A inter-relação entre o tato e o paladar: novas perspectivas para o ensino de deficientes visuais na disciplina de Biologia

  • Dafne Oleiniczak Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha
  • Diovana Gelati de Batista Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha
  • Jaíne Ames Ames Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha
  • Naíma Gabriela da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha.
  • Daniela Copetti Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha
Palavras-chave: Materiais didáticos, Deficientes visuais, Entrevista, Paladar

Resumo

A criação de materiais didáticos para o processo de ensino e aprendizagem de alunos com deficiência visual tem se tornado uma necessidade a medida que é trabalhado nas escolas atualmente o paradigma da educação inclusiva. Este trabalho propõe a criação de um modelo didático para o ensino do paladar em uma turma de ensino médio com um aluno com deficiência visual incluso. Assim, foi elaborado um modelo didático em relevo representando uma língua e suas respectivas áreas sensoriais para o sabor dos alimentos. Posteriormente, foi realizado um momento de experimentação e construção do conhecimento a partir do referido modelo, para o qual foram convidados três estudantes, sendo dois videntes e um deficiente visual. Verificou-se que, tanto para os alunos videntes, quanto para o aluno com a deficiência, o uso deste modelo foi importante para compreender os conceitos abordados. A partir desta pesquisa podemos concluir que, apesar de ainda haverem dificuldades no processo de ensino e aprendizagem de alunos com deficiência visual, existem alternativas simples que podem ser usadas para facilitar este processo.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dafne Oleiniczak, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Estudante do Curso de Ciências Biológicas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha/ Campus Santa Rosa.

Diovana Gelati de Batista, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Estudante do Curso de Ciências Biológicas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha/ Campus Santa Rosa.

Jaíne Ames Ames, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Estudante do Curso de Ciências Biológicas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha/ Campus Santa Rosa.

Naíma Gabriela da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha.

Estudante do Curso de Ciências Biológicas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha/ Campus Santa Rosa.

Daniela Copetti Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Doutora em Ciências Biológicas- Bioquímica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS/2015)

Mestre em Ciências Biológicas pela Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS/2007)

Especialista em Genética e Evolução Biológica pela Universidade de Passo Fundo (UPF/2004)

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ/1999).

Professora efetiva do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha no Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Campus Santa Rosa/RS.

Referências

ARMSTRONG, T. Inteligências múltiplas na sala de aula. Prefácio Howard Gardner. 2.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

BARRETO, C. S. G.; REIS, M. B. F. Educação inclusiva: do paradigma da igualdade para o paradigma da diversidade. Polyphonía, v. 22, n. 1, jan./jun. 2011.

BRANDENBURG, L. E.; LÜCKMEIER, C. A história da Inclusão x Exclusão Social na perspectiva da Educação Inclusiva. Anais do Congresso Estadual de Teologia. São Leopoldo: EST, v. 1, 2013.

BRASIL, LDB. Lei 9394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em dez/2017.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília, 2012.

CARDINALI, S. M. M.; FERREIRA, A. C. A aprendizagem da célula pelos estudantes cegos utilizando modelos tridimensionais: um desafio ético. Revista Benjamin Constant, v. 1, 46, 2010.

GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro, Ed. Elselvier, 2008.

MALVÃO, A. A.; BARCELLOS, C. A. P.; FREITAS, V. A. Educação Inclusiva: a Diversidade faz parte da vida - O papel do professor como protagonista do processo inclusivo. Janus, Lorena, ano 3, n. 4, 2006.

MAZZOTA, M. J. S. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MOREIRA, R.; GAELZER, V.; BATISTA, D. G. de. Relações de língua e subjetividade na determinação da pessoa com deficiência. Infor, Inov. Form., Rev. NEaD-Unesp, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 249-265, 2016.

POLON, M. A. M. Teoria e metodologia do ensino de ciências. Unicentro, 2012.

SÁ, E. D.; CAMPOS, I. M.; SILVA, M. B. C. Atendimento educacional especializado: Deficiência visual. Brasília: Ministério da Educação e Cultura – Secretaria de Educação Especial. 2007.

SILVA, T. S.; LANDIM, M. F.; SOUZA, V. R. M. S. A utilização de recursos didáticos no processo de ensino e aprendizagem de ciências de alunos com deficiência visual. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 13, n. 1, p. 32-47, 2014.

TALEB, A.; FARIA, M. R.; ÁVILA, M.; MELLO, P. A. A. As condições de saúde ocular no Brasil. Conselho Brasileiro de Oftalmologia. 1ª ed. 2012. Disponível em: http://www.cbo.com.br/novo/medico/pdf/01-cegueira.pdf. Acesso em: dez/2017.

UNESCO. Declaração de Salamanca. Conferência Mundial de Educação Especial. Salamanca, Espanha, 1994. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139394por.pdf. Acesso em: dez/2017.

VILARONGA, C. A. R.; CAIADO, K. R. M. Processos de Escolarização de Pessoas com Deficiência. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 19, n. 1, p. 61-78, 2013.

Publicado
2019-10-07
Como Citar
OLEINICZAK, D.; DE BATISTA, D. G.; AMES, J. A.; DA SILVA, N. G.; SANTOS, D. C. A inter-relação entre o tato e o paladar: novas perspectivas para o ensino de deficientes visuais na disciplina de Biologia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 22-31, 7 out. 2019.
Seção
Artigos Gerais