Historicidade dos cursos de licenciatura no Brasil e sua repercussão na formação do professor de Química

Palavras-chave: História, Formação Inicial, Educação Superior, Ensino de Química

Resumo

A formação de professores em nível superior no Brasil constitui uma temática muito polêmica. Quando essas discussões são expandidas para o âmbito da formação do professor de Química, o cenário apresenta-se ainda mais complexo e contraditório. Mediante esse contexto, o propósito desse artigo é evidenciar, por meio de um estudo bibliográfico, as conjunturas nas quais a formação do professor de Química vem se edificando. Para tanto, são destacados aspectos da história educacional brasileira, com foco na constituição dos cursos de Licenciatura como via formativa do professorado, dando ênfase a morosidade, descontinuidades e descaso com que essa formação vem sendo tratada no decorrer do tempo, ressaltando especialmente aspectos inerentes à Educação Básica e ao contexto social e econômico do país, que serviram como plano de fundo para a implantação das políticas de formação docente. O cenário exposto revela que os vestígios históricos ainda ecoam sobre a formação atual desses profissionais e, especialmente, que os cursos de Licenciatura em Química não conseguiram desvincular-se das características bacharelescas que neles habitam desde sua origem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANHA, M. L. de. História da educação e da pedagogia: Geral e Brasil. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

BARRA, V. M.; LORENZ, K. M. Produção de materiais didáticos de ciências no Brasil, período: 1950 a 1980. Ciência e Cultura, São Paulo, Brasil: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, v. 38, n. 12, p. 1970-1983, dez. 1986.

BARROSO, H. M.; FERNANDES, I. R. Observatório universitário: uma nota técnica sobre a criação de universidades, por categoria administrativa e gestão política. Dezembro 2006.

BRASIL. Criação de universidades. 2017.

BRASIL.Ministério da Educação. Lei no 11.274 de 06 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 07 fev. 2006, Seção 1, p. 3.

BRASIL.Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n° 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 09 abr. 2002a, Seção 1, p. 31.

BRASIL.Conselho Nacional de Educação. Resolução CES/CNE n° 08, de 11 de março de 2002. Estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Bacharelado e Licenciatura em Química. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 mar.2002b, Seção 1, p. 13.

BRASIL.Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES n° 1.303, de 04 de dezembro de 2001. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Química. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 07 dez. 2001, Seção 1, p. 25.

BRASIL.Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n° 04 de 29 de janeiro de 1998. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 30 mar. 1998, Seção 1, p. 25.

BRASIL.Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n° 15 de 01 de junho de 1998. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 jun. 1998, Seção 1, p. 8.

BRASIL.Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n° 22 de 17 de dezembro de 1998. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 mar. 1999, Seção 1, p. 8.

BRASIL.Ministério da Educação. Decreto n° 2.306, de 19 de agosto de 1997. Regulamentação das instituições de ensino superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 ago. 1997. Seção1, p. 17991.

BRASIL.Ministério da Educação. Lei n° 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27833.

BRASIL.Ministério da Educação. Lei n° 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 ago. 1971. Seção 1, p. 6592.

BRASIL.Ministério da Educação. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 nov. 1968. Seção 1, p. 10369.

BRASIL.Ministério da Educação. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 dez. 1961. Seção 1, p. 11429.

BRASIL.Ministério da Educação. Decreto-Lei n° 9.355, de 13 de junho de 1946. Funda o Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 jun. 1946. Seção 1, p. 8991.

BRASIL.Ministério da Educação. Decreto-Lei n° 4.244, de 09 de abril de 1942. Lei Orgânica do Ensino Secundário. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 abr. 1942. Seção 1, p. 5798.

BRASIL.Ministério da Educação. Decreto-Lei n° 1.190, de 04 de abril de 1939. Dá organização à Faculdade Nacional de Filosofia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 06 abr. 1939. Seção 1, p. 7929.

BRASIL.Ministério da Educação. Decreto-Lei n° 19.851, de 11 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização do Ensino Superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 abr. 1931a. Seção 1, p. 5800.

BRASIL.Ministério da Educação. Decreto-Lei n° 19.890, de 18 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização do ensino secundário. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 01 mai. 1931b. Seção 1, p. 6945.

CANDAU, V. M. (Coord.). Novos rumos da licenciatura: relatório de pesquisa. Rio de Janeiro: PUCRJ, 1988.

CHARLOT, B. Educação e Globalização: uma tentativa de colocar ordem no debate. Sísifo: Revista de Ciências da Educação, São Paulo, n. 4, p. 129-136, out./dez. 2007.

CHASSOT, Á. Para que(m) é útil o ensino? Alternativas para um (ensino de Química) mais crítico. 2. ed. Canoas - RS: ULBRA, 2004.

DIAS-DA-SILVA, M. H. G. F. Política de formação de professores no Brasil: as ciladas da reestruturação das licenciaturas. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 381-406, jul./dez. 2005.

DINIZ-PEREIRA, J. E. O ovo ou a galinha: a crise da profissão docente e a aparente falta de perspectiva para a educação brasileira. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 92, n. 230, p. 34-51, jan./abr. 2011.

FREITAS, H. C. L. de. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100 – Especial, p. 1203-1230, out. 2007.

FREITAS, H. C. L. de. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 136-167, set. 2002.

FREITAS, H. C. L. de. A reforma do Ensino Superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e os movimentos dos educadores. Educação e Sociedade, Campinas, ano XX, n. 68, p. 17-44, dez. 1999.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do Capitalismo Real. 5. ed, São Paulo: Cortez, 2003.

GATTI, B. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, São Paulo, n. 100, p. 33-46, dez./jan./fev. 2013-2014.

GATTI, B. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010.

GATTI, B. A formação dos docentes: o confronto necessário professor x academia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 81, p. 70-74, mai. 1992.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. de S.; ANDRÉ, M. E. D. de A. Políticas Docentes no Brasil: um Estado da Arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

INEP. Sinopse Estatística da Educação Superior 2016. [online]. Brasília: Inep, 2017.

JESUS, W. S.; ARAUJO, R. S.; VIANNA D. M. Formação de Professores de Química: a Realidade dos Cursos de Licenciatura Segundo os Dados Estatísticos. Scientia Plena. Aracaju, v. 10, n. 08, 2014.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: EdUSP, 2004.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 85-93, jan./mar. 2000.

LIBÂNEO, J. C. Formação de Professores e Didática para Desenvolvimento Humano.Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 2, p. 629-650, jun. 2015.

LIBÂNEO, J. C. O Ensino da Didática, das Metodologias Específicas e dos Conteúdos Específicos do Ensino Fundamental nos Currículos dos Cursos de Pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 229, p. 562-83, set./dez. 2010.

LORENZ, K. M. Ação de instituições estrangeiras e nacionais no desenvolvimento de materiais didáticos de ciências no Brasil: 1960-1980. Revista Educação em Questão, Natal, v. 31, n. 17, p. 7-23, jan./abr. 2008.

MENDONÇA, A. W. P. C. A universidade no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 131-194, mai./ago. 2000.

MESQUITA, N. A. da S.; CARDOSO, T. M. G.; SOARES, M. H. F. B. O projeto de educação

instituído a partir de 1990: caminhos percorridos na formação de professores de química no Brasil. Química Nova, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 195-200, fev. 2013

MESQUITA, N. A. da S.; SOARES, M. H. F. B. Aspectos históricos dos cursos de licenciatura em química no Brasil nas décadas de 1930 a 1980. Química Nova, São Paulo,

v. 34, n. 1, p. 165-174, fev. 2011.

NARDI, R. Memórias da educação em ciências no Brasil a pesquisa em ensino de física. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 63-101, mar. 2005.

NASCIMENTO, F. do. Pressuposto para a formação crítico-reflexiva de professores de ciências na sociedade do conhecimento. In: MIZUKAMI, M. da G. N.; REALI, A. M. de M. R. (Orgs.). Teorização de práticas pedagógicas: escola, universidade, pesquisa. São Carlos: UdUFSC, 2009, p. 35-72.

NASCIMENTO, F. do; FERNANDES, H. L.; MENDONÇA, V. M. de. O ensino de ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. HISTEDBR On-line, Campinas, n. 39, p. 225-249, set. 2010.

NASCIMENTO, T. R. A criação das licenciaturas curtas no Brasil. Revista HISTEDBR On- line, Campinas, n. 45, p. 340-346, mar. 2012.

OBSERVATÓRIO DO PNE. 15 - Formação de professores.

OLIVEIRA, J. F. de.; CATANI, A. M.; HEY, A. P.; AZEVEDO, M. L. N. de. Democratização

do acesso e inclusão na educação superior no Brasil. In: BITTAR, M.; OLIVEIRA, J. F. de;

MOROSINI, M. (Orgs.). Educação Superior no Brasil – 10 anos pós-LDB. Brasília: INEP, 2008. p. 71-88.

OSÓRIO, V. K. L.; Alameda Glette, 463, sede do Curso de Química da Universidade de São Paulo no período 1939-1965. Química Nova, São Paulo, v. 32, n.7, p. 1975-1980, 2009.

ROMANELLI, O. de O. História da Educação no Brasil (1930/1973). 32. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

RUIZ, A. I.; RAMOS, M. N.; HINGEL, M. Escassez de professores no ensino médio:

propostas estruturais e emergenciais. CNE/CEB, Brasília, DF, 2007.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D.Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, p. 143-155, jan./abr. 2009

SAVIANI, D. O legado educacional do Regime Militar. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28, n. 76, p. 291-312, set./dez. 2008.

SILVA, A. F. da. Formação de professores para a educação básica no Brasil: projetos em disputa (1987-2001). 2004. 392 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.

SOUZA, R. F. História da organização do trabalho escolar e do currículo no Século XX: ensino primário e secundário no Brasil. São Paulo: Cortez, 2008.

TERRAZAN, E. A.; DUTRA, E. F.; WINCH, P. G.; SILVA, A. A. Configurações curriculares em cursos de licenciatura e formação identitária de professores. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8, n. 23, p. 71-90, jan./abr. 2008.

VIANNA, I. O. de A. A formação de docentes no Brasil: história, desafios atuais e futuros. In: RIVERO, C. M. L.; GALLO, S. (Orgs.). A formação de professores na sociedade do conhecimento, Bauru: EDUSC, 2004, p. 21-54.

VICENTINI, P.; LUGLI, R. S. G.; História da profissão docente no Brasil: representações em disputa. São Paulo: Cortez, 2009.

ZOTTI, S. A. Sociedade, educação e currículo no Brasil: dos jesuítas aos anos de 1980. São Paulo: Autores Associados, 2004.

Publicado
2018-06-28
Como Citar
LIMA, J. O. G. DE; LEITE, L. R. Historicidade dos cursos de licenciatura no Brasil e sua repercussão na formação do professor de Química. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 3, p. 143-162, 28 jun. 2018.
Seção
Artigos Gerais