Diferença e Insubordinação Criativa: negociando sentidos com a avaliação

  • Maria Isabel Ramalho Ortigão Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Renata Leite de Oliveira UERJ e Rede Municipal de Nova Iguaçu
Palavras-chave: Avaliação da Aprendizagem, Diferença, Insubordinação Criativa

Resumo

O presente texto tem por objetivo provocar uma reflexão sobre a temática da avaliação e diferença, negociando sentidos com as práticas de insubordinação criativa que emergem nos espaços escolares e ressignificam concepções educacionais, curriculares e avaliativas. Nossa perspectiva rompe com discursos normativos que buscam estabelecer critérios onde todos são avaliados da mesma maneira, desconsiderando as individualidades de cada sujeito. O processo avaliação-ensino-aprendizagem é desafiador e perpassa por concepções sobre educação, valores, políticas públicas e pelo próprio ato de avaliar. Uma concepção avaliativa que se baseia em um sujeito padrão, ou em um único perfil de aluno, exclui as diferenças e desconsidera a flexibilização curricular e avaliativa. Defendemos processos avaliativos com caráter mais formativo e processual, que amplie o olhar referente à aprendizagem, auxiliando o educador a traçar novas estratégias e práticas de acordo com cada contexto educacional. Acreditamos que por mais que existam tentativas de controle e de padronização tanto na avaliação e no currículo, como em relação a docentes e alunos, sempre haverá tentativas de escape da normatização. Desse modo enfatizamos o conceito de insubordinação criativa como estratégia e possibilidade de novas leituras educativas em prol das diferenças, que integram o ambiente escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRANTES, P. Avaliação e educação matemática. Rio de Janeiro: Universidade Santa Ursula/GEPEM, p. 16, sem data.

AFONSO, A. J. Estado, políticas educacionais e obsessão avaliativa. Revista Contrapontos, Itajaí, v. 7, n. 1, p. 11-22, 2007.

AFONSO, A. J. Nem tudo o que conta é mensurável ou comparável. Crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 13, n.1, p. 13-29, 2009.

ANYON, J. Social class and the hidden curriculum at work. Journal of Education, Boston, v. 162, n. 1, p. 67-92, 1980.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BROOKE, N. (Org.) Marcos Históricos na Reforma da Educação. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

BURIASCO, R. L. C. de. Análise da produção escrita: a busca do conhecimento escondido. In: ROMANOWSKI, J. P.; MARTINS, P. L. O.; JUNQUEIRA, S. A. (Org). Conhecimento local e conhecimento universal: a aula e os campos do conhecimento. Curitiba: Champagnat, p. 243-251, 2004.

CARNOY, M., GOVE, A. K. & MARSHALL, J. H. Cuba’s Academic Advantage. Why students in Cuba do better in school. Board of Trustees of the Leland Stanford Junior University. California: Stanford University Press, 2007.

D'AMBROSIO B. S.; LOPES C. E. Insubordinação Criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema. Rio Claro (SP), v. 29, n. 51, p. 1-17, abr. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bolema/v29n51/1980-4415-bolema-29-51-0001.pdf>. Acesso em: 15/07/2017.

ESTEBAN, M.T. Diferença, aprendizagens e avaliação: perspectiva pós-colonial. In: ESTEBAN e AFONSO (Orgs.). Olhares e Interfaces. Reflexões críticas sobre a avaliação. São Paulo: Ed. Cortês, p. 45-70, 2010.

FERNANDES, D. Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: questões teóricas, práticas e metodológicas. In: ALVES, M. P.; DE KKETELE, JM. (Orgs.). Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo. (Coleção Educação e Formação). Porto/Portugal: Porto Editora, p. 131-142, 2011.

FERNANDES, D. Avaliar para Aprender. Fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

FERNANDES, D. Para uma teoria da avaliação no domínio das aprendizagens. Estudos em Avaliação Educacional. v. 19, n. 41, set./dez. 2008.

FRANCO, C., SZTAJN, P. e ORTIGÃO, M I R. Mathematics teachers, reform and equity: results from the Brazilian national assessment. Journal for Research in Mathematics Education, Reston, v. 38, n. 4, p. 393-419, 2007.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, v. 119, p. 379-404, 2012. Retirado de: <http://www.scielo.br/pdf/es/v33n119/a04v33n119.pdf>.

LEE, V. & SMITH, J. B. Tamanho da Escola: qual é o mais efetivo e para quem? Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, p. 77-121, 2002. Retirado de: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/2192>.

LOPES, A. C. e MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LUBIENSKI, C., & LUBIENSKI, S. The public school advantage: why public scholls outperform private schools. Chicago: The University of Chicago Press, 2004.

MOREIRA, A. F. B. Currículo e gestão: propondo uma parceria. Ensaio, v. 21, n. 80, p. 547- 562, 2013.

ORTIGÃO, M. I. R. Práticas avaliativas em matemática na escola básica. In: XII Colóquio sobre Questões Curriculares, VIII Colóquio Luso-Braslieiro, 2016, Recife: ANPAE, v. 1, p. 880-889, 2016.

ORTIGÃO, M. I. R. e PEREIRA T. V. Homogeneização curricular e o sistema de avaliação nacional brasileiro: o caso do estado do Rio de Janeiro. Educação Sociedade & Cultura. (Edição especial: Avaliação das escolas: políticas, perspectivas e práticas), 2016. Disponível em: <http://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/ESC47Maria.pdf>. Acesso em 10/09/2016.

ORTIGÃO, M. I. R., FRANCO, C., F. e CARVALHO, J. B. P. A distribuição social do currículo de matemática: quem tem acesso a tratamento da informação? Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 249–273, 2007. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/viewFile/904/597>. Acesso em: 10/08/2017.

POPKEWITZ, T. Números em grades de inteligibilidade dando sentido à verdade educacional. In: TURA, M. L.; G, M. M. (orgs.) Currículo, políticas e ação docente. Rio de Janeiro, EdUERJ, 2013.

RAVITCH, D. Vida e morte do grande sistema escolar americano: Como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SAMPAIO, C. S. Relações de aprendizagem (e ensino) na escola de Ensino Fundamental: (in)temporalidades da participação na avaliação pedagógica. In: ESTEBAN, M. T.; AFONSO, A. J. (Orgs.). Olhares e Interfaces – Reflexõs críticas sobre a avaliação. São Paulo: Cortez, p. 71-95, 2010.

SCHEERENS, J. Review and meta-analyses of school and teaching effectiveness. Book Report. Department of Educational Organization and Management University of Twente. The Netherlands, 2005. Retirado de: <https://www.utwente.nl/bms/omd/Medewerkers/artikelen/scheerens/rev-meta- analysis2007.PDF>.

SHEPARD, L. The role classroom assessment in teaching and learning. In: RICHARDSON, V. Handbook of research on teaching. American Education Resarch Associatin. New York: Macmillan, 2001

SZTAJN, P.; ORTIGÃO, M. I. R. Noções logico-matemáticas: perspectivas da avaliação diagnóstica. Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro: Revista Convívio, p. 67-77, Setembro/2008.

TURA, M. L. R. & PEREIRA, T.P. Políticas curriculares, sistemas de avaliação e conhecimentos escolares. In: Maria de Lourdes R. Tura, & Maria Malta A. Garcia (Org.). Currículo, políticas e ação docente, Rio de Janeiro: EdUERJ, p. 111-125, 2013.

VALERO, P. El deseo de acceso y equidade em la educación matemática. Revista Colombiana de Educación, n. 73, p. 99-128, 2017. Disponível em: <http://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/RCE/issue/view/500/showToc>. Acesso em: 15/08/2017.

VIOLA DOS SANTOS, J. R. Discussões de professores de matemática a respeito da avaliação em um grupo de trabalho. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Pirenópolis, 2015. Disponível em: <http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/DISCUSSOESDEPROFESSORESDEMATEMATICAARESPEITODAAVALIACAOEMUMGRUPODETRABALHO.pdf>. Acesso em: 20/06/2016.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
ORTIGÃO, M. I. R.; OLIVEIRA, R. L. DE. Diferença e Insubordinação Criativa: negociando sentidos com a avaliação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 4, p. 91-105, 21 dez. 2017.
Seção
Artigos Gerais