Construindo o protótipo do jogo “Infectando”: o papel do anti-herói aplicado no conceito de doenças

  • Felipe do Espirito Santo Silva-Pires Fundação Oswaldo Cruz
  • Valéria da Silva Trajano Fundação Oswaldo Cruz
  • Tania Cremonini de Araújo-Jorge Fundação Oswaldo Cruz
Palavras-chave: Doenças negligenciadas, Ensino-aprendizagem, Conceitos estruturantes, Jogos educacionais

Resumo

As doenças negligenciadas são enfermidades causadas por agentes infecciosos e parasitários que não despertam interesse comercial nas indústrias farmacêuticas. Ao abordar o conteúdo os professores acabam utilizando a exposição oral e os livros didáticos, mas falta estímulo aos docentes para explorar recursos que possibilitem uma aprendizagem significativa. Numa tentativa de mudar esse cenário construímos um jogo de tabuleiro sobre seis doenças negligenciadas: dengue, tuberculose, hanseníase, malária, leishmaniose e doença de Chagas. Na construção do protótipo participaram 45 estudantes do segundo ano do ensino médio e três professores de biologia, integrantes de uma escola pública estadual do Rio de Janeiro. Eles jogaram e opinaram sobre os aspectos biológico, lúdico e pedagógico do jogo. O conhecimento prévio dos estudantes, o conhecimento construído por eles no fim desse estudo, e as contribuições para a construção do material foram identificadas por meio de questionários. Os participantes aprovaram o jogo, e o material demonstrou potencial como facilitador do processo ensino-aprendizagem. Isso indica que estamos avançando para a proposição de um jogo que possibilitará a construção do conhecimento sobre doenças negligenciadas. Os resultados deste trabalho poderão subsidiar novas estratégias de ensino-aprendizagem, podendo ser estendidos a diferentes temáticas e áreas de conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Editora Plátano, 2003. 467p.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BIZZO, N.; MONTEIRO, P. H. N.; LUCAS, M. B.; BIANCO, A. A. G. Corrected science textbooks and snakebite casualties in Brazil: 1993-2007. Science Education International, v. 23, n. 3, p. 286-298, 2012.

BRASIL. Guia de vigilância em saúde: volume único. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

CARVALHO, J. R. C. Competição e cooperação na educação física escolar. 2. ed. São Paulo: Perse, 2015.

CARVALHO, L. M. T. L.; MONTEIRO C. E. F. Reflexões sobre implementação e uso de laboratórios de informática na escola pública. Roteiro, v. 37, n. 2, p. 343-360, 2012.

CASTRO, M. H. G. Brazil: the role of states and municipalities in the implementation of education policies. In: SCHWARTZMAN, S. (Ed.). Education in South America. London: Bloomsbury Publishing Plc, 2015. p. 496

CEPERJ – FUNDAÇÃO CENTRO ESTADUAL DE ESTATÍSTICAS, PESQUISAS E FORMAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS DO RIO DE JANEIRO. Estado do Rio de Janeiro: Regiões de Governo. Disponível em: <http://www.ceperj.rj.gov.br/ceep/info_ territorios/divis_regional.html>. Acesso em: 05 fev. 2018.

CLEMES, G.; GABRIEL FILHO, H. J.; COSTA, S. Vídeo-aula como estratégia de ensino em física. Rev. Técnico Científica (IFSC), v. 3, n. 1, p. 422-431. 2012.

COSTA, L. D. O que os jogos de entretenimento têm que os educativos não têm: 7 princípios para projetar jogos educativos eficientes. Teresópolis: Ed. Novas Idéias; Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2010. 132 p.

DE SOUZA, W. Doenças negligenciadas. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 2010. 56 p.

DEMO, P. Avaliação qualitativa, 11. ed. São Paulo: Autores Associados, 2015.

EL-HANI, C. N. Uma das coisas boas de estar no tempo é poder olhar para trás. In: BORGES, R. M. R. (Org.). Filosofia e história da ciência no contexto da educação, vivência e teorias. Porto Alegre: PUC/RS, 2007. p. 168-194.

FERREIRA, C. P.; MEIRELLES, R. M. S. Avaliação da metodologia participativa na elaboração de um jogo: uma forma de trabalhar com a transversalidade construindo conhecimento e contribuindo para a promoção da saúde. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, n. 2, p. 275-292, 2015.

GAGLIARDI, R. Los conceptos estructurales en el aprendizaje por investigación. Enseñanza de las ciencias, v. 4, n. 1, p. 30-35, 1986.

GAMESPOT. Game of the year 2013. Disponível em: <http://www.gamespot.com/game- of-the-year-2013/>. Acesso em: 05 fev. 2018.

GARCIA, L. P.; MAGALHÃES, L. C. G.; ÁUREA, A. P.; SANTOS, C. F.; ALMEIDA, R. F. TD 1607 - Epidemiologia das Doenças Negligenciadas no Brasil e Gastos Federais com Medicamentos. Disponível em:<http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1607.pdf>. Brasília: IPEA, 2011. 66 p.

GOWIN, D. B. Educating. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press, 1981. 210 p.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Cengage Learning, 2016. 72 p.

KOSTER, R. A theory of fun for game design. 2. ed. Sebastopol: O'Reilly Media, 2013. 279 p.

MELCHIADES, A. F.; SILVA, M. S. V. Processo de inclusão social por meio dos jogos competitivos. Horizontes – Revista de Educação, v. 4, n. 8, 2016.

MURRAY, N. E. A.; QUAM, M. B.; WILDER-SMITH, A. Epidemiology of dengue: past, present and future prospects. Clinical Epidemiology, v. 5, n. 1, p. 299–309, 2013.

NETO, J. J. S.; JESUS, G. R.; KARINO, C. A.; ANDRADE, D. F. Uma escala para medir a infraestrutura escolar. Estudos em Avaliação Educacional, v. 24, n. 54, p. 78-99, 2013.

NOVAK, J. D. A theory of education: meaningful learning underlies the constructive integration of thinking, feeling, and acting leading to empowerment for commitment and responsibility. Aprendizagem Significativa Em Revista, v. 1, n. 2, p. 1-14, 2011.

PEDROSO, E. R. P.; ROCHA M. O. C. Infecções emergentes e reemergentes. Revista Medica Minas Gerais. v. 19, n. 2, p. 140-150. 2009.

REBERTE, L. M.; HOGA, L. A. K.; GOMES, A. L. Z. O processo de construção de material educativo para a promoção da saúde da gestante. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 20, n. 1, p. 101-108, 2012.

RODRIGUES, V. S.; PICCOLI, L. F. H.; EIDAM A. “Agora eu era herói”: leitura de HQs e o conceito de heroísmo como bases para um projeto interdisciplinar. Cadernos do Aplicação, v. 23, n. 2, 2010.

SEEDUC-RJ – SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO. Currículo Mínimo 2012: Ciências e Biologia. Rio de Janeiro: Governo do Estado do Rio de Janeiro, 2012.

SILVA-PIRES, F. E. S.; TRAJANO, V. S.; ARAÚJO-JORGE, T. C. Neglected Diseases in Brazilian Biology Textbooks. American Journal of Educational Research, v. 5, n. 4, p. 438-442, 2017.

SOUZA, L. M.; MORAIS, R. L. G. L.; OLIVEIRA, J. S. Direitos sexuais e reprodutivos: influências dos materiais educativos impressos no processo de educação em sexualidade. Saúde em Debate, v. 39, p. 683-693, 2015.

Publicado
2019-01-01
Como Citar
SILVA-PIRES, F.; TRAJANO, V.; ARAÚJO-JORGE, T. Construindo o protótipo do jogo “Infectando”: o papel do anti-herói aplicado no conceito de doenças. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 1, p. 65-84, 1 jan. 2019.
Seção
Artigos Gerais