O ensino de Estatística no 2º ano do Ensino Fundamental: uma experiência em sala de aula com a construção de gráficos e tabelas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v9i2.1665

Palavras-chave:

Ensino de Estatística, Tratamento da Informação, Gráficos e Tabelas, Ensino de Matemática

Resumo

Este texto se baseia na análise do trabalho realizado por uma professora que do 2º ano do Ensino Fundamental na rede estadual de ensino do estado de São Paulo, participante do grupo de pesquisa do Programa Observatório da Educação, com o objetivo de verificar as atividades desenvolvidas com os conteúdos relativos à estatística, na construção e análise de gráficos e tabelas. As atividades aplicadas e descritas pela professora foram desenvolvidas a partir do Projeto Educação Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental-EMAI, da Secretaria Estadual de Educação do Estado de São Paulo. As bases teóricas para estas sequências de atividades se constituíram a partir de sua participação no grupo de pesquisa do Projeto Observatório da Educação, colaborativamente com os demais participantes. Utilizamos neste trabalho a pesquisa qualitativa, com o método de estudo de caso. Consideramos que, embora a professora apresentasse lacunas sobre o tema em sua formação, tanto os materiais disponíveis quanto as discussões coletivas no grupo colaborativo de estudos, contribuíram para seu crescimento e desenvolvimento. Quanto à aprendizagem dos alunos, a participação das crianças nas atividades se configurou como importante caminho para a aprendizagem da leitura e interpretação de dados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais (1ª a 4ª séries). Brasília: MEC/SEF, 1997a., 10 volumes.

BRASIL. Secretaria Estadual da Educação de São Paulo. Apontamentos sobre concepções que embasam o projeto educação Matemática nos anos iniciais – EMAI. Assessoria e elaboração: Célia Maria Carolino Pires, São Paulo, fev. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum - BNCC. 3ª versão. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/linha-do- tempo-2017-dezembro/BNCCpublicacao.pdf Acesso em 20 Ago.2017

LOPES, C. E. O ensino da estatística e da probabilidade na educação básica e a formação dos professores. Cad. Cedes, Campinas, vol. 28, n. 74, p. 57-73, jan./abr. 2008. Disponível em http://cedes.unicamp.br Acesso em 12 Set.2017

CURCIO, F.R. Comprehension of mathematical relationship expressed in graphs. Journal for Research in Mathematics Education, 18(5), 382-393, 1987.

CURI, E. Contribuições de um grupo colaborativo no desenvolvimento profissional de seus participantes. In Educação matemática: grupos colaborativos, mitos e práticas.Org. Edda Curi e Julia Cassia P. Nascimento. São Paulo: Terracota, 2012, p.13-32.

DUVAL, R. Semiósis e Pensamento Humano: registros semióticos e aprendizagens intelectuais. São Paulo; Editora Livraria da Física, 2009.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

LUDKE, ANDRÉ, M.D. A.de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E. P. U., 1986. 99 p. (Temas básicos de educação e ensino).

PONTE, J. P. da. Estudos de caso em educação matemática. Bolema, v. 19, n. 25, p. 105-132, 2006.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

2018-05-28

Como Citar

MARTINS, P. B.; CURI, E.; NASCIMENTO, J. de C. P. do. O ensino de Estatística no 2º ano do Ensino Fundamental: uma experiência em sala de aula com a construção de gráficos e tabelas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 230–246, 2018. DOI: 10.26843/rencima.v9i2.1665. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1665. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>