Números irracionais na escolaridade básica: as contribuições didático-epistemológicas advindas da História da Matemática.

Palavras-chave: Números Irracionais, História da Matemática, Bento de Jesus Caraça, Manuel Amoroso Costa, Ideias Fundamentais

Resumo

A apresentação e desenvolvimento dos números irracionais sofreram um processo de transposição didática muito simplificado e polarizado entre o pragmático e o teórico. Este texto objetivou analisar os contextos e contribuições histórico-epistemológicos dos números irracionais, de modo a situar como se apresentam os aspectos pragmáticos e teóricos surgidos ao longo do desenvolvimento do referido tema em livros de referência onde se encontram os ‘saberes acadêmicos universitários’, inspirados em Resende (2007). Realizamos uma busca em dois livros de referência: ‘Conceitos Fundamentais da Matemática’, de Caraça (1970) e ‘As Ideias Fundamentais da Matemática’, de Costa (1981). Caraça (1970) indica a possibilidade de se desenvolver o ‘Problema da Medida’, onde é possível se apresentar os segmentos comensuráveis e os segmentos incomensuráveis. Costa (1981) aponta para o desenvolvimento dos números irracionais por meio da reta real, questão que remonta a ideia de continuidade e ao corte de Dedekind. As narrativas presentes nesses livros podem contribuir para uma transposição didática com relação aos números irracionais. Em face de tais análises, centradas na narrativa e na abordagem qualitativa, destacamos alguns aportes que podem promover uma releitura dos fatos matemáticos, pela abordagem dos números irracionais por meio das ideias fundamentais representadas pelos pares contagem&medida, finito&infinito e exato&aproximado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AURÉLIO. O Dicionário da Língua Portuguesa: Século XXI. São Paulo: Editora Nova Fronteira, 2003.

BYERS, V. Porque Estudar História da Matemática? Tradução de Maria Q. Amoroso Anastácio e Eduardo Sebastiani Ferreira. In: Inst. J. Math. Educ. Sci. Technol, v. 13, n. 1, 1982, p. 59-66.

BOSH, M.; GASCÓN, J. Twenty-five years of the Didactic Transposition. ICMI Bulletin, n. 58, p. 51-65, jun. 2006.

BOYER, C. B. História da Matemática. 9. ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 1991.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3° e 4° ciclos do Ensino Fundamental: Matemática. Brasília: Secretaria da Educação Fundamental (MEC/SEF), 1998.

BROUSSEAU, G. Les obstacles epistèmologiques et les problemes em mathématiques. RDM, v.4, n.2, Grenoble, 1983, p. 165-198.

CARAÇA, B. J. Conceitos Fundamentais da Matemática. 5. ed. Portugal: Lisboa, 1970.

CHEVALLARD, Y. El análisis de las prácticas docentes en la teoría antropológica de lo didáctico. Recherches en Didactique des Mathématiques, v. 19, n. 2, p. 221-266, 1999.

CHEVALLARD, Y; BOSH, M.; GASCÓN, J. Estudar matemáticas: o elo perdido entre o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

COSTA, M. A. As Idéias Fundamentais da Matemática e Outros Ensaios. 3. ed. São Paulo: Edusp, 1981.

DAMBROS, A. A. Conhecimento do desenvolvimento histórico dos conceitos Matemáticos e o ensino de matemática: possíveis relações. 2006, 193f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

D’AMBROSIO, U. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 99-120, jan./abr. 2005.

KARLSON, P. A Magia dos Números. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1961.

KLINE, M. O Fracasso da Matemática Moderna. Tradução de Leônidas Gontijo de Carvalho. São Paulo: IBRASA, 1976.

LEVIATHAN, T. Introducing real numbers: when and how? Proceedings of ICME 10, 2004.

MACHADO, N. J. Sobre alguns desequilíbrios na apresentação da Matemática básica: discreto/contínuo, finito/infinito, exato/aproximado, determinístico/aleatório. São Paulo: IME- USP, 2009.

MIGUEL, A.; MIORIM, M. A. O ensino da matemática no primeiro grau. São Paulo: Atual, 1986.

POMMER, W. M.; POMMER, C. P. C. A abordagem de alguns números irracionais notáveis nos livros didáticos do ensino fundamental e médio. Interfaces da Educação, Paranaíba, v.2, n.6, p. 5-22, 2012.

RIPOLL, C. C. A Construção dos Números Reais nos Ensinos Fundamental e Médio. UFRGS, 2001.

RATHS, L. E. et al. Ensinar a Pensar. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 1977.

RESENDE, M. R. A Teoria Elementar dos Números na Formação de Professores. 2007. 281f. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

SANTOS, J. C. Números Reais: Um desafio na educação básica. Centro de Estudos Gerais, Instituto de Matemática. Niterói, 2007.

SOUTO, A. M. Análise dos Conceitos de Número Irracional e Número Real em Livros Didáticos da Educação Básica, 2010. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática). Instituto de Matemática, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SCHUBRING, G. Pesquisar sobre a história do ensino da matemática: metodologia, abordagens e perspectivas, 2004. In: SPIEM, Portugal, 2004.

STRUIK, D. J. História Concisa das Matemáticas. 2. ed. Tradução de João Cosme Santos Guerreiro. Lisboa: Gradiva, 1992.

THOM, R. A Aporia Fundadora das Matemáticas. In: Enciclopédia Einaudi, 2004, v. 43, p. 650-664.

Publicado
2018-06-28
Como Citar
POMMER, W. M. Números irracionais na escolaridade básica: as contribuições didático-epistemológicas advindas da História da Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 3, p. 183-199, 28 jun. 2018.
Seção
Artigos Gerais