nível d’água em poços no aquífero Rio Claro. Dissertação (Mestrado em Geociências e Meio Ambiente) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro SP, 2006.

CHECHI, L.; SANCHES, F. O. Análise de uma série temporal de precipitação para Erechim (RS) e um possível método de previsão climática. Ambiência Guarapuava, v. 1, n. 9, p. 43- 55, 2013. .

COX, R.; STUART, A. Some Quick Sign Tests for Trend in Location and Dispersion. Biometrika, Oxford, RU, v. 42, n. 1/2, p. 80-95, jun. 1955. .

EHLERS, R. S. Análise de Séries Temporais. Departamento de Estatística, UFPR.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. – 3. ed. rev. – Campinas, SP: Autores Associados, 2012. – (Coleção formação de professores)

FIORENTINI, D.; NACARATO, A. M. Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática: investigando e teorizando a partir de prática. São Paulo: Musa Editora, 2005.

GARNICA, A. V. M. História Oral e Educação Matemática. p. 79-100. In.: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (orgs.) Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. 2. ed. – Belo Horizonte: Autêntica, 2006. 120 p. – (Tendências em Educação Matemática, 9)

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Download. .

Instituto Nacional de Meteorologia – INMET. BDMEP – Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. .

JOSHI, A. Julia for Data Science. 1.ed. Birmingham: Packt, 2016, 319 p.

KENDALL, M.; STUART, A. The Advanced Theory of Statistics: Design and Analysis, and Time-Series. Charles Griffin. 4. ed. v. 3, p. 780, 1983.

KRUSKAL, W. H; WALLIS, W. A. Use of ranks in one-criterion variance analysis. Journal of the American Statistical Association, Boston, MA, v. 47, n. 260, p. 583- 621, dec. 1952. .

LOPES, C. A. E. O conhecimento profissional dos professores e suas relações com estatística e probabilidade. 2003. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP, Campinas, 2003.

LOPES, C. E. Educação Estatística no Curso de Licenciatura em Matemática. Bolema - Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v. 27, n. 47, p. 901-915, dez. 2013.

MACKAY, R. J.; OLDFORD, W. Stat 231 Course Notes Fall. Canada: University of Waterloo, 1994. In: WILD, C.; PFANNKUCH, M. Statistical thinking in empirical enquiry. International Statistical Review, Voorburg, n. 67, p. 223-265, 1999. .

MALARA, M. B. S. Os saberes docentes do professor universitário do curso introdutório de estatística expressos no discurso dos formadores. 2008. Tese (Doutorado em Educação Matemática) –Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2008. .

MOORE D. Statistics Among the Liberal Arts. Journal of the American Statistical Association, v. 93, n. 444, pp. 1253-1259, 1998. .

MORETTIN, P. A.; TOLOI, C. M. C. Análise de Séries Temporais. 2. ed. São Paulo: Edgar Blücher, 2006, 536 p.

NASCIMENTO, L. A. Influência da carga hidrológica na altitude geométrica a partir de análise de séries temporais estimadas no método PPP. 2016. 73 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Federal de Viçosa. Setor de Engenharia de Agrimensura e Cartográfica, Viçosa, MG, 2016.

NASCIMENTO, L. A.; DAL POZ, W. R.; SANTOS, A. P.; FREITAS, K. X. S. Geração

automatizada de séries temporais de dados posicionais utilizando o IBGE-PPP. Boletim de Ciências Geodésicas. v. 23, n. 1, p. 150-165, 2017. .

PENEREIRO, J. C.; ORLANDO, D. V. Análises de tendências em séries temporais anuais de dados climáticos e hidrológicos na bacia do Rio Parnaíba entre os estados do Maranhão e Piauí/Brasil. Revista Geográfica Acadêmica, v.7, n.2, p 5-21, 2013.

PINTO, W. P.; LIMA, G. B.; ZANETTI, J. B. Estudo de predição e previsão de temperaturas médias diárias da cidade de Cariacica, Espírito Santo, Brasil, utilizando a metodologia de séries temporais. Revista Geintec, v. 5, n. 1, p. 1881-1895, 2015. .

Portal Action. Gráficos. Disponível em: http://www.portalaction.com.br/estatistica- basica/graficos. Acesso em: 08 de nov. 2017.

SANTANA, M. S. A Educação Estatística no Ensino Médio com Base num Ciclo Investigativo: uma avaliação do desenvolvimento da postura crítica dos alunos de uma turma de 3º ano frente ao uso e difusão da linguagem estatística na sociedade In: XIV EBRAPEM, 2010,

Campo Grande. Anais do XIV Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-graduação em Educação Matemática: Educação Matemática – diversidades e particularidades no cenário nacional, 2010.

SANTANA, M. S. A Educação Estatística com base num ciclo investigativo: um estudo do desenvolvimento do letramento estatístico de estudantes de uma turma do 3º ano do Ensino Médio. 2011. 196 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). – Departamento de matemática, UFOP, Ouro Preto, 2011.

SANTANA, M. S. Estatística para professores da educação básica: conceitos e aprendizagem para a cidadania. Curitiba: editora CRV, 2012. 94 p.

SANTANA, M. S.. Investigações Estatísticas: elementos Didáticos para uma leitura crítica do uso social da linguagem estatística. In: XI Encontro Nacional de Educação Matemática - XI ENEM, 2013, Curitiba. Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática: Educação Matemática - retrospectivas e perspectivas, 2013.

SANTANA, M. S. O ciclo investigativo como recurso à aprendizagem estatística: um enfoque no pensamento estatístico. In: 12° Encontro Nacional de Educação Matemática, 2016, São Paulo. Anais do 12° Encontro Nacional de Educação Matemática, 2016.

SHUMWAY, R. H.; STOFFER, D. S. (2006). Time Series Analysis and Its Applications With R Examples. New York: Springer. 2006, 608 p.

SILVA, C. B. Pensamento estatístico e raciocínio sobre variação: um estudo com professores de matemática. (2007). 354 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2007.

SILVA, M. R.; JARDIM, C. H. (2016). Uso da terra e variação da temperatura em Belo Horizonte, Sete Lagoas e Ibirité (Minas Gerais). In: XII Simpósio Brasileiro De Climatogia Geográfica. 2016, Goiânia. Anais Eletrônicos... Goiânia: Universidade Federal de Goiás. 2016. p. 733-743.

WILD, C.; PFANNKUCH, M. Statistical thinking in empirical enquiry. International Statistical Review, n.67, p. 223-65, 1999.

Publicado
2018-05-28
Como Citar
SANTANA, M. DE S.; NASCIMENTO, L. A.; VIEIRA, R. C. A. Abordagem das séries temporais numa disciplina introdutória de estatística. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 2, p. 390-409, 28 maio 2018.
Seção
Artigos Gerais