Oficina iniciação à Química na cozinha e as concepções de Natureza da Ciência de estudantes do Ensino Fundamental

  • Gisele Soares Lemos Shaw Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Geraldo Soares da Silva Junior Instituto Federal Baiano de Educação Ciência e Tecnologia
Palavras-chave: Habilidades Científicas, Interdisciplinar, Oficina, Natureza da Ciência

Resumo

Estudos têm apontado que o ensino difundido nas escolas tem gerado concepções simplistas de natureza da ciência. Investigamos a potencialidade da Oficina Pedagógica Interdisciplinar Iniciação à Química na Cozinha para o desenvolvimento das Concepções de Natureza da Ciência (CNC) de onze estudantes do Ensino Fundamental. Essa oficina buscou trabalhar o desenvolvimento de habilidades científicas junto aos estudantes. Os dados foram coletados por meio de questionário com afirmativas em escala likert, aplicado no início e ao final da oficina. Observamos que houve evolução nas CNC da maioria deles. Verificamos que esse avanço se deu principalmente nas questões que tratavam sobre como é produzido o conhecimento científico, além de numa questão que tratava da confiabilidade do conhecimento científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHALMERS, A. F. Tradução: Raul Filker. O que é ciência afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.

GIL-PÉREZ, D., MONTORO, I. F., ALÍS J. C., CACHAPUZ A., PRAIA J. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, v.7, n.2, p.125-153, 2001.

HARRES, J.B.S. Uma revisão de pesquisas nas concepções de professores sobre a natureza da ciência e suas implicações para o ensino. Investigações em Ensino de Ciências (Investigaciones en Enseñanza de las Ciencias; Investigations in Science Education) Vol. 4, N. 3, dezembro de 1999. Instituto de Física. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1999.

HODSON, D. Existe um método científico. Education in Chemistry, 1982 (Traduzido por GEPEC – Grupo de Pesquisa em Educação Química/USP).

KIRSCHBAUM, C. Decisões entre pesquisas quali e quanti sob a perspectiva de mecanismos causais. Revista Brasileira de Ciências Sociais – RBCS, v. 28, n. 82 junho, 2013.

KÖHNLEIN, J. F. K., PEDUZZI, L. O. de Q. Uma proposta de abordagem histórico- filosófica da teoria da relatividade restrita para o ensino. IV Encontro Ibero-americano de coletivos escolares e redes de professores que fazem investigação na sua escola. UNIVATES, Lajeado, 2005.

LEDERMANN, N.G. Student's and teacher's conceptio ns of the nature of science: a review of the research. Journal of Research in Science Teaching, v. 29, n. 4, p. 331-359, 1992.

LICKERT, R. A technique for the measurement of attitudes. Archives of Psychology, 1- 55, 1932.

MATTHEWS, M. História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 12, n. 3, p. 164-214, dez. 1995.

POPPER, K. R. Trad. Leônidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 1972.

PRAIA, J.F; CACHAPUZ, A.F.C.; GIL-PÉREZ, D. Problema, teoria e observação em ciência: para uma reorientação epistemológica da educação em ciência. Ciência & Educação, n.8, v. 1, 2002, p.127-145.

Publicado
2018-09-29
Como Citar
SHAW, G. S. L.; DA SILVA JUNIOR, G. S. Oficina iniciação à Química na cozinha e as concepções de Natureza da Ciência de estudantes do Ensino Fundamental. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 4, p. 126-138, 29 set. 2018.
Seção
Artigos Gerais