A importância da simbologia no ensino de Química e suas correlações com os aspectos macroscópicos e moleculares

  • Débora Piai Cedran Universidade Estadual de Maringá
  • Jaime Costa Cedran Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Neide Maria Michellan Kiouranis Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Triângulo de Johnstone, Símbolos, Aprendizagem

Resumo

A simbologia química é um dos temas mais importantes no estudo desta ciência, pois é por meio dela que se traduzem os fenômenos subatômicos e, assim, podemos considerá-la mediadora no entendimento de diversos conceitos macroscópicos e moleculares. Apesar da relevância, pesquisas revelam que os estudantes apresentam dificuldades centradas neste tema, o que pode dificultar a compreensão de conceitos químicos. Nesse sentido, esta pesquisa possui o intuito de identificar se 72 estudantes ingressantes de uma universidade pública do estado do Paraná, que cursavam a disciplina de química geral, compreendiam alguns símbolos amplamente usados em química e os significavam em suas diversas circunstâncias, através de suas representações/modelos. A partir dos dados coletados, pretendeu-se apresentar reflexões sobre os modelos dos estudantes para tais entidades, em especial, se os acadêmicos compreendiam os símbolos por ele próprio e se eram capazes de relacioná-los com os seus aspectos teóricos e empíricos. A análise da questão aplicada indicou que os alunos conseguem identificar alguns símbolos, no entanto, tiveram dificuldades para representá-los, o que demonstra a necessidade em ampliar as reflexões sobre a importância da simbologia e das discussões que se referem à integração dos três aspectos do conhecimento químico: macroscópicos; simbólicos e moleculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE NETO, A, S, A,. RAUPP, D., MOREIRA, M. A.; A evolução histórica da linguagem representacional: uma interpretação baseada na teoria dos campos conceituais. Em:VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2009. Anais do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.

ARAÚJO NETO, W. N. Formas de uso da representação estrutural no ensino superior de química. 2009. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2009.

BARKE, H. D.; ENGIDA, T. Structural Chemistry and Spatial Ability in Different Cultures. Chemistry Education: Research and Practice in Europe, v.2 ,n. 3, p. 227-239, 2001.

BERZELIUS, J. J. Essay on the cause of chemical porportion, and on some circuntaces related to them: together with a short and easy Method of expressin them. Annals of Philosophy. v. 3, p. 51 - 62, 1814.

BERZELIUS, J. J. Essai sur la Théorie des Proportions Chimiques et sur l´Influence chimique de l´Életrecité. Paris, Mequignon-Mervis, p. 120, 1819.

BRITO, M. S.; DAMASCENO, H. C.; WARTHA, E. J. As representações mentais e a simbologia química. Em: XIV Encontro Nacional de Ensino de Química, 2008, Curitiba. Anais do Encontro Nacional de Ensino de Química. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2008.

CHENG, M.; GILBERT, J. K. Towards a Better Utilization of Diagrams in Research into the Use of Representative Levels in Chemical Education. Em: GILBERT, J. K.; TREAGUST, D. (Org.). Models and Modeling in Science Educations: Multiple Representations in Chemical Education. New York: Ed. Springer, p, 379, 2009.

CONNELY, N. G.; DAMHUS, T.; HARTSHORN, R. M.; HUTTON, A. T. Nomenclature of inorganic chemistry – IUPAC recommendations 2005. Cambridge, Royal Society of Chemistry, p. 377, 2005.

CONTRERAS, S.; GONZÁLEZ, A. La selección de contenidos conceptuales en los programas de estudio de Química y Ciencias Naturales chilenos: análisis de los niveles macroscópico, microscópico y simbólico. Educación Química, v.25, n. 2, p.97-103, 2014.

EICHLER, M. Os modelos abstratos na apreensão da realidade química. Educación Química, v.12, n.3, p. 61 – 71, 2001.

FLÔR, C. C.; CASSIANI, S. Qual Química ensinar? Reflexões a respeito da educação Química e formação de leitores em aulas de Química no Ensino Médio. Revista Reflexão e Ação, v. 24, n. 1, p. 366-381, 2016.

GILBERT, J. K.; TREAGUST, D. Macro, Submicro and Symbolic Representations and the Relationship Between Them: Key Models in Chemical Education. Em: GILBERT, J. K.; TREAGUST, D. (Org.). Models and Modeling in Science Educations: Multiple Representations in Chemical Education.New York: Ed. Springer, p. 379, 2009.

GLAZAR, S. A.; DEVETAK, I. Secondary school student´s knowledge oh stoichiometry. Acta Chimica Slovenica, v.49, p. 43-53. 2002.

GONZALEZ, I. M.; SILVA, J. L. P. B. As fórmulas químicas literais de Berzelius e a composição dos materiais: uma função sígnica nas aulas de química. Em: IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2013, Águas de Lindóia. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia: ABRAPEC, 2013.

GONZALEZ, I. M. Composição Química: estudos semióticos e psicológicos.2016. . Tese de Doutorado - Universidade Federal da Bahia, Instituto de Física, Salvador, 2016.

GRESCZYSCZYN, M. C. O. Múltiplas representações para o Ensino de Química Orgânica: Uso do Infográfico como meio de busca de aplicativos. 2017. Dissertação de Mestrado - Universidade Tecnológica Federal do Paraná de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza, Londrina, 2017

HERRON, J. D. Piaget for Chemists: Explaining what good students cannot understand. Journal of Chemical Education, v. 52, n. 3, p. 146 – 150, 1975.

IUPAC, Color Books. Disponível em <https://iupac.org/what-we-do/books/color-books/> Acesso em: 20 Ago. 2018.

JACOB, C. Analysis and Synthesis: Interdependent Operations in Chemical Language and Practice. International Journal for Philosophy of Chemistry, v. 7 , n. 1, p. 31-50, 2001.

JOHNSTONE, A. H. Macro and micro-chemistry. The School Science Review, v. 64, 377–379, 1982.

JOHNSTONE, A. H. Why is science difficult to learn? Things are seldom what they seem.

Journal of Computer Assisted Learning, v. 7, n. 2, p. 75-83, 1991.

JOHNSTONE, A. H. Theaching of Chemistry - Logical or Psychological? Chemistry Education: Research and Practice in Europe, v. 1, n 1, p. 9-15, 2000.

JOHNSTONE, A. H. You can't get there from here. Journal of Chemical Education, v. 87 n. 1, p. 22-29, 2010.

KEIG, P. F.; RUBBA, P. A. Translation of representations of the structure of matter and its relationship to reasoning, gender, spatial reasoning, and specific prior knowledge. Journal of Research in Science Teaching, v. 30, n, 8, p. 883-903, 1993.

KEKULÉ, A. Lehrbuch der Organischen Chemie. Erlangen, verlag von Ferdinad Enke, p. 766, 1861.

KIOURANIS, N. M. M.; BATISTON, W. P.; SILVA, C. F. N. Compreensão da linguagem química simbólica por alunos de ensino médio. Em: XVI Encontro Nacional de Ensino de Química, 2012. Anais do XVI Encontro Nacional de Ensino de Química. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2012.

LABARCA, M. Acerca del triangulo de Johnstone: algunos comentarios filosóficos. Em: 1ª Conferência Latino-americana do International History, Philosophy and Science Teaching Group, 2010. Anais da 1ª Conferência Latino-americana do International History, Philosophy and Science Teaching Group, São Sebastião, Universidade Federal de São Carlos, 2010.

MELO, M. S. A Transição entre os níveis – macroscópico, submicroscópico e representacional – uma proposta metodológica. 2015. Dissertação de Mestrado - Universidade de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H.; ROMANELLI, L, I. A proposta curricular de química do estado de Minas Gerais: fundamentos e pressupostos. Química Nova, v. 23, n. 2, p. 273-283, 2000.

PAULETTI, F.;ROSA, M. P. A.; CATELLI, F. A importância da utilização de estratégias de ensino envolvendo os três níveis de representação da química. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v.7, n. 3, p.121-134, 2014.

PHILIPP, S. B.; JOHNSON, D.K.; YEZIERSKI, E. J.Development of a protocol to evaluate the use of representations in secondary chemistry instruction. Chemistry Education Research and Practice, v. 15, p. 777 - 786, 2014.

POZO, J. I.; GÓMEZ CRESPO, M. A. A aprendizagem e o ensino de Ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009

RICHARDSON, G. M. Foundations of Stereo Chemistry. New York, American Book Company, p. 135, 1901.

SANTOS, V. C.; ARROIO. A. The representational levels: Influences and contributions to research in chemical education. Journal of Turkish Science Education, v. 3, n. 1, p. 3- 18, 2016

SOUZA, K. A. F. D. Estratégias de comunicação em química como índices epistemológicos: análise semiótica das ilustrações presentes em livros didáticos ao longo do século XX. 2012. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo, Instituto de Química, São Paulo, 2012.

TABER, K. S. Learning at the Symbolic Level. In: GILBERT, J. K.; TREAGUST, D. (Org.). Models and Modeling in Science Educations: Multiple Representations in Chemical Education. New York: Ed. Springer, p. 379, 2009.

TASKIN, V; BERNHOLT, S. Students’ understanding of chemical formulae:a review of empirical research. International Journal of Science Education,v.36,n.1, p.157–185, 2014.

VAN’T HOFF, J. H. Sur Les Formules de Structure dans L’espace. Archives néerlandaises des sciences exactes et naturelles, v 9, p. 445 - 454, 1874.

VILARDO, D. A.; MACKENZIE A. H.; YEZIERSKI, E. J. Using Students’ Conceptions of Air To Evaluate a Guided-Inquiry Activity Classifying Matter Using Particulate Models. Journal of Chemical Education. v. 94, n.2 p. 206 - 210, 2017.

YARROCH, W. L. Student understanding of chemical equation balancing. Journal of Research in Science Teaching, v. 22, n. 5, p. 449-459, 1985.

Publicado
2018-09-29
Como Citar
PIAI CEDRAN, D.; COSTA CEDRAN, J.; KIOURANIS, N. M. M. A importância da simbologia no ensino de Química e suas correlações com os aspectos macroscópicos e moleculares. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 4, p. 38-57, 29 set. 2018.
Seção
Artigos Gerais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)