Categorias para o uso educativo de filmes com elementos científicos e tecnológicos

  • Anayra Yule Alcântara Universidade Federal de Ouro Preto
  • Guilherme da Silva Lima Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Educação não-formal, Cinema, Cultura científica, Sociedade, Educação científica

Resumo

Apesar dos esforços da comunidade científica, diversos setores da sociedade permanecem alheios aos conhecimentos, técnicas, práticas sociais e história da Ciência e da Tecnologia. O projeto XXXXXX promove atividades desenvolvidas no âmbito da educação científica por meio da utilização de obras cinematográficas. Num plano mais amplo, o projeto XXXXXX desenvolve ações de educação científica para a sociedade YYYYYYY, que por sua vez é capaz de promover o empoderamento social frente a desafios científicos e tecnológicos da contemporaneidade. O objetivo deste artigo é apresentar aspectos científicos e tecnológicos presentes em filmes com elementos de cientificidade. A partir da análise de conteúdo, foram analisados 14 filmes e propostas 7 categorias de aspectos científicos e tecnológicos abordados pelas obras cinematográficas. O artigo destaca que produções cinematográficas podem ser utilizadas como ferramentas para a apropriação da cultura científica pela sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, R. Cinema e educação: fundamentos e perspectivas. Educação em revista, v. 33, vol.33, e153836, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698153836

ALMEIDA, C.; MASSARANI, L.; MOREIRA, I. C.; As percepções de pequenos agricultores brasileiros sobre os cultivos geneticamente modificados. Ambiente & Sociedade, v.18 n.1, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/1809-4422ASOC891V1812015

ARROIO, A.; FARÍAS, D. M. Possible contributions of Cinema in Natural Science Education to understand how scientists and science works. Problems of education in the 21st century, V. 37, 2011.

BARCA, L. As múltiplas imagens do cientista no cinema. Comunicação & Educação, ano X, nº 1, 2005. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v10i1p31-39

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação/Museu da Vida. Percepção pública da ciência e tecnologia no Brasil : resultados da enquete de 2010. Brasília: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. 2010. Disponível em: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0214/214770.pdf

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Percepção Pública da C&T no Brasil 2015. Brasília: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. 2015. Disponível em: http://percepcaocti.cgee.org.br/

BIANCONI, M. L.; CARUSO, F. Educação Não-Formal. Ciência e Cultura, 57(4): 20-21, 2005.

CASTELFRANCHI, Y.; VILELA, E. M.; LIMA, L. B.; MOREIRA, I. C.; MASSARANI, L. As opiniões dos brasileiros sobre ciência e tecnologia: o „paradoxo‟ da relação entre informação e atitudes. História, Ciências, Saúde – Manguinhos , Rio de Janeiro, v.20, supl., nov. 2013, p.1163-1183. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702013000400005

CUNHA, M. B.; GIORDAN, M. A imagem da ciência no Cinema. Química nova na escola. v. 31, n. 1, 2009. http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc31_1/03-QS-1508.pdf

FABRIS, E. H. Cinema e educação: um caminho metodológico. Educação & Realidade, v. 33, n. 1, 2008. http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/6690

FURNIVAL, A. C.; PINHEIRO, S. M. A percepção pública da informação sobre os potenciais riscos dos transgênicos na cadeia alimentar. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, v.15 n.2, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702008000200003

GERMANO, M. G.; KULESZA, W. A. Popularização da Ciência: uma revisão conceitual. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 24, p. 7-25, 2007. https://doi.org/10.5007/%25x

GOHN, M. G. Educação não formal nas instituições Sociais. Revista Pedagógica, v. 18, n. 39, p. 59-75, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.22196/rp.v18i39.3615

GUIVANT, J. Transgênicos e percepção pública da ciência no Brasil. Ambiente & Sociedade, v.9 n.1, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2006000100005

LIMA, G. S.; GIORDAN, M. Características do discurso de divulgação científica: implicações da dialogia em uma interação assíncrona. Investigações em Ensino de Ciências, v. 22, p. 83-95, 2017. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n2p83

LIMA, G. S.; COSTA JUNIOR, E. ; ROA, D. B. ; RODRIGUES, E. C. ; JAMMAL, N. F. A física como estruturante do conhecimento técnico sob a ótica dos estudantes. Dynamis, v. 23, p. 77-94, 2017. http://dx.doi.org/10.7867/1982-4866.2017v23n1p77-94

HAYNES, R. D. Whatever happened to the „mad, bad‟ scientist? Overturning the stereotype. Public Understanding of Science. 2016, Vol. 25(1), pp. 31-44, 2016. Doi: https://doi.org/10.1177/0963662514535689

JOHNSTON, K. M. Science fiction film: a critical introduction. New York: Berg, 2011.

OLIVEIRA, B. J. Cinema e imaginário científico. História, Ciências, saúde -Manguinhos, v. 13, n. supl, p. 133-150, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702006000500009

PIASSI, M; PIETROCOLA, M. Possibilidades dos filmes de ficção científica como recurso didático em aulas de Física: a construção de um instrumento de análise. In: X Encontro de Pesquisa em Ensino de Física, 2006, Londrina. X Encontro de Pesquisa em Ensino de Física. São Paulo: Sociedade Brasileira de Física, 2006

PIASSI, L. P. C.; PIETROCOLA, M. De olho no futuro: ficção científica para debater questões sócio-políticas de ciência e tecnologia em sala de aula. Ciência & Ensino (UNICAMP. Impresso), v. 1, p. 8, 2007. http://prc.ifsp.edu.br:3535/ojs/index.php/cienciaeensino/article/view/126

PIASSI, L. P. C.; PIETROCOLA, M. Ficção científica e ensino de ciências: para além do método de encontrar erros em filmes. Educação e Pesquisa, v. 35, p. 525-540, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022009000300008

PIASSI, L. P. C. Clássicos do cinema nas aulas de ciências - A física em 2001: uma odisseia no espaço. Ciência & Educação, v. 19, p. 517-534, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132013000300003

POLINO, C.; CASTELFRANCHI, Y. Comunicación pública de la ciencia. Historia, prácticas y modelos. In: AIBAR, E.; QUINTANILLA, M. A. (Orgs.). Enciclopedia Ibero Americana de Filosofía. v. 32: Ciencia, tecnología y sociedad. Madrid: Trotta, 2012, p. 351-378.

RAMOS, J; OLSCHOWSKY, J. As Representações Sociais de Cientistas em Filmes de Animação Infantil. XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2009.

SCALFI, G. A. M.; OLIVEIRA, M. M. Cine y ciencia: un análisis de los estereotipos presentes en la película infantil Frankenweenie, de Tim Burton. Alexandria, v.8, n.2, 2015, p.183-197. http://dx.doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n2p183

XAVIER, C. H. G.; PASSOS, C. M. B.; FREIRE, P. T. C. COELHO, A. A. O uso do cinema para o ensino de física no ensino médio. Experiências em Ensino de Ciências, v. 5, n. 2, p. 93-106, 2010. Disponível em: http://www.pucrs.br/ciencias/viali/tic_literatura/filmes/o_uso_do_cinema.pdf

WATANABE, G.; KAWAMURA, M. R. Um sentido social para a divulgação científica: perspectivas educacionais em visitas a laboratórios científicos. Alexandria, v. 8, p. 209- 235, 2015. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n1p209

WARTHA, E. J. et al. Divulgação e Popularização Científica no Projeto “Ciência sobre rodas” como espaço educativo. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 6, n. 3, p. 113-131, 2015. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/832/805

WEINGART, P. MUHL, C. PANSEGRAU, P. Of power maniacs and unethical geniuses: science and scientists in fiction film. Public Understanding of Science. 12(3), p. 279– 287, 2003. Doi: https://doi.org/10.1177/0963662503123006

Publicado
2019-01-01
Como Citar
ALCÂNTARA, A.; LIMA, G. Categorias para o uso educativo de filmes com elementos científicos e tecnológicos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 1, p. 85-104, 1 jan. 2019.
Seção
Artigos Gerais