O mito da Ciência como verdade absoluta e a perspectiva apresentada por licenciandos em Ciências Biológicas

  • Susane Closs da Silva Roedel Universidade Estadual do Paraná https://orcid.org/0000-0003-2601-4008
  • Alessandra Batista de Godoi Branco Universidade Estadual do Paraná
  • Lucila Akiko Nagashima Universidade Estadual do Paraná
Palavras-chave: Formação docente, Epistemologia, Filosofia

Resumo

Desde a antiguidade, a verdade tem sido mote de inúmeras indagações, reflexões e debates. Fato semelhante ocorre ao abordar seu papel na atividade científica, pois, ao haver validação de uma hipótese pela “ciência”, em inúmeras vezes, esta passa a ser, erroneamente, verdade absoluta para o público geral. Nesse sentido, é muito importante compreender o papel da ciência, o método empregado para sua comprovação e o que concerne em “verdade”, conforme distintas concepções. Assim, o intuito deste trabalho consiste em apontar, de forma sucinta, alguns conceitos aplicados à verdade filosoficamente, como também abordar algumas epistemologias, enfatizando o papel da ciência e os critérios utilizados para sua validação, de acordo com os epistemólogos selecionados. Além disso, o presente trabalho é constituído por uma pesquisa realizada com acadêmicos do curso de licenciatura plena em Ciências Biológicas, onde estes foram questionados acerca da sua opinião quanto à interpretação da ciência como verdade absoluta, com a pretensão de verificar, por meio da análise do discurso, a perspectiva apresentada pelos futuros docentes. Verifica-se que a verdade é indissociável do contexto histórico, da cultura, da filosofia, da crença e da epistemologia que lhe é aplicada. Por ser subjetiva, a existência de uma verdade absoluta é praticamente impossível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susane Closs da Silva Roedel, Universidade Estadual do Paraná

 

 

Referências

ARISTÓTELES. Metafísica. Trad. Yebra, V.G. Madrid: Gredos, 1998. ARENDT, H. A dignidade da política. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

BAUMER, A. L.; BAPTISTA, C.M.F.; PEREIRA, K.; LAWWALL, I. T.; CLEMENT, L. caderno de Física da UEFS, v. 14, n. 1, p. 1603.1-1603.7, 2016.

BILATE, D. Nietzsche, niilismo e verdade. Revista Exagium. v.2. 2008.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Trad.: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. FEYERABEND, P. Contra o Método. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves. 1977.

FRANCELIN, M. M. Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias e paradoxos. Ci. Inf. Brasília, v.33, n. 3, p.26-34, 2004.

G1 EDUCAÇÃO. ‘Pós-verdade’ é eleita a palavra do ano pelo Dicionário Oxford. Disponível em: <http://g1.globo.com/educacao/noticia/pos-verdade-e-eleita-a-palavra-do- ano-pelo-dicionario-oxford.ghtml>. Acesso em: 10 set. 2017

JACOB, F. O rato, a mosca e o homem. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. LYOTARD, J.F. A condição pós-moderna. Lisboa: Gradiva, 1985.

MELO SOBRINHO, N.C. de. Verdade e mentira no sentido extramoral. Comum - Rio de Janeiro, v.6, n. 17, p. 05 a 23, jul./dez. 2001.

MONTAIGNE, M.E. de. Ensaios: livro I. 1877. Compilado por Roberto B. Cappelletti, 2005, 138p. Disponível em: <https://docslide.com.br/documents/ensaios-michel-de- montaigne-livro-i.html>. Acesso em: 27 mar. 2018.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007. 224 p.

MOREIRA, F.S. Linguagem e verdade: A relação entre Schopenhauer e Nietzsche em sobre verdade e mentira no sentido extramoral. Cadernos Nietzsche. São Paulo, 2013. n.33. p 273-299.

NIETZSCHE, F. Acerca da verdade e da mentira no sentido extramoral. Trad. Quadrado, H.H. Relógio d’água, 1873. p. 221.

POZO, J. I.; GÓMEZ CRESPO, M. A. A aprendizagem e o Ensino de Ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Tradução Naila Freitas, 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

PIRES, E.A.C.; SAUCEDO, K.R.R.; MALACARNE, V. Concepções sobre a natureza da ciência de alunos concluintes do curso de Pedagogia. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. v.16. n.2. 2017. p. 215-230.

PRÄSS, A. R. Epistemologia do século XX. 2008. Disponível em: <http://www.fisica.net/monografias/Epistemologias_do_Seculo_XX.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2016.

QUARESMA, S.J. Durkheim e Weber: inspiração para uma nova sociabilidade, o neotribalismo. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. v.2. n.1. 2005. p. 81-89.

RODRIGUES, L.E. O conceito de verdade na crítica da razão pura de Kant. Problemata: R. Intern. Fil. v.2. 2011. p.137-157.

Publicado
2019-12-10
Como Citar
ROEDEL, S. C. DA S.; BRANCO, A. B. DE G.; NAGASHIMA, L. A. O mito da Ciência como verdade absoluta e a perspectiva apresentada por licenciandos em Ciências Biológicas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 6, p. 287-300, 10 dez. 2019.
Seção
Artigos Gerais