Concepção dos licenciandos em Ciências Biológicas sobre a influência dos fatores ambientais no aparecimento do Aedes Aegypti

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v9i3.1369

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Formação de Professor, Aedes Aegypti

Resumo

O objetivo deste trabalho foi conhecer a concepção dos licenciandos em Ciências Biológicas sobre a influência dos fatores ambientais no ressurgimento do mosquito Aedes aegypti. Para tanto, aplicou-se um questionário composto por 11 questões dissertativas e de múltipla escolha sobre a relação ambiente e saúde e a importância da Educação Ambiental para o controle de vetores de doenças a um grupo de 16 alunos do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. A análise das questões mostra que muitos alunos possuem concepção baseada no senso comum, ou informação veiculadas pela mídia quando o assunto é Aedes aegypti e fatores ambientais o que pode ser explicado pelo fato de alguns estudantes não se identificarem com a temática ou acreditarem que as informações passadas pelos veículos de comunicação sejam suficientes. Sobre a importância da Educação Ambiental para diminuir a proliferação do mosquito vetor e melhorar a qualidade do ambiente onde vivemos, estes se mostram favoráveis a inserção dessa temática nas aulas de Ciências e Biologia. Isso deve-se principalmente ao perfil do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, por ser um curso que traz muitas disciplinas que abordam a temática como Ecologia e Epidemiologia e Saneamento entre outras que debatem questões socioambientais, patologias, zoologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, A. Que papel para as Ciências da Natureza em Educação Ambiental? Discussão de idéias a partir de resultados de uma investigação. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciências, 6(3), 522- 537, 2007. ISSN 1579-1513

AZANHA, J. M. P. Uma reflexão sobre a formação do professor da escola básica. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 369-378, 2004. ISSN 1678-4634.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BARRA, V. M. M. Exploração de necessidades sócio educativas e análise de modelos formativos de educação ambiental com caráter experimental. Curitiba. EdUFPr, 2006 Educar em Revista n. 27, p. 111-128. ISSN 0104-4060.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da saúde: 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política nacional de educação ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 abr. 1999. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (AGENDA 21), 3º edição (2003).

DIAS, JCP. Problemas e possibilidades de participação comunitária no controle das grandes endemias no Brasil. Cad. Saúde Pública. 1998; 14 Suppl 2:19-37.

FERREIRA, B. J. & SOUZA, M. F. M. & SOARES FILHO, A. M. & CARVALHO, A. A. Evolução Histórica dos programas de prevenção e controle do dengue no Brasil. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 2009. vol.14 nº3. ISSN 1678-4561.

FRANCO, J. B. & VAZ, M. R. C. Aprendendo a ensinar a partir de uma perspectiva socioambiental no contexto da saúde coletiva. Rio Grande: EdFURG. 2007. Revista Ambiente & Educação, vol. 12, 2007. ISSN 1413-8638.

FURUTA, C.R.A.P.A. A Conscientização de Problemas Ambientais na Busca de Mudanças de Comportamento. Faculdade de Ciências da UNESP, Bauru, 1997.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar. Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

GUEDES, J. C. S. Educação ambiental nas escolas de ensino fundamental: estudo de caso. Garanhuns: Ed. do autor, 2006.

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. 2. ed. Campinas: Papirus, 2005.

GUTIÉRREZ, F.; PRADO, C. Ecopedagogia e cidadania planetária. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 1999.

HARVEY, D. A Produção Capitalista no Espaço. São Paulo. Annablume, 2005.

JACOBI, P. R. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Luís do Maranhão, n. 118, p. 189-205, 2003

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

LIKERT, R. A technique for the measurement of attitudes. Archives in Psychology, 140, p. 1-55, 1932.

LIPAI, E. M.; LAYRARGUES, P. P.; PEDRO, V. V. Educação ambiental na escola: tá na lei... In: MELLO, S. S.; TRAJBER, R. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em Educação Ambiental na Escola. Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO, p. 23-33, 2007.

LUFFIEGO GARCÍA, M. Y RABADÁN VERGARA, J. M. La Evolución del concepto de sustenibilidad y su introducción en la enseñanza. Enseñanza de las Ciencias, v.18, nº3, p.473-486. 2000.

MILLER JR., G. T. Ciência ambiental. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Cortez. UNESCO. São Paulo, 2001.

NIEVES ALVAREZ, M. Valores e temas transversais no currículo. Trad. Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed, 184p, 2002.

PEREIRA M.G. Epidemiologia teoria e Prática. Ed. Yedis, 1995, 431p.

PHILIPPI JR., Arlindo. Saneamento, saúde e ambiente: fundamentos para um desenvolvimento sustentável. Barueri, São Paulo: Manole, 2005.

POLLI, A.; SIGNORINI, T. A inserção da educação ambiental na prática pedagógica. Ambiente & Educação, Rio Grande, v. 17, n. 2, p. 93-101, 2012.

SAUVÉ, Lucie. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo. v.31, n.2, p. 317-322, 2005.

SOARES JÚNIOR, M. P. et al. Educação ambiental: um desafio à sustentabilidade sócio ambiental. Revista Brasileira de Gestão Ambiental, Pombal – PB, v.6, n.1, p. 18 – 34, 2012.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 4e. d. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

TARDIF, M.. Saberes Profissionais dos Professores e Conhecimentos Universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação. ANPED, São Paulo, n. 13, p. 5-24, jan. /abr. 2000.

TARDIF, M. Princípios para guiar a aplicação dos programas de formação inicial para o ensino. In: EGGERT, E. et al. Trajetórias e processos de ensinar e aprender: didática e formação de professores (textos selecionados do XIV ENDIPE). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. p. 17-46.

TEIXEIRA, M. G.; BARRETO, M.L.; GUERRA, Z. Epidemiologia e medidas de prevenção do Dengue. Informe Epidemiológico do SUS . 8(4): 5-33, 1999.

ULYSSÉA, M.A.; HANAZAKI, N. & LOPES, B.C. Percepção e uso dos insetos pelos oradores da comunidade do Ribeirão da Ilha, Santa Catarina, Brasil. Biotemas , 23 (3): 191-202, 2010.

Downloads

Publicado

2018-06-28

Como Citar

SIQUEIRA, A. C.; VILAÇA, F. A.; FRENEDOZO, R. de C. Concepção dos licenciandos em Ciências Biológicas sobre a influência dos fatores ambientais no aparecimento do Aedes Aegypti. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 3, p. 70–86, 2018. DOI: 10.26843/rencima.v9i3.1369. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1369. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>