Aprendizagem da matemática em aulas de streaming: uma análise à luz das Teorias da Transposição Didática e da transposição informática.

  • Klayton Santana Porto Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Luana Silva Santana Faculdade Independente do Nordeste
  • Almir Oliveira Soares Neto Universidade Federal da Bahia
  • Idalina Souza Mascarenhas Borghi Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Palavras-chave: Ensino de Matemática, Aulas de streaming, Teoria da Transposição Didática, Teoria da Transposição Informática

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo investigar como ocorrem os processos de Transposição Didática e Transposição Informática nas aulas de Matemática via streaming, desenvolvidas no EMITec. Realizamos uma pesquisa de cunho qualitativo desenvolvida por meio de um estudo de caso, a qual utilizamos a Teoria da Transposição Didática – TTD (CHEVALLARD,1991) e a Teoria da Transposição Informática – TTI (BALACHEFF, 1994) oriundas da Didática da Matemática como estratégias de análise para avaliação de uma proposta didática desenvolvida no EMITec. A coleta de dados ocorreu por meio da análise das situações de ensino e aprendizagem da matemática que são utilizadas como aulas mediadas por TIC’s em formato de Streaming,  sendo utilizada uma abordagem qualitativa para análise destes dados à luz da TTD e TTI. Os dados revelaram as atividades desenvolvidas na proposta didática estão concernentes às teorias utilizadas em nossa análise, sobretudo, percebemos que tais atividades conseguem facilitar a aprendizagem da matemática, sobretudo por meio da utilização de recursos didáticos e informatizados criados, mantidos e explorados pelos professores do EMITec. Desse modo, ressaltamos que, por se tratar de um tema relativamente novo na área do ensino da Matemática, maiores aprofundamentos deverão ser realizados, sobretudo levando em consideração a mediação professor-aluno-TIC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, G. P. de. Transposição Didática: por onde começar? São Paulo: Cortez, 2007.

ARAÚJO, H. A. B. et al. Sistemas de Avaliação do Programa Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (EMITEC): Possibilidades Efetivas na Construção do Conhecimento. Salvador: Fast Design, 2012.

ARAÚJO, L. I. de; GITIRANA, V. Analisando competências de cálculo de crianças que usaram calculadora em sua formação. IN: VIII Encontro Nacional de Educação Matemática. SBEM. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 15-18 jul. 2004.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 2002.

BALACHEFF, N. La transposition informatique: note sur un nouveau probléme pour la didactique. In: ARTIGUE, M. et al. Vingt ans de didactique des mathématiques en France. Grenoble: La Pensée Sauvage, 1994.

BASNIAK, M. I.; SILVA, S. de C. R da. Tecnologia em processos culturais de ensino revelados por professores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 9, p. 1-14, 2018.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: MEC, 20 dez. 1996.

BRASIL. Resolução nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: MEC, 30 jan. 2012.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires, Aique Grupo Editor S.A., 1991.

D’AMBRÓSIO, U. A Matemática nas escolas. In: Educação Matemática em Revista. Ed. especial: formação de professores, 2002.

JOHNSON, B.; CHRISTENSEN, L. Educational research: quantitative, qualitative, and mixed approaches. Thousand Oaks: Sage, 2012.

MACHADO, S. D. A. et. al. Educação Matemática: uma (nova) introdução. 3. ed. São Paulo: EDUC, 2010.

PONTE, J. P. da; BROCADO, J.; OLIVEIRA, H. Investigar em Matemática. In: Investigações Matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PORFIRO, L. D. O processo de criação de objetos virtuais de aprendizagem no Instituto de Física da Universidade Federal de Goiás. Dissertação (Mestrado), Goiânia: UFG, 2010.

PORTO, K. S. O editor de apresentação como suporte e subsídio para as aulas de streaming: um recurso para aulas na modalidade à distância. Revista EDaPECI, n. 1, v. 16, 2014.

PORTO, K. S.; SANTANA, L. S. A utilização do streaming como recurso didático na Educação. Revista Espaço Acadêmico, n. 164, out. 2014.

PORTO, K. S.; SANTANA, L. S. Aulas de Streaming: Recurso e Estratégia Didática no Ensino a Distância de Matemática. Revista EAD e Tecnologias Digitais na Educação, v. 4, n. 5, 2016.

SANTOS, L. M. dos; ARAÚJO, H. A. B. de. Educação Básica com Intermediação Tecnológica: tendências e práticas. Salvador: Fast Design, 2012.

SHAW, G. S. L.; SILVA JÚNIOR, G. S. da. Formação docente para uso das TIC no ensino de matemática: percepções de professores e estudantes de um curso de licenciatura em matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 10, n. 6, p. 163-184, 2019.

SILVA, C. R. da; RAUEN, F. J. Semiose e Noese: a questão da conversão de registros de representação no ensino e na aprendizagem de Matemática. XIX Seminário do Centro de Estudos Linguísticos e Literários do Paraná – CELLIP. Cascavel, PR: UNIOESTE, 21-23 out. 2009.

SZTAJN, P. O que precisa saber um professor de Matemática? Uma revisão da literatura americana dos anos 90. Educação Matemática em Revista. Ed. especial. Sociedade Brasileira de Educação Matemática. ano 9. n 11A, abr. 2002.

TAJRA, S. F. O Uso de Softwares nas Escolas. In: Informática na Educação: novas ferramentas pedagógicas para o professor na atualidade. 9. ed. São Paulo: Érica, 2012.

Publicado
2020-01-01
Como Citar
PORTO, K. S.; SANTANA, L. S.; SOARES NETO, A. O.; BORGHI, I. S. M. Aprendizagem da matemática em aulas de streaming: uma análise à luz das Teorias da Transposição Didática e da transposição informática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 1, p. 27-47, 1 jan. 2020.
Seção
Artigos Gerais