Insubordinação Criativa: grupo de discussão Currículo e Avaliações

  • Leandro de Oliveira Souza Universidade Federal de Uberlândia
  • Gabriela Félix Brião Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Insubordinação Criativa, Educação Matemática, Justiça Social

Resumo

A insubordinação criativa no âmbito da Educação Matemática é um campo recente de estudos, que tem se consolidado de forma promissora. No Brasil, na cidade de São Paulo, ocorreu em 2017 a 1st International Conference on Creative Insubordination in Mathematics Education (ICOCIME). Além de workshops, palestras e apresentação de pôsteres, os trabalhos foram divididos em cinco grupos de discussão (GD) para estudar temáticas e vertentes a partir da Insubordinação Criativa. Este texto aborda o trabalho de dois deles, que discutem a Insubordinação Criativa no currículo e nas avaliações: sem estipular quadros teóricos, conceitos, delimitações ou generalizações, busca-se analisar e compreender o conteúdo das discussões nesses grupos; apresentam-se indagações que ali emergiram e faz-se uma análise com uma perspectiva filosófica.  Além de falas que ocorreram durante as discussões, apresentam-se contextos, leituras e interpretações e relatam-se conflitos cognitivos que potencialmente podem subsidiar novas investigações. O resultado procura estabelecer paradigmas no cerne da tentativa de compreender a Insubordinação Criativa como objeto de estudo científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARRAHER, T.; CARRAHER, D.; SCHLIEMANN, A. Na vida dez; na escola zero: os contextos culturais da aprendizagem da matemática. Cadernos de Pesquisa – Fundação Carlos Chagas, São Paulo, v. 42, p. 79-86, 1982.

CHARLOT, B. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Educação e Contemporaneidade – Revista da FAEEBA, Salvador, v. 17, n. 30, p. 17-31, 2008.

D’AMBROSIO, U. The role of mathematics in building a democratic and just society. For the Learning of Mathematics - An International Journal of Mathematics Education, Montreal, Canada, v. 10, n. 3, p. 20-23, 1990.

D’AMBROSIO, B. S.; LOPES, C. E. Trajetórias profissionais de educadoras matemáticas. Campinas - SP: Mercado de Letras, 2014.

D’AMBROSIO, B. S.; LOPES, C. E. Insubordinação criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, Rio Claro, SP, v. 29, n. 51, p. 1-17, abr. 2015a.

D’AMBROSIO, B. S.; LOPES, C. E. Ousadias criativas nas práticas de educadores matemáticos. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015b.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GUTIÉRREZ, R. Embracing the inherent tensions in teaching mathematics from an equity stance. Democracy and Education, Portland, v. 18, n. 3, p. 9-16, 2009.

HAYNES, E.; LICATA, J. Creative insubordination of school principals and the legitimacy of the justifiable. Journal of Educational Administration, Bingley - Inglaterra, v. 33, n. 4, p. 21-35, 1995.

LARROSA, J. B. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Campinas - SP: Autores Associados; ANPED, n. 19, p. 20-28, jan./fev./mar./abr. 2002.

MONTEZUMA, L. Entre fios e teias de formação: narrativas de professoras que trabalham com matemática nos anos iniciais – constituição da docência e os desafios da profissão na educação pública estadual paulista frente aos programas de governo no período de 2012 a 2015. 2016. 327 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

MORRIS, V. C. et al. The urban principal. Discretionary decision-making in a large educational organization. 1981. Disponível em: <http://eric.ed.gov/?id=ED207178>. Acesso em: 28 set. 2017.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
SOUZA, L. DE O.; BRIÃO, G. F. Insubordinação Criativa: grupo de discussão Currículo e Avaliações. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 4, p. 147-156, 21 dez. 2017.
Seção
Artigos Gerais