A Insubordinação Criativa na formação contínua do pedagogo para o ensino da Matemática: os subalternos falam?

  • Maria José Costa dos Santos Universidade Federal do Ceará
  • Fernanda Cíntia Costa Matos Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Metodologia Sequência Fedathi, Teoria Cultural da Objetivação, Insubordinação Criativa, Formação Inicial e Contínua, Currículo de Matemática

Resumo

A formação de professores seja ela inicial ou continuada deve ser desenvolvida com foco nos processos de ensino e de aprendizagem de forma teórica e prática, ou como assinala Freire (1987) pela práxis. Esse texto visa apresentar a metodologia Sequência Fedathi (SF) e a Teoria Cultural da Objetivação (TO) como propostas de formação do docente que leciona matemática na educação básica. Para tanto, foi necessário: (a) análise da literatura sobre essas temáticas; e, (b) reflexões sobre práticas reflexivas de formação docente, com vistas a se pensar em que medida os subalternos falam visando manifestações de insubordinação criativa sobre o currículo e avaliação em movimento. As reflexões apontam para a necessidade de um profundo e amplo estudo sobre as consequências nefastas de uma formação que não prime pela autonomia e criatividade na ação docente, limitando sua práxis no espaço pedagógico.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Costa dos Santos, Universidade Federal do Ceará

Professora Adjunta.

Referências

BARRETO, Marcília Chagas. O Desenvolvimento do Raciocínio Matemático. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Ceará, 2001.

BORGES NETO, H.; DIAS, A. M. I. Desenvolvimento do raciocínio lógico matemático no 1.º grau e na pré- escola. Cadernos de Pós-Graduação em Educação: Inteligência – enfoques construtivistas para o ensino da leitura e da Matemática, v. 2, Fortaleza, CE: Imprensa Universitária/UFC, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2015. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf>. Acesso em: 27 ago. 2016.

CHEVALLARD, Yves; BOSCH, Marianna; GASPÓN, Josep. Estudar matemáticas: o elo perdido entre o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: ArtMed Editora, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31. ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

NOGUEIRA, Clélia Maria Ignatius. Pesquisas atuais sobre a construção do conceito de número: para além de Piaget?. Educar em Revista, 2011.

SANTOS, Joelma Nogueira dos. A construção do conceito de número natural e o uso das operações fundamentais nas séries iniciais do ensino fundamental: uma análise conceitual. 2013. 180 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Centro de Ciências. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013.

SOUSA, F. E. E. de. et al. Sequência Fedathi: uma proposta pedagógica para o ensino de Matemática e ciência. Fortaleza: UFC, 2013.

VERGNAUD, G. Teoria dos campos conceituais. In NASSER, L. (Ed.) Anais do 1º Seminário Internacional de Educação Matemática do Rio de Janeiro, p. 1-26, 1993.

VERGNAUD, G. O longo e o curto prazo na aprendizagem da matemática. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. Especial 1/2011, p. 15-27, 2011. Editora UFPR.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. A formação social da mente. 6 ed., São Paulo: Martins Fontes, 2002.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
SANTOS, M. J. C. DOS; COSTA MATOS, F. C. A Insubordinação Criativa na formação contínua do pedagogo para o ensino da Matemática: os subalternos falam?. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 4, p. 11-30, 21 dez. 2017.
Seção
Artigos Gerais