Nas ondas da Insubordinação Criativa: uma interface entre a Educação Estatística e a Biblioteconomia

  • Camila Rubira Silva Universidade Federal do Rio Grande
  • Suzi Samá Universidade Federal do Rio Grande
Palavras-chave: Ensino de Estatística, Biblioteconomia, Insubordinação Criativa

Resumo

Nossa prática pedagógica e investigativa tem demostrado a necessidade de romper a fragmentação do conhecimento, em prol do diálogo e da interface entre as ciências. Como um caminho para esta ruptura, neste artigo, objetivamos refletir acerca de nosso ser/fazer docente na procura por pautar a proposta pedagógica da disciplina de Estatística Descritiva na interface desta com o Curso de Biblioteconomia. Instigadas por Beatriz D’Ambrosio e Celi Lopes, aventuramo-nos a mergulhar nas ondas da insubordinação criativa para a tomada de consciência deste ser/fazer docente. Para tanto, fundamentamo-nos na Teoria da Biologia do Conhecer, a qual destaca a importância da promoção de um espaço de convivência onde os saberes e contextos dos estudantes sejam legitimados. A partir das manifestações desses sujeitos sobre a rota pedagógica da disciplina, percebemos uma articulação entre os conceitos estatísticos e outros que integram as demais disciplinas do Curso. Esta proporcionou a criação de um ambiente de aprendizagem que possibilitou a compreensão da importância da Estatística no Curso, na futura profissão e na própria vida. Assim, convidamos outros docentes a navegar nas ondas da insubordinação criativa, a fim de promover a interface entre o conhecimento estatístico e o contexto acadêmico do estudante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Carlos Alberto. Bibliometria: evolução história e questões atuais. Em Questão, Porto Alegre - RS, v. 12, n. 1, p.11-32, jan./jun. 2006.

BECKER, F. Modelos pedagógicos e modelos epistemológicos. In: BECKER, F. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed, p. 15-32, 2001.

BECKER, F. A Epistemologia do Professor: o cotidiano da escola. 13 ed., Petrópolis - RJ: Vozes, 2012.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas psicol., Ribeirão Preto, v. 21, n. 2, p. 513-518, dez. 2013. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.9788/TP2013.2-16>. Acesso em: jun. 2017.

D'AMBROSIO, U. Insubordinação Criativa na Educação e na Pesquisa: das disciplinas à transdisciplinaridade. In: D'AMBROSIO, B.; LOPES, C. (Org.) Vertentes da Subversão na produção Científica em Educação Matemática. Insubordinação Criativa. Campinas, SP: Mercado de Letras, p. 17-42, 2015.

D'AMBROSIO, B.; LOPES, C. Insubordinação Criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, Rio Claro - SP, v. 29, n. 51, p.1-17, abr. 2015a.

D'AMBROSIO, B.; LOPES, C. (Org.) Vertentes da Subversão na produção Científica em Educação Matemática. Insubordinação Criativa. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015b.

D'AMBROSIO, B.; LOPES, C. Trajetórias de Educadoras Matemáticas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2014.

D'AMBROSIO, B.; LOPES, C. CORRÊA, S. A. A Insubordinação Criativa em Educação Matemática Promove a Ética e a Solidariedade. Zetetiké, Campinas - SP, v. 24, n. 3, p. 287- 300, set./dez.2016.

KANNO, M. Infografe: Como e porque usar infográficos para criar visualizações e comunicar de forma imediata e eficiente. São Paulo: Edição eletrônica, 2013.

MATURANA, H. A ontologia da realidade. Belo Horizonte: Editora: UFMG, 1997.

MATURANA, H. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Editora: UFMG, 2001, 203p.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Editora: UFMG, 2002, 98p.

MATURANA, H. El Sentido de lo Humano. Buenos Aires: Granica; Juan Carlos Sáez, 2010.

MATURANA, H. R.; VARELA, F. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. 5ªed., São Paulo: Palas Athena, 2005.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis – RJ: Vozes, 2001. 80 p.

Projeto Político Pedagógico do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Rio Grande, 2015.

RODRIGUES, M.; GUIMARÃES, J. A dimensão pedagógica da pesquisa nos cursos de biblioteconomia do mercosul: reflexões sobre uma trajetória de harmonização curricular. Transinformação, v. 15, n. 2, p. 149-163, 2003. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/366>. Acesso em: abril, 2017.

SAMÁ, S. P. Carta de navegação: abordagem multimétodos na construção de um instrumento para compreender o operar da modalidade a distância”. Tese (Doutorado). Rio Grande: FURG, 2012.

SILVA, J. F. SCHIMIGUEL, J. Uso das tecnologias de informação e comunicação como contribuição à Educação Estatística no Ensino Superior. REnCiMa, Edição Especial: IV Encontro de Produção Discente, v. 6, n. 1, p. 64-74, 2015.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educ. Soc., v. 21, n. 73, p. 209-244, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v21n73/4214.pdf>. Acesso em: maio 2017.

VENDRAMINI, M.; BRITO, M. Relações entre atitude, conceito e utilidade da Estatística. Psicologia Escolar e Educacional, v. 5, n. 1, p. 59-73, 2001.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
SILVA, C. R.; SAMÁ, S. Nas ondas da Insubordinação Criativa: uma interface entre a Educação Estatística e a Biblioteconomia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 4, p. 228-242, 21 dez. 2017.
Seção
Artigos Gerais