O estudo da estatística num contexto colaborativo: o gráfico de setores

Palavras-chave: Educação Estatística, Educação Matemática, Formação de Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, Contexto Colaborativo

Resumo

Este artigo busca descrever um dos encontros de um grupo de estudos, formado por professores e futuros professores da Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental, que, com o tempo, constituiu um contexto colaborativo. No encontro descrito, a ênfase foi para o estudo do gráfico de setores em um contexto de estudo dos tipos de representações gráficas. Com isso também objetivamos sistematizar e ampliar algumas reflexões decorrentes de uma pesquisa de doutorado, de abordagem qualitativa, cujo objetivo foi compreender o processo de desenvolvimento profissional na perspectiva do letramento estatístico em contextos colaborativos. Nesse sentido, são apresentadas algumas questões relativas à Educação Estatística, apontando brevemente alguns elementos históricos e curriculares, sua relevância e, principalmente, a questão da importância da formação de professores em comunidades de aprendizagem profissional. Consideramos que os diferentes participantes do grupo de estudos, alvo de investigação, tiveram oportunidade de estudar, problematizar, refletir e investigar sobre a complexidade de ensinar e aprender Estatística nas escolas, que isso contribuiu para que os participantes passassem a dirigir outros olhares para a prática de sala de aula e para os materiais utilizados e que, no contexto colaborativo, houve alicerce para reflexões/ressignificações compartilhadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATANERO, Carmen, Didáctica de la Estadística. Granada: Servicio de Reprografia de la Facultad de Ciencias. Universidad de Granada, 2001.

BATANERO, Carmen, Los retos de la cultura estadística. In: JORNADAS INTERAMERICANAS DE ENSEÑANZA DE LA ESTADÍSTICA, 2002, Buenos Aires. Conferência inaugural. Buenos Aires, 2002. p. 1-11.

BATANERO, Carmen, Sentido estadístico: componentes y desarrollo. In: CONTRERAS, J. M. et al. Actas de las 1.ª Jornadas Virtuales em Didáctica de la Estadística, Probabilidad y Combinatoria – SEIEM, Granada, ano I, v. 2, n. 1, p. 1-8, 2013.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Suri K. Investigações qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Editora Porto, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de educação fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica, Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: Educação Estatística / Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Brasília: MEC, SEB, 2014.

CAZORLA, Irene; UTSUMI, Miriam Cardoso Reflexões sobre o ensino de Estatística na Educação Básica. In: CAZORLA, Irene; SANTANA, Eurivalda (Org.). Do tratamento da informação ao letramento estatístico. Itabuna: Via Litterarum, 2010. p. 09-21.

CONTI, Keli Cristina, Desenvolvimento profissional de professores em contextos colaborativos em práticas de letramento estatístico. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas-SP, 2015.

FIORENTINI, Dario, Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, Marcelo Carvalho; ARAÚJO, Jussara Loiola, Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 47-76.

FIORENTINI, Dario, Quando acadêmicos da universidade e professores da escola básica constituem uma comunidade de prática reflexiva e investigativa. In: FIORENTINI, Dario; GRANDO, Regina Celia; MISKULIN, Rosana G. S. (Org.). Práticas de formação de pesquisas de professores que ensina matemática. Campinas: Mercado de Letras, 2009. p. 233-255.

FIORENTINI, Dario et al. Interrelations between teacher development and curricular change: a research program. In: BEDNARZ, Nadine, FIORENTINI, Dario; HUANG, Rongjin (Ed.). International Approaches to Professional Development for Mathematics Teachers: Explorations of innovative approaches to the professional development of math teachers from around the world. Ottawa, Ca: University of Ottawa Press, 2011. p. 213-222.

FONSECA, Maria Conceição F. R. A educação matemática e a ampliação das demandas de leitura e escrita da população brasileira. In: FONSECA, Maria Conceição F. R. (Org.). Letramento no Brasil: habilidades matemáticas: reflexões a partir do Inaf 2002. São Paulo: Global; Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação, Instituto Paulo Montenegro, 2004. p. 11-28.

GAL, Iddo Adult’s statistical literacy: meanings, components, responsabilities. International Statistical Review, Netherlands, n. 70, p. 1-25, 2002.

LOPES, Celi A. E. A probabilidade e a estatística no ensino fundamental: uma análise curricular. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

LOPES, Celi A. E. Literacia estatística e o INAF 2002. In: FONSECA, Maria Conceição F. R. (Org.). Letramento no Brasil: habilidades matemáticas: reflexões a partir do INAF 2002. São Paulo: Global; Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação. Instituto Paulo Montenegro, 2004. p. 187-197.

LOPES, Celi A. E. Os desafios para Educação Estatística no currículo de Matemática. In: LOPES, Celi E.; COUTINHO, Cileda Q. S.; ALMOULOUD, Saddo A. Estudos e reflexões em Educação Estatística. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

LOPES, Celi A. E.; MOURA, Anna Regina L. (Org.). Encontro das crianças com o acaso: as possibilidades, os gráficos e as tabelas. Campinas: Editora Graf. FE Unicamp; Cempem, 2002.

MIZUKAMI, Maria das Graças N. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman. Revista do Centro de Educação da UFSM, Viçosa, v. 29, n. 2, 2004. p. 01-13. Disponível em: <http://www.ufsm.br/ce/revista/>. Acesso em: 22 set. 2014.SHULMAN, L. S. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, Cambridge, v. 57, n. 1, p. 1-22, 1987.

VAN DE WALLE, John Matemática no ensino fundamental: formação de professores e aplicação em sala de aula. Tradução de Paulo Henrique Colonese. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

WATSON, Jane M. Statistical literacy at school: Growth and goals. Mahwah-NJ: Lawrence Erlbaum, 2006.

Publicado
2018-05-28
Como Citar
CONTI, K. C. O estudo da estatística num contexto colaborativo: o gráfico de setores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 2, p. 265-282, 28 maio 2018.
Seção
Artigos Gerais