A abordagem CTS e a autoscopia trifásica: As reflexões de uma futura professora de Química

  • Géssica Mayara Otto Vacheski Universidade Estadual de Londrina
  • Álvaro Lorencini Júnior Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS), Professor Reflexivo, Formação de Professores em Química

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar as reflexões sobre a prática pedagógica de uma licencianda em Química. Utilizamos o procedimento metodológico de coleta de dados denominada de Autoscopia Trifásica, na qual acompanhamos o planejamento (fase pré-ativa) execução (fase ativa) e a avalição (fase pós ativa), por meio de registros gravados em vídeo, para posterior análise das reflexões. Os resultados obtidos nos permitem inferir que a abordagem de ensino CTS com os seus princípios de contextualização de uma problemática de demanda social ampliada com o procedimento denominado Três momentos pedagógicos auxiliou nas reflexões da licenciada, no sentido de ajustar a sua prática às demandas formativas e cognitivas dos alunos e, implicando em possíveis transformações na sua prática futura. Desse modo, a Autoscopia Trifásica integrada à abordagem CTS e aos Três momentos pedagógicos se mostrou um procedimento adequado na formação de professores reflexivos de Química durante o desenvolvimento dos Estágios Supervisionados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADAMS, F. W.; ALVES, S. D. B.; SANTOS, D. G. dos.; NUNES, S. M. T.; Contribuições de aulas contextualizadas para a formação crítico/reflexiva de alunos da educação básica. REnCiMa, Liberdade, v.7, n.3, p. 01-17, 2016.

AIKENHEAD, G. S. Science-technology-society Science education development: from curriculum policy to student learning. In: CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE ENSINO DE CIÊNCIAS PARA O SÉCULO XXI: ACT - alfabetização em ciência e tecnologia, 1, Brasília, jun. 1990. (mimeografado)

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

AULER, D. Alfabetização científico-tecnológica: um novo “paradigma”? Ensaio: pesquisa em educação em ciências, v. 5, n. 1, p. 1-16, 2003.

AULER, D. Enfoque ciência-tecnologia-sociedade: pressupostos para o contexto brasileiro. Ciência e ensino, v. 1, n. Esp., p. 1-20, 2007.

BAZZO, W. A. Ciência, Tecnologia e Sociedade: e o contexto da educação tecnológica. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1998.

BAZZO, W. A.; PEREIRA, L. T. V.; BAZZO, J. L. S. Conversando sobre educação tecnológica. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

BROIETTI, F. C. D; STANZANI, E. de L. Os estágios e a formação inicial de professores: experiências e reflexões no curso de Licenciatura em Química da UEL. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 38, n. 3, p. 306-317, ago. 2016.

BOURRON, Y.; CHADUC, J. P.; CHAUVIN, M.. L’Image de Soi par la Vidéo: Pratique de l’Autoscopie. Paris: Top Éditions, 1998.

CARVALHO, A. M. P. Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

CLARKE, A. Student-teacher reflection: developing and defining a practice that is uniquely one‟s own. International Journal Science Education, London, v. 16, n. 5, p. 497-509, may. 1994.

CUTCLIFFE, S. Ciencia, tecnología y sociedad: um campo interdisciplinar. In: MEDINA, M.; SANMARTÍN, J. (eds.). Ciencia, tecnología y sociedade: estúdios interdisciplinares en la universidad, en la educación y em la gestión pública. Barcelona: Anthrophos , 1990.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 2000.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

DEWEY, J. Como pensamos. São Paulo: Nacional, 1979

GARCIA, M. I. G.; CEREZO, J. A. L.; LÓPEZ, J. L. L. Ciencia, tecnología y sociedad: una introducción al estudio social de la ciencia y la tecnología. Madrid: Tecnos, 1996.

HOFSTEIN, A. P.; LUNETTA, V. The laboratory science education: Foundation for the twenty- first century. Science Education, v. 88, p. 28-54, 2003.

LINARD, M. Biographie Éducative: une approche multimédia des idées et des personnes. Paris : Institut National de Recherche Pédagogique, 2000

LORENCINI JR., Á. O professor e as perguntas na construção do discurso em sala de aula. 2000. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru: Faculdade de Ciências, v.9, n.2, p.191-211, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Unijuí, 2007. NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 8. ed. São Paulo: Cortez, p. 15-38, 2014.

PINHEIRO, N. A. M. Educação crítico-reflexiva para um ensino médio científico- tecnológico: a contribuição do enfoque CTS para o ensino-aprendizagem do conhecimento matemático. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Programa de Pós- Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

RAMSEY, J. The science education reform movement: implications for social responsibility. Science Education, v. 77, n. 2, p. 235-258, 1993.

ROBERTS, D. A.. What counts as science education? In: FENSHAM, P., J. (Ed.) Development and dilemmas in science education. Barcombe: The Falmer Press, p.27-55, 1991.

ROSA-SILVA, P. O. Estudo das reflexões sobre a ação de uma professora de ciências: um caso de formação continuada. 2008. 188f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2008.

RUBBA, P. A. Integration STS into school science and teacher education: beyond awareness. Theory into Practice, v. 30, n. 4, p. 303-315, 1991.

SADALLA, A. M. F. de A.; LAROCCA, P. Autoscopia: um procedimento de pesquisa e de formação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 419-433, set./dez. 2004.

SAINT-ONGE, M. O ensino na escola: o que é, como se faz. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2001.

SANTOS, W. P. dos; AULER, D. (Org.). CTS e educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisas. Brasília: Editora UnB, 2013.

SANTOS, W. P.; MORTIMER, E. F. Uma Análise de Pressupostos Teóricos da Abordagem C- T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no Contexto da Educação Brasileira. Ensaio, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 133-162, 2000.

SANTOS, W. P; SCHNETZLER, R. P. Educação em Química: Compromisso com a Cidadania. 4. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

SCHÖN, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, p. 79-91, 1992.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.

VASCONCELOS, C. A.; ANDRADE, B. dos S. Abordagem da separação de misturas no ensino fundamental sob o enfoque CTSA visando a contextualização no Ensino de Ciências. REnCiMa, Liberdade, v.8, n.1, p.1-13, 2017.

YAGER, R. Science, technology, society: a major trend in science education. In: UNESCO. New trends in integrated science teaching. Bélgica: UNESCO, p. 44-48, 1990.

YAGER, R. E.; TAMIR, P. STS approach: reasons, intentions, accomplishments, and outcomes. Science Education, v. 77, n. 6, p. 637-658, 1993.

ZOLLER, U.; WATSON, F. G. Technology education for nonscience students in the secondary school. Science Education, v. 58, n. 1, p. 105-116, 1974.

Publicado
2018-09-29
Como Citar
OTTO VACHESKI, G. M.; LORENCINI JÚNIOR, ÁLVARO. A abordagem CTS e a autoscopia trifásica: As reflexões de uma futura professora de Química. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 4, p. 1-20, 29 set. 2018.
Seção
Artigos Gerais