Histórias, trajetórias e Insubordinação Criativa

  • Antonio Carlos de Souza Universidade Estadual Paulista
  • Daiane Silva Assunção Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Subversão responsável, Educação Infantil, Educação Matemática, Educação Estatística

Resumo

Ousar é dar asas às suas convicções, é buscar respostas ao que não entende, é enfrentar o que lhe causa estranhamento. É se permitir e ir em frente. Este artigo surgiu das reflexões de um educador matemático sobre parte de sua trajetória profissional. Apresenta o início de sua carreira docente, marcada por episódios de insubordinação criativa, chegando à sua atuação no ensino superior onde sua trajetória se cruza com a trajetória de uma de suas alunas que, mesmo estando em um curso de formação de professores de Matemática, aceitou o desafio de participar de um projeto envolvendo um grupo de crianças da Educação Infantil. O projeto teve como contexto a literatura infantil e a partir das histórias contadas para as crianças foram abordadas algumas ideias matemáticas e estatísticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, A. S. A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. 6ª Edição. Cotia: Ateliê Editorial, 2003.

ANDRADE, D. O. Contando histórias: produção/mobilização de conceitos na perspectiva da resolução de problemas em matemática. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade São Francisco, Itatiba. 2007.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria Fundamental de Educação. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

CASTRO, J. P.; RODRIGUES, M. Sentido de número e organização de dados: textos de apoio para educadores de Infância. Lisboa: Ministério da Educação, 2008.

CAZORLA, I. M.; UTSUMI, M. C. Reflexões sobre o ensino de Estatística na Educação Básica. In: CAZORLA, I. M.; SANTANA, E. (Org.). Do tratamento da informação ao letramento estatístico. Itabuna: Via Literarum, 2010.

CEBOLA, G. Do número ao sentido do número. In: ENCONTRO DE INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11, 2002, Coimbra, Actas... Coimbra, p. 223-239, 2002.

COELHO, N. N. Literatura Infantil: teoria, análise, didática. 7ª Edição. São Paulo: Moderna. 2000.

COSTA, A.; NACARATO, A. M. A Estocástica na Formação do Professor de Matemática: percepções de professores e de formadores. Bolema, Rio Claro, v. 24, n. 39, p. 367-386, ago. 2011.

D’AMBROSIO, B.; LOPES, C. E. Insubordinação Criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, Rio Claro, v. 29, n. 51. 2015.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

LOPES, C. E. O conhecimento profissional dos professores e suas relações com estatística e probabilidade na educação infantil. 2003. 290 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

LOPES C. E.; D’AMBROSIO, B. S.; CORRÊA, S. A. A Insubordinação Criativa em Educação Matemática Promove a Ética e a Solidariedade. Zetetiké, Campinas - SP, v. 24, n. 3, p. 287-300, set./dez. 2016.

MAGALHÃES, M. N.; LIMA, A. C. P. Noções de probabilidade e estatística. São Paulo: Edusp, 2005.

MEGID, M. A. B. A. Insubordinação criativa consentida e esperada na formação de professores dos anos iniciais. In: D’AMBROSIO, B. S.; LOPES, C. E. (Org.). Ousadia criativa na prática de educadores matemáticos. Campinas: Mercado de Letras, 2015.

NACARATO, A. M. Educação continuada sob a perspectiva da pesquisa-ação: currículo em ação de um grupo de professoras ao aprender ensinando Geometria. Tese (Doutorado)–Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 2000.

NEUENFELDT, A. E. Matemática e Literatura Infantil: sobre limites e possibilidades de um desenho curricular interdisciplinar. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. 2006.

NUNES, C. M. F. Saberes docentes e formação de professores: Um breve panorama da pesquisa brasileira. Educação & Sociedade, ano XXII, n. 74, abr. 2001.

PAMPLONA, A. S.; CARVALHO, D. L. A Educação Estatística e as relações de poder em comunidades de prática. Bolema, Rio Claro, v. 24, n. 39, p. 351-366, ago. 2011.

PONTE, J. P. (Ed.). Educação matemática: temas de investigação. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, p. 185-239, 1992.

SOUZA, A. C. A Educação Estatística na Infância. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo. 2007.

SOUZA, A. C. O desenvolvimento profissional de Educadoras da Infância: uma aproximação à Educação Estatística. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo. 2013.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
SOUZA, A. C. DE; ASSUNÇÃO, D. S. Histórias, trajetórias e Insubordinação Criativa. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 4, p. 120-132, 21 dez. 2017.
Seção
Artigos Gerais