Prática da linguagem escrita em espaços de formação de professores de Matemática: mapeamento de pesquisas produzidas no Brasil

  • Liliane Silva de Antiqueira Universidade Federal do Rio Grande
  • Celiane Costa Machado Universidade Federal do Rio Grande
Palavras-chave: Mapeamento, Formação de professores, Matemática, Linguagem escrita

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar um mapeamento de dissertações e teses originadas de cursos de pós-graduações stricto sensu brasileiras e que abordam a prática da linguagem escrita em espaços de formação de professores de Matemática. A orientação metodológica segue os pressupostos da pesquisa qualitativa e foi baseada em duas etapas: identificação das produções existentes, classificação e organização, e, por fim, análise. O levantamento das pesquisas foi por meio de buscas nos sites dos cursos de pós-graduações, no Banco de Teses e Dissertações da CAPES e na Biblioteca Digital e Brasileira de Teses e Dissertações. Ao final, esse processo resultou em 29 produções que foram analisadas e agrupadas conforme a relação de proximidade ou semelhança identificada no enfoque principal. Logo, ficou evidenciado que a prática da linguagem escrita, em espaços de formação de professores de Matemática no Brasil, tem sido abordada como: mediadora no processo de ensinar e aprender Matemática; estratégia para se pensar/investigar a formação acadêmico-profissional de professores de Matemática; e atividade avaliativa do conhecimento matemático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, V. L. Questões não-rotineiras: a produção escrita de alunos da graduação em Matemática. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2009.

ALVES, R. M. Uma análise da produção escrita de alunos do Ensino Médio em questões abertas de matemática. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2006.

BARICHELLO, L. Análise de resoluções de problemas de cálculo diferencial em um ambiente de interação escrita. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, 2008.

BIEMBENGUT, M. S. Mapeamento na pesquisa educacional. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em Educação. Trad. Maria Alvarez; Sara Santos; Telmo Baptista. Portugal: Porto Editora, 1994.

CAPORALE, S. M. Escrever e compartilhar histórias de vida como práticas de (auto)formação de futuros professores e professoras de matemática. Tese de Doutorado - Universidade São Francisco, Itatiba, 2016.

CARRASCO, L. H. Leitura e escrita na matemática. In: NEVES, I. C. et al. (Orgs.) Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 9.ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011.

CARVALHO, José Antonio Brandão; PIMENTA, Jorge. Escrever para aprender, escrever para exprimir o aprendido. Em: VIII Congresso Galaico Português de PsicoPedagogia, 2005, Actas... Braga, Portugal: CIEd, p. 1877-1885, 2005.

COURA, F. C. A escrita matemática em uma turma de 6ª série do Ensino Fundamental. Dissertação de Mestrado - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação, Belo Horizonte, 2008.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A formação acadêmico-profissional: compartilhando responsabilidades entre as universidades e escolas. In: Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino, XIV. Porto Alegre. Anais do ENDIPE. Porto Alegre: PUCRS, p. 253- 267, 2008.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; CAÑETE, L. S. C. A escrita do diário de bordo e as possibilidades da reflexão crítica sobre a prática docente. In: LACERDA, M. P. (Org.). A escrita inscrita na formação docente. Rio de Janeiro: Rovelle, 2009.

FARIAS, Sandra Alves; BORTOLANZA, Ana Maria Esteves. O papel da linguagem escrita nos processos de ensino e aprendizagem: um estudo teórico. Educação & Linguagem, v. 18, n. 2, p. 63-85, 2015.

FERES, S. A. A escrita nas aulas de matemática do ensino médio: o pensamento matemático em movimento. Dissertação de Mestrado - Universidade São Francisco, Itatiba, 2009.

FERREIRA, P. E. Análise da produção escrita de professores da educação básica em questões não-rotineiras de matemática. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2009.

FLUGGE, F. C. Potencialidades das narrativas para a formação inicial de professores que ensinam matemática. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2015.

FREITAS, M. T. M. A escrita no processo de formação contínua do professor de matemática. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, 2006.

GONÇALVES, M. A. Perscrutando diários de aulas de matemática do estágio supervisionado da licenciatura em matemática: reorientando histórias e investigações. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

HOFFMAN, B. V. O uso de diferentes formas de comunicação em aulas de matemática no ensino fundamental. Dissertação de Mestrado - Universidade Federal do Espírito Santo, Espirito Santo, 2012.

KIRNEV, D. C. Dificuldades evidenciadas em registros escritos a respeito de demonstrações matemáticas. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

KLÜSENER, R. Ler, escrever e compreender a matemática, ao invés de tropeçar nos símbolos. In: NEVES, I. C. et al. (Orgs.) Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 9.ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011.

LUNA, A. S. Matemática e linguagem: um estudo sobre leitura e escrita na sala de aula. Dissertação de Mestrado - Universidade Federal da Paraíba, Centro de Educação, João Pessoa, 2011.

LURIA, A. R. A psicologia experimental e o desenvolvimento infantil. In: VIGOTSKII, L.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Maria da Penha Villalobos. São Paulo: Ícone, p. 85-102, 1988.

MACHADO, A. P. Do significado da escrita da matemática na prática de ensinar e no processo de aprendizagem a partir do discurso de professores. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, 2003.

MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. Ijuí: Unijuí, 2011.

MEGID, M. A. Formação inicial de professoras mediada pela escrita e pela análise de narrativas sobre operações numéricas. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, 2009.

MELO, M. J. Olhares sobre a formação do professor de matemática: imagem da profissão e escrita de si. Tese de Doutorado - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Natal, 2008.

MINÉ, V. A. Processo de letramento do professor a partir de reflexões acerca da escrita dos alunos sobre aulas de matemáticas nos anos iniciais do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, 2013.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Unijuí, 2011.

NACARATO, A. M.; LOPES, C. Educação Matemática, Leitura e Escrita: armadilhas, utopias e realidade. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

OLIMPIO, A. Compreensões de conceitos de cálculo diferencial no primeiro ano de matemática: uma abordagem integrando oralidade, escrita e informática. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, 2006.

PASSEGGI, M. C. A formação do formador na abordagem autobiográfica: a experiência dos memoriais de formação. In: SOUZA, E. C.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Orgs.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

PEREGO, S. C. Questões abertas de matemática: um estudo de registros escritos. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2005.

PINTO, R. A. Quando professores de Matemática tornam-se produtores de textos escritos. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

POWELL, A.; BAIRRAL, M. A escrita e o pensamento matemático: interações e potencialidades. Campinas: Papirus, 2006.

PRADO, G.; SOLIGO, R. Porque escrever é fazer história: revelações, subversões, superações. Campinas: Alínea, 2007.

RIPARDO, R. B. Escrever bem aprendendo matemática: tecendo fios para uma aprendizagem matemática escolar. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2014.

RIPARDO, R. B. Na arena da produção textual: os professores de matemática em cena. Dissertação de Mestrado - Universidade Federal do Pará, Instituto de Educação Matemática e Científica, Belém, 2009.

SANTOS, E. R. Análise da produção escrita em matemática: de estratégia de avaliação a estratégia de ensino. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

SANTOS, G. L. Como professores e alunos do ensino médio lidam com conteúdos algébricos em sua produção escrita. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

SANTOS, J. R. O que alunos da escola básica mostram saber por meio de sua produção escrita em Matemática. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Centro de Ciências Exatas, Londrina, 2007.

SANTOS, M. B. Escrever para quê? A redação mediando a formação de conceitos em cálculo I. Dissertação de Mestrado - Universidade Federal de Goiás, Goiás, 2000.

SANTOS, Sandra Augusta. Explorações da linguagem escrita nas aulas de Matemática. In: NACARATO, Adair Mendes; LOPES, Celi (Orgs.). Escritas e leituras na Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SCHNEIDER, M. R. Produção escrita: caminho para aprendizagens significativas a partir da construção e reconstrução do conhecimento matemático. Dissertação de Mestrado - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

SILVA, M. C. Do observável para o oculto: um estudo da produção escrita de alunos da 4ª série em questões de matemática. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Centro de Ciências Exatas, Londrina, 2005.

SILVA, O. B. QUEIROZ, S. L. Mapeamento da pesquisa no campo da formação de professores de Química no Brasil. Investigações em Ensino de Ciências. v. 21, n. 1, março de 2016, p. 62-93. Disponível em< https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/28>. Acesso em: out. 2016.

SMOLE, K. S. Textos em Matemática: Por Que Não? In: SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I. Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, p. 29-68, 2001.

TEIXEIRA, B. R. Registros Escritos na formação inicial de professores de Matemática: uma análise sobre a elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2009.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. Trad. Jeferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ZABALZA, M. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: ARTMED, 2

Publicado
2019-01-01
Como Citar
ANTIQUEIRA, L.; MACHADO, C. Prática da linguagem escrita em espaços de formação de professores de Matemática: mapeamento de pesquisas produzidas no Brasil. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 1, p. 144-163, 1 jan. 2019.
Seção
Artigos Gerais