Desempenho de estudantes do 5° ano na construção de gráficos de setores: dificuldades e possibilidades pedagógicas

Palavras-chave: Estatística, Gráfico de Setores, Desempenho, Proporcionalidade

Resumo

Ainda que a Estatística seja importante para a formação cidadã e esteja presente no currículo escolar, os estudantes apresentam dificuldades em conceitos como os de representatividade, de variabilidade e de incerteza. Essa pesquisa se propôs a analisar o desempenho de crianças do 5° ano na construção de gráfico de setores, assim como verificar como uma intervenção, baseada no uso de tecnologias digitais, pode contribuir significativamente na mudança de desempenho destas crianças. A pesquisa foi realizada com duas turmas do 5° ano, de 26 alunos cada, divididas em grupo controle e experimental. A investigação foi dividida em três etapas: pré-teste, intervenção e pós-teste. Os dados foram analisados de modo a conhecer e compreender o desempenho dos alunos antes e após as atividades, assim como a evolução de estratégias. Foi verificado que as crianças possuem dificuldades em construir gráficos de setores, especialmente, por não ser uma atividade comumente explorada na escola. A maior dificuldade está relacionada em compreender a relação parte-todo presente neste tipo de gráfico. Foram verificados erros na construção do gráfico como: a ausência da indicação de título, das categorias e da frequência. A intervenção mostrou-se eficiente com resultados significativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática (1º e 2º ciclos do ensino fundamental). v. 3. Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. Projeto UCA. Formação Brasil. Projeto. Planejamento das Ações/Cursos. SEED. MEC, 2009.

CARVALHO, L. M. T. L.; CAMPOS, T. M. M.; MONTEIRO, C. E. F. Aspectos Visuais e

Conceituais nas Interpretações de Gráficos de Linhas por Estudantes. Bolema, Rio Claro (SP), v. 24, n. 40, p. 679-700, dez. 2011.

CASTRO, J. B. O uso de objetos de aprendizagem para a construção e compreensão de gráficos estatísticos. 2012. 2012. 215 f. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

CASTRO, J. B.; CASTRO-FILHO, J. A. Desenvolvimento do pensamento estatístico com suporte computacional. Educação Matemática Pesquisa. São Paulo, v.17, n.5, pp. 870 – 896, 2015.

CASTRO, J. B.; BARRETO, M. C.; CASTRO-FILHO, J. A. Teoria dos Campos Conceituais.In: CASTRO-FILHO, J. A.; SANTANA, E. R. S.; LAUTERT, S. L. (Orgs).

Ensinando multiplicação e divisão do 6º ao 9º ano. Itabuna: Via Litterarum, 2017. 120p. Disponível em: http://ppgemuesc.com.br/gpemec/livros/6%20a%209.pdf Acesso em 8 de novembro de 2017.

CASTRO, J. B.; BARRETO, A. L. O.; OLIVEIRA, G. P.; CASTRO-FILHO, J.A. Objetos de

aprendizagem digitais como suporte para a construção e compreensão de gráficos. In: XIII Conferência Interamericana de educação Matemática – XIII CIAEM, 2011, Recife. Anais da XIII Conferência Interamericana de educação Matemática –XIII CIAEM, Recife, EDUMATEC, 2011, p. 1-6.

ESPINEL, M. C.; GONZÁLEZ, M. T.; BRUNO, A.; PINTO, J. Las gráficas estadísticas. In

L. Serrano (Ed.), Tendencias actuales de la investigación en educación estocástica. Málaga: Gráficas San Pancracio. pp.57-74,2009.

ESTEVAM, E. J. G.; FÜRKOTTER, M. (Res)Significando gráficos estatísticos no Ensino Fundamental com o software Super Logo 3.0. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v.12, n.3, pp. 578-597, 2010.

EVANGELISTA, B.; GUIMARÃES, G. Representando e interpretando escalas em gráficos. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

MATEMÁTICA, 4., 2015, Ilhéus. Anais... Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz, 2015.

FRIEL, S., CURCIO, F., BRIGHT, G. Making Sense of Graphs: critical factors influencing comprehension and instructional implications. Journal for Research in Mathematics Education, vol. 32, n.2, pp. 124-158, 2001.

GUIMARÃES, G.; OLIVEIRA, I. Construção de gráficos e tabelas. In: Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: Educação Estatística / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Brasília: MEC, SEB, 2013.

INAF. Indicador de Alfabetismo Funcional – INAF: estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. Instituto Paulo Montenegro em parceria com a ONG Ação Educativa. São Paulo, maio de 2016. Acessado em 9 de novembro de 2017. Disponível em:

<https://drive.google.com/file/d/0B5WoZxXFQTCRRWFyakMxOTNyb1k/view>. Acesso em 8 de novembro de 2017.

LIMA, R. C. R. de; MAGINA, S. M. P. Ler e interpretar gráficos usando as novas tecnologias: um estudo com alunos da 4ª série do ensino fundamental. In: IX Encontro Nacional de Educação Matemática, 2007, Belo Horizonte. Diálogos entre a Pesquisa e a Prática Educativa. Belo Horizonte: Dantas Projetos Digitais, 2007. v. 1. Disponível em:

<http://www.sbem.com.br/files/ix_enem/Html/comunicacaoCientifica.html>. Acesso em 21 de julho de 2011.

LIRA, O. C. T.; MONTEIRO, C. E. F. Uso do computador na construção e interpretação de gráficos nos anos iniciais do ensino fundamental. In: II Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática SIPEMAT, 2008, Recife. Anais do II Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática SIPEMAT, 2008. p. 1-7.

LOPES, C. E. Os Desafios para a Educação Estatística no Currículo de Matemática. In: C. E. LOPES, C. de Q. e S. COUTINHO; S. A. ALMOULOUD (Orgs.), Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado de letras, 2010.

MOORE, D. S. A estatística básica e sua prática. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

NUNES, T.; BRYANT, P. Crianças fazendo matemática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

SIEGEL, S. Estatística Não-Paramétrica para as ciências do comportamento, São Paulo: McGraw-Hill, 1975, 350 p.

SPINILLO, A. D. O papel de intervenções específicas na compreensão da criança sobre proporção. In: Psicologia: Reflexão e crítica, vol. 15, n. 3, pp. 475-487, 2002.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

RUIZ, B., ARTEAGA, P.; BATANERO, C. Competencias de futuros profesores en la comparación de datos. In L. Serrano (Ed.), Tendencias actuales de la investigación en educación estocástica (pp. 57-74).Málaga: Gráficas San Pancracio, 2009.

WAINER, H. Understanding graphs and tables. Educational Researcher, Washington, v. 21, n.1, p. 14-23, jan./fev. 1992.

WODWOTZKI, M. L. L.; JACOBINI, O. R.; CAMPOS, C. R.; FERREIRA, D. H. L. Temas contemporâneos nas aulas de estatística: um caminho para combinar aprendizagem e reflexões políticas. In: C. E. LOPES, C. Q. e S. OUTINHO; S. A. ALMOULOUD (Orgs.). Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado das Letras, 2010.

Publicado
2018-05-28
Como Citar
CASTRO, J. B. DE; CASTRO FILHO, J. A. DE. Desempenho de estudantes do 5° ano na construção de gráficos de setores: dificuldades e possibilidades pedagógicas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 2, p. 12-31, 28 maio 2018.
Seção
Artigos Gerais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)