Alfabetização Científica e as visões deformadas no ensino de ciências: Algumas reflexões sobre os discursos dos professores de física

Palavras-chave: alfabetização científica, visões deformadas, necessidades formativas

Resumo

A presença de experiências e identidade com o espírito científico contribui para a aprendizagem no ensino de ciências. Porém, na sala de aula parece existir dificuldades em se estabelecer um ensino de significado e identidade entre os alunos. Existem vertentes no ensino que estudam possibilidades para se promover isso, bem como a detecção dos aspectos que atrapalhem a aprendizagem do conhecimento científico. Entre tais perspectivas está a alfabetização científica, a qual se atém a propor ações que fomentem a identidade do aluno ao conhecimento em trâmite. Possivelmente, o alcance da alfabetização científica em sala passe pela reflexão e identificação das visões sobre ciência que agem como deformações conceituais, contribuindo para o distanciamento da alfabetização científica. Esta pesquisa buscou identificar as concepções sobre alfabetização científica e as visões deformadas entre professores de física. Acredita-se que essas discussões sejam importantes para que o alcance da alfabetização científica entre os alunos e a desconstrução de percepções ingênuas sobre a ciência. Foi possível concluir que, entre as possibilidades para o rompimento das visões deformadas sobre ciências, e logo, o alcance de ações produtivas próximas aos vieses alfabetizadores de ciência esteja o alcance do cumprimento das necessidades formativas entre os professores de ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Peres Ramos, UTFPR

Professora Adjunta na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus de Campo Mourão.

Marcos Cesar Danhoni Neves, UEM

Professor Adjunto na Universidade Estadual de Maringá;

Adriana da Silva Fontes, UTFPR

Professora Adjunta na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus de Campo Mourão.

Michel Corci Batista, UTFPR

Professor Adjunto na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus de Campo Mourão.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

AULER, D. Interações entre Ciência-Tecnologia-Sociedade no contexto da formação de professores de Ciências. Tese de Doutorado. Florianópolis: CED/UFSC, 2002.

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidades enunciativas. Cadernos de Estudos Lingüísticos, 19, 25-27, 1991.

CACHAPUZ, A. A necessária renovação do ensino de ciências. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

CALDEIRA, A. M. A. (Org.); ARAUJO, E. S. N. N. (Org.). Introdução à Didática da Biologia. São Paulo: Escrituras, 2009.

CAZELLI, S. Alfabetização científica e os museus interativos de ciência. Rio de Janeiro: Departamento de Educação PUC/RJ. Dissertação de Mestrado, 1992.

CHASSOT, A.. Alfabetização científica: Questões e desafios para a Educação. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 2000.

FERNÁNDEZ, I. Análisis de las concepciones docentes sobre La actividad científica: Una proposta de trabsformación. Tesis Doctoral. Departament de Didàctica de lês Ciències Experimentals. Universitat de València, 2000.

GIL-PEREZ, D; CARVALHO, A.M.P. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. São Paulo: Editora Cortez, 2006.

HODSON, D. Seeking Directions for Change. The personalization and politisation of science eduction. Curriculum Studies, v. 2, n. 1, p. 71-88, 1994.

KRASILCHIK, M. Caminhos do ensino de ciências no Brasil. In: Em Aberto. Brasília, n. 55, p. 4-8, 1992.

LEITE, M. Promessas do Genoma. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

LORENZETTI, L.; D. DELIZOICOV. Alfabetização científica no contexto. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n.1, 2001.

MATTHEWS, M.R. Um lugar para La historia y La filosofia em La enseñanza de las ciências. Comunicación, Lenguaje y Educación, v. 11-12, p. 141-155, 1991.

MILLER, J. D. Scientific literacy: a conceptual and empirical review, In: Daedalus, n. 112, p. 29-48, 1983.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL. (2009). Learning science in informal environments:people, places, and pursuits. Committee on learning science in informal environments. En. P. Bell, B. Lewenstein, A.W. Shouse and M. A. Feder (Eds.), Board on science education, center for education. Division of behavioral and social sciences and education. Washington, DC: the National Academies Press. Disponível em: http://www.nap.edu/catalog.php?record_id=12190.

ORLANDI, E.P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas (SP): Pontes, 2002.

PÊCHEUX, M. O Discurso: estrutura ou acontecimento. 3ª ed. Campinas: Pontes, 2002. SHEN, B. S. P. Science Literacy. In: American Scientist, v. 63, p. 265-268, 1975.

Publicado
2020-05-05
Como Citar
RAMOS, F.; DANHONI NEVES, M.; FONTES, A.; BATISTA, M. Alfabetização Científica e as visões deformadas no ensino de ciências: Algumas reflexões sobre os discursos dos professores de física. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 3, p. 1-15, 5 maio 2020.
Seção
Artigos Gerais