Avaliação e validação do jogo didático “Desafio Ciências – sistemas do corpo humano” como ferramenta para o Ensino de Ciências

  • Rosa Cristina Costa Universidade Federal Fluminense
  • Jean Carlos Miranda Universidade Federal Fluminense
  • Glaucia Ribeiro Gonzaga Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Atividade Lúdica, Ensino-Aprendizagem, Corpo Humano, Recurso Didático

Resumo

O presente trabalho objetivou a produção, avaliação e validação do jogo didático “Desafio Ciências – Sistemas do Corpo Humano”, como uma ferramenta para o ensino deste tema. O jogo foi aplicado a 25 alunos do 8º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal “Escola Viva” Professora Edy Belloti (Santo Antônio de Pádua/RJ). Como forma de avaliação da qualidade e eficiência do jogo foram desenvolvidos e aplicados três questionários, dois com função avaliativa e um de função ergométrica. O primeiro, com função avaliativa, foi utilizado para sondagem do conhecimento prévio dos alunos acerca do conteúdo; o segundo, também com função avaliativa, foi aplicado após a utilização do jogo e avaliou o quanto os alunos aprenderam com a atividade; e o terceiro, empregado para análise ergométrica no quesito usabilidade, teve como objetivo verificar a opinião dos alunos sobre a estética e funcionalidade do jogo. Os resultados obtidos sugerem que o jogo didático desenvolvido é eficiente na proposta a que se destina, de forma que podemos considera-lo adequado como ferramenta de apoio no processo ensino-aprendizagem do conteúdo abordado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosa Cristina Costa, Universidade Federal Fluminense

Licenciada em Ciências Naturais (UFF).

Jean Carlos Miranda, Universidade Federal Fluminense

Licenciado em Ciências Biológicas (UERJ). Mestre em Biologia (UERJ). Doutor em Ciências (UERJ). Professor do Departamento de Ciências Exatas, Biológicas e da Terra (UFF).

Glaucia Ribeiro Gonzaga, Universidade Federal Fluminense

Licenciada em Química (UENF). Mestre em Ciências Naturais (UENF). Doutoranda em Educação em Ciências (UFRGS). Professora do Departamento de Ciências Exatas, Biológicas e da Terra (UFF). 

 

Referências

ALMEIDA, P. N. Dinâmica lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola. 1974.

ANTUNES, C. Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências. Petrópolis: Vozes, 2014.

BABO, R. M. G. F. B. A avaliação da Usabilidade de um Sistema. Dissertação de Mestrado. Escola de Engenharia, Universidade do Minho, Braga. 1996.

BERARDINELI, A. R.; RIBEIRO, V. L. Por que um simpósio de ensino de Ciências? In: Simpósio de ensino de ciências experimentais. Memória. São Paulo: IBECC, p. 37-42. 1982.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: Ministério da Educação – MEC, Secretaria de Educação Fundamental, 1997.

BRITO, F. de M.; SÃO-JOSÉ, M. G. de; TERESA, F. B.; ONDEI, L. de S. Dinamizando e motivando o aprendizado escolar por meio de jogos pedagógicos. Holos, v. 31, n. 2, p. 264-272, 2015.

CADORIN, C. T.; MORANDINI, L. P. Olhar psicopedagógico na prática da ludicidade. Revista de Educação do IDEAU v. 9, n. 20, p. 1-13, 2014.

CANDIDO, C.; PRAMPERO, A. C.; SOARES, C. A. P.; GOMES, T. H. P. Recursos no ensino e aprendizagem: elaboração de um material didático sobre o tema Artrópodes destinados a alunos do Ensino Fundamental e Médio. Cadernos da Pedagogia, v. 5, n. 10, p. 83-91, 2012.

CARMO, S. D.; FRAQUETTA, F.; ZANATTA, S. C. PIBID: Estímulo à formação dos professores de Ciências. In: I Encontro de Iniciação a Docência / PIBID: Ensino Superior, Formação Docente e Educação Básica, Paranavaí. Anais... p. 402-410, 2011.

CASAS, L. L.; AZEVEDO, R. O. M. Contribuições do jogo didático no ensino de embriologia. Revista ARETÉ, v. 4, n. 6, p. 80-91, 2011.

COSTA, L. D. O que os jogos de entretenimento têm que os educativos não têm: 7 princípios para projetar jogos educativos eficientes. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 132 p., 2010.

COSTA, R. C.; GONZAGA, G. R.; MIRANDA, J. C. Desenvolvimento e validação do jogo didático 'Desafio Ciências - Animais' para utilização em aulas de ciências no Ensino Fundamental Regular. Revista da SBEnBIO, v. 9, p. 9-20, 2016.

CUNHA, M. B. Jogos de Química: Desenvolvendo habilidades e socializando o grupo. In: Encontro Nacional de Ensino de Química, Goiânia/GO, Universidade Federal de Goiás, 2004. Anais..., p. 028, 2004.

FIALHO, N. N. Jogos no Ensino de Química e Biologia. Curitiba: IBPEX, 2007.

FIALHO, N. N. Os jogos pedagógicos como ferramentas de ensino. 2008. Disponível em: https://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/293_114.pdf. Acesso: fev. 2017.

FRIEDMANN, A. Brincar: crescer e aprender - o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

HUIZINGA, J. Homo Ludens. Tradução de J.P. Monteiro. São Paulo: Perspectiva. 1971

JANN, P. N.; LEITE, M. de F. Jogo do DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de ciências e biologia. Ciências & Cognição, v. 15, n. 1, p. 282-293, 2010.

KAUARK, F.; MUNIZ, I. Motivação no ensino e na aprendizagem: competências e criatividade a prática pedagógica, 2 ed., Rio de Janeiro: Wak Ed., 2011.

KISHIMOTO, T. M. O Brinquedo na Educação: considerações históricas. São Paulo: FDE, 1990.

KISHIMOTO, T. M. (Org.) Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. 14 ed., São Paulo: Cortez, 2011.

KLEINKE, R. de C.M. Aprendizagem significativa: a pedagogia por projetos no processo de alfabetização. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, 2003.

KRASILCHIK, M. Inovação no ensino de Ciências. In: GARCIA, W.E. (Org.) Inovação educacional no Brasil: Problemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, p.164-180, 1980.

LIMA, L. de O. Piaget para principiantes, 2 ed., São Paulo: Summus, 1980.

MACEDO, L. de; PETTY, A. L. S.; PASSOS, N. C. Aprender com jogos e situações- problemas. São Paulo: Artmed, 2007.

MAGALHÃES, M. A. B de. Novas tecnologias para o ensino das Ciências: Condicionantes de sua utilização na sala de aula. Rio de Janeiro: PUC-RJ (Dissertação de Mestrado) Pontifícia Universidade Católica do Rio e Janeiro, 1979.

MAGNANI, E. M. O brincar na pré-escola: um caso sério? Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação da Unicamp, Campinas, SP, 1998.

MARINHO, S. P. P. Integração da universidade como ensino de 1º grau – quando a universidade aprende (ou insiste em não aprender). In: MEC/SESu (Org.) Reflexões sobre o Programa de integração da universidade com o ensino de 1º grau. Brasília: MEC/SESu, p. 36-44, 1984.

MARTINS, A.I.; QUEIRÓS, A.; ROCHA, N.P.; SANTOS, B.S. Avaliação de Usabilidade: Uma Revisão Sistemática da Literatura. Revista Ibérica de Sistemas e Tecnologias de Informação, v. 11, p. 31-43, 2013.

MARTINS, I. C. P.; BRAGA, P. E. T. Jogo didático como estratégia para o ensino de divisão celular. Essentia, v. 16, n. 2, p. 1-21, 2015.

MEISTER, J. C. Educação Corporativa: A gestão do Capital Intelectual através das Universidades Corporativas. São Paulo: Pearson Makron Books, 1999.

MIRANDA, J. C.; GONZAGA, G. R.; COSTA, R. C. Produção e Avaliação do Jogo Didático “TAPA ZOO” como Ferramenta para o Estudo de Zoologia por alunos do Ensino Fundamental Regular. Holos, v. 4, p. 383-400, 2016.

MIRANDA, J. C.; GONZAGA, G. R.; COSTA, R. C.; FREITAS, C. C. C.; CORTES, K. C. Jogos didáticos para o ensino de Astronomia no Ensino Fundamental. Scientia Plena, v. 12, p. 1-11, 2016.

MIRANDA, S. de. No Fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje, v. 28, n. 168, p. 64-66. 2001.

MOISÉS, H. N. O corpo humano: nossa vida na Terra, 8º ano, 3 ed., São Paulo: IBEP, 2012.

NETO, C. A. F. Motricidade e jogo na infância. Rio de Janeiro: Sprint, 2001.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho imagem e representação, 3 ed., Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

PIAGET, J.; FRAISSE, P. Tratado de Psicologia Experimental: Psicofisiologia do comportamento. Trad.: Agnes Cretella. Rio de Janeiro: Forense, 1969.

QUESADA, B. Conheça a história do uso dos jogos na educação. Arte e Cultura. Revista Educação, 2016. Disponível em: <http://www.revistaeducacao.com.br/conheca-a-historia-do-uso-dos-jogos-na-educacao/>. Acesso em: jun. 2017.

RODRIGUES, M. O desenvolvimento do pré-escolar e o jogo. Petrópolis-RJ: Vozes, 2001.

ROUSSEAU, J. J. Emílio, ou da Educação. São Paulo: Ed. Difusão Europeia do Livro, 1968.

SANTANA, O. A. Ciências Naturais, 8º ano, 3 ed., São Paulo: Saraiva, 2009.

SANTOS, S. M. P. O lúdico na formação do educador. 8ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2010.

SANTOS, V. R. Jogos na escola: os jogos nas aulas como fermenta pedagógica. Petrópolis/RJ: Vozes, 2014.

SILVEIRA, S. R.; BARONE, D. A. C. Jogos educativos computadorizados utilizando a abordagem de algoritmos genéticos. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de informática. Curso de Pós-Graduação em Ciências da Computação, 1998.

SOUZA, D. G.; SANTOS, C. A. C.; MIRANDA, J. C. A atuação do PIBID na preparação de alunos para participação em olímpiadas escolares. In: III Encontro Regional de Ensino de Biologia. Anais... Juiz de Fora, 2015.

STERN, I. Ciências no século XXI: 8º ano, 2 ed., São Paulo: Saraiva, 2012.

TRIVELLATO Jr, J.; TRIVELLATO, S. L. F.; MOTOKANE, M. T.; LISBOA, J. C. F.; KANTOR, C. A. Ciências, Natureza & Cotidiano, 8º ano, 2 ed., São Paulo: FTD, 2012.

VALLE, T. G. M. Práticas educativas: criatividade, ludicidade e jogos. In: Práticas em educação especial e inclusiva na área da deficiência mental. Vera Lúcia Messias Fialho Capellini (org.). Bauru: MEC/FC/SEE, 2008.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S. O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
COSTA, R. C.; MIRANDA, J. C.; GONZAGA, G. R. Avaliação e validação do jogo didático “Desafio Ciências – sistemas do corpo humano” como ferramenta para o Ensino de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 5, p. 56 - 75, 18 dez. 2018.
Seção
Artigos Gerais