Da investigação e suas desconstruções ou quando as ações de uma criança são identificadas como insubordinação

  • Luzia Aparecida Souza Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Vivian Nantes Muniz Franco Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Pesquisa, Narrativas Infantis, Insubordinação Criativa

Resumo

Este trabalho apresenta algumas percepções e considerações acerca de uma entrevista realizada como um primeiro movimento de uma pesquisa de mestrado que busca compreender como as crianças espacializam a escola na Educação Infantil e de que modo significam a matemática neste espaço por meio da construção de narrativas com crianças de 4 e 5 anos. Inicialmente foram mobilizados procedimentos da História Oral, na perspectiva de construir fontes históricas a partir de situações de entrevista. O movimento tem se dado na direção de construir e analisar narrativas e suas contribuições para se pensar a temática da pesquisa e a própria ação de pesquisar. A partir de uma entrevista realizada com o Francisco, de 4 anos, trazemos algumas reflexões com as quais pretende-se tratar de aspectos teóricos e metodológicos que permeiam uma pesquisa dessa natureza, assim como, olhar para como a entrevista com uma criança nos atravessa enquanto pesquisadores e pode nos ensinar sobre insubordinação e/ou movimento investigativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. História: a arte de inventar o passado. Ensaios de teoria da história. Bauru: EDUSC, 2007, 254 p.

BARROS, Manoel. Memórias Inventadas: as infâncias de Manoel de Barros. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2010.

BARROS, Manoel. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2015.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, p. 197-221, 1994.

BLOCH, Mark. Apologia da História ou o Ofício do Historiador. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. O Anti-Narciso: lugar e função da antropologia no mundo contemporâneo. Revista brasileira de Psicanálise, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 15-26, 2010.

CLARETO, Sônia Maria. Na travessia: construção de um campo problemático. In: CLARETO, Sônia Maria; ROTONDO, Margareth A. Sacramento; VEIGA, Ana Lygia Vieira Schil da (Org.). Entre composições: formação, corpo e educação. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2011, 260 p.

D'AMBROSIO, Beatriz Silva; LOPES, Celi Espasandin. Insubordinação Criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, SP, v. 29, n. 51, p. 1-17, abr. 2015.

DOMINGUES, Rafaella Maria de Varella. Era uma vez... Histórias de crianças (con)vivendo com a recidiva do câncer e seus ensinamentos sobre o cuidado. 2016. 209f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

GALZERANI, Maria Carolina Bovério. Imagens entrecruzadas de infância e de produção de conhecimento em Walter Benjamin. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri; PRADO, Patrícia Dias (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. 2ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, p. 49-68, 2005.

LINS, Romulo Campos. Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani (Org.). Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, p.75-96, 1999.

KOHAN, Walter Omar. Infância, estrangeiridade e ignorância. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MONTEIRO, Iêda Licurgo Gurgel Fernandes. Da educação infantil ao ensino fundamental: o que contam as crianças sobre essa travessia na cultura de escola. 2015. 138f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

PASSEGGI, Maria da Conceição et al. O que contam as crianças sobre as escolas da infância: aportes teóricos sobre as narrativas na pesquisa com crianças. In: Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - ENDIPE, 16., 2012, Campinas. Políticas de formação inicial e continuada de professores. Araraquara: Junqueira&Marin Editores, 2012.

ROCHA, Simone Maria da. Narrativas infantis: o que nos contam as crianças de suas experiências no hospital e na classe hospitalar. 2012. 163 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.

SOUZA, Luzia Aparecida de Souza; CURY, Fernando Guedes. A Hermenêutica de Profundidade como Recurso Metodológico para as Pesquisas em História da Educação Matemática. Revista Perspectivas da Educação Matemática, Campo Grande, MS, v. 8, n. 18, p. 822-838, 2015.

SOUZA, Luzia Aparecida. Narrativas na investigação em história da educação matemática. Rev. Educ. PUC-Campinas, Campinas, v. 18, n. 3, p. 259-268, set./dez. 2013.

TUAN, Yi Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, 1983.

VEIGA NETO, Alfredo; LARROSA, Jorge. Literatura, experiência e formação: uma entrevista com Jorge Larrosa. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org). Caminhos Investigativos I: novos olhares na pesquisa em educação. 3ª ed. Rio de Janeiro: Lamparina Editoria, p. 129-156, 2007.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
SOUZA, L. A.; FRANCO, V. N. M. Da investigação e suas desconstruções ou quando as ações de uma criança são identificadas como insubordinação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 4, p. 80-90, 21 dez. 2017.
Seção
Artigos Gerais