Uma referência para a elaboração de saberes docentes a partir da observação e da reflexão de dificuldades e de erros sobre números inteiros relativos

Palavras-chave: Número inteiro relativo, Ensino e aprendizagem, Formação de professores de Matemática

Resumo

Neste artigo são apresentados e analisados erros e dificuldades relatados por licenciandos de Matemática, de uma universidade pública paulista, sobre o conceito de Números Inteiros Relativos, a partir de suas vivências didático-pedagógicas nos estágios supervisionados realizados em escolas da Educação Básica. Os resultados encontrados subsidiam o desenvolvimento de uma pesquisa qualitativa na qual pressupomos que essa análise inicial se constitua uma referência para a elaboração de saberes docentes, relacionados ao processo de ensino e aprendizagem de NIR. A potencialidade dessa análise, para a elaboração de saberes docentes sobre Números Inteiros Relativos, tem origem em respostas a questões que se apresentam fundamentais para a elaboração desses saberes e que podem ser o caminho para a ressignificação das operações de Adição e Multiplicação, a partir das propriedades dos Números Naturais e dos Números Inteiros, bem como para a ciência da origem de regras sinais e de suas diferenciações em operações com esses últimos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Gomes de Oliverira, Faculdade de Ciências e Tecnologia - Unesp de Presidente Prudente-SP

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professora das disciplinas Didática e Estágio Curricular Supervisionado junto ao curso de Licenciatura em Matemática da Unesp de Presidente Prudente-SP.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Parecer 09 de 08 de maio de 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf. Acesso em: 03 dez. 2017

BOYER, C. B. História da Matemática. 9. ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 1991.

CARAÇA, B. J. Conceitos Fundamentais da Matemática. 5. ed. Lisboa: Gradiva, 2003.

GLAESER, G. Epistemologia dos Números Negativos. Rio de Janeiro: Boletim GEPEM, 1985.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora Unijuí, 2011.

STRUIK, D. J. História Concisa das Matemáticas. 2. ed. Lisboa: Gradiva, 1992.

TEIXEIRA, L. R. M. Aprendizagem Operatória de Números Inteiros: Obstáculos e Dificuldades. In: Pro-Posições, v. 4, n. 1, p. 60–72, 1993.

SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Matemática e suas tecnologias / SE; coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação de área, Nilson José Machado. 1. ed. atual. – São Paulo: SE, 2011, 72 p.

VERGNAUD, G. Psicologia cognitiva e do Desenvolvimento e Pesquisas em Educação Matemática: Algumas Questões Teóricas e Metodológicas. In: Caderno do CEM. Ano 2, n. 2, p. 19–39, 1990.

WHITEHEAD, J. Using a living theory methodology in improving practice and generating educational knowledge in living theories. In: Educational Journal of Living Theories. v. 1, n. 1, p. 103–126, 2008. Disponível em: http://ejolts.net/node/80. Acesso em: 10 jun. 2016.

Publicado
2019-10-07
Como Citar
OLIVERIRA, R. G. DE. Uma referência para a elaboração de saberes docentes a partir da observação e da reflexão de dificuldades e de erros sobre números inteiros relativos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 318-332, 7 out. 2019.
Seção
Artigos Gerais