Eletrodinâmica no Ensino Médio: uma Sequência Didática apoiada nas tecnologias e na experimentação

  • Marco Antonio Trentin Universidade de Passo Fundo
  • Cleci Teresinha Werner da Rosa Universidade de Passo Fundo - RS
  • Marcelo Silva Universidade de Passo Fundo - RS
Palavras-chave: Atividade Experimental, Eletrodinâmica, Sequência Didática

Resumo

Este artigo relata a aplicação de uma sequência didática envolvendo o uso de atividades experimentais no estudo de circuitos elétricos, averiguando sua pertinência em termos de despertar nos estudantes o interesse e a motivação para aprender Física. Tal sequência didática foi estruturada em doze encontros, no qual o estudo de eletrodinâmica foi abordado, utilizando-se de vídeos, simuladores, atividades experimentais, dentre outros recursos. A aplicação da proposta didática ocorreu em uma turma de trinta e um estudantes do terceiro ano do ensino médio de uma escola pública da cidade de Passo Fundo/RS. Uma coleta de dados foi realizada, por meio de três instrumentos de pesquisa: atividades realizadas nos encontros por meio de registro em um diário de bordo, registros das aulas experimentais e entrevista com estudantes. Ao final, pode-se inferir que o uso de ferramentas diversificadas e relacionadas a situações vivenciais dos estudantes, inserindo o uso da tecnologia, funciona como um motivador ao estudante para realizar as atividades, bem como, estimular sua participação durante as aulas de física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, Ives Solano; VEIT, Eliane Angela. Uma revisão da literatura sobre estudos relativos a tecnologias computacionais no ensino de Física. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 4, n. 3, p. 5-18, 2004.

ARRUDA, Sérgio de Mello; LABURÚ, Carlos Eduardo. Considerações sobre a função do experimento no ensino de ciências. In: NARDI, Roberto (Org.). Questões atuais no ensino de ciências. São Paulo: Escrituras Editora, p. 53-60, 1998.

BARROQUEIRO, Carlos Henrique; AMARAL, Luiz Henrique. O uso das tecnologias da informação e da comunicação no processo de ensino-aprendizagem dos alunos nativos digitais nas aulas de Física e Matemática. REnCiMa, v. 2, n. 2, p. 123‐143, 2011.

BOHIGAS, Xavier; JAÉN, Xavier; NOVELL, Montse. Applets en la enseñanza de la Física. Enseñanza de las Ciencias, v. 21, n. 3, p. 463-472, 2003.

BORGES, Tarcisio. Implementação dos PCNs em sala de aula: dificuldades e possibilidades. 2006. (Coleção Explorando a Física, 7).

BORGES, Tarcisio. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 3, p. 291-313, 2002.

CLEMENT, Luiz; CUSTÓDIO, José F.; PINHO-ALVES, José. Potencialidades do Ensino por Investigação para Promoção da Motivação Autônoma na Educação Científica. Alexandria - Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 8, n. 1, p. 101-129, 2015.

FARIA, Elaine. O professor e as novas tecnologias. In: ENRICONE, Délcia (Org.). Ser Professor. 2. ed., Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

FIOLHAIS, Carlos; TRINDADE, Jorge. Física no computador: o computador como uma ferramenta no ensino e aprendizagem das ciências físicas. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 25, n. 3, p. 259-272, 2003.

MACÊDO, José Antunes. Simulações computacionais como ferramenta auxiliar ao ensino de conceitos básicos de eletromagnetismo: elaboração de um roteiro de atividades para professores do Ensino Médio. 2009. Dissertação (Mestrado em Ensino de Física) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

MEDEIROS, Alexandre; MEDEIROS, Cleide Farias. Possibilidades e limitações das simulações computacionais no Ensino de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, p. 77-86, 2002.

MILLAR, Robin. Towards a role for experiment in the science teaching laboratory. Studies in Science Education, v. 14, p. 109-118, 1987.

MOREIRA, Marco Antonio. Teorias de Aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

MOREIRA, Marco Antonio. Unidades de Enseñanza Potencialmente Significativas. Aprendizagem Significativa em Revista, v. 1, n. 1, p. 43-63, 2011.

OLIVEIRA, Teresa; FREIRE, Ana; CARVALHO, Carolina; AZEVEDO, Mário; BAPTISTA, Mónica. Compreendendo a aprendizagem da linguagem científica na formação de professores de ciências. Educar, n. 34, p. 19-33, 2009.

PIAGET, Jean. A tomada da consciência. Tradução de Edson Braga de Souza. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

PINHO-ALVES, José. Atividades experimentais: do método à prática construtivista. 2000. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

ROSA, Cleci T. Werner da. Laboratório didático de Física da Universidade de Passo Fundo: concepções teórico-metodológicas. 2001. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2001.

ROSA, Cleci T. Werner da; ROSA, Álvaro Becker da. Aulas experimentais na perspectiva construtivista: proposta de organização do roteiro para aulas de Física. Física na escola, v. 13, n.1, p. 1-4, 2012.

SANTOS, Diego Marlon; NAGASHIMA, Lucila Akiko. Potencialidades das atividades experimentais no ensino de Química. REnCiMa, v. 8, n. 3, p. 94-108, 2017.

TAVARES, Romero. Animações interativas e mapas conceituais: uma proposta para facilitar a aprendizagem significativa em ciências. Revista Ciência & Cognição, v. 13, n. 2, p. 99-108, 2008.

VALENTE, José Armando; MAZZONE, Jaures; BARANAUSKAS, Maria Cecilia. Aprendizagem na era das tecnologias digitais. Cortez Editora, 2007.

VYGOTSKY, Lev S. Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Netto et al. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
TRENTIN, M. A.; ROSA, C. T. W. DA; SILVA, M. Eletrodinâmica no Ensino Médio: uma Sequência Didática apoiada nas tecnologias e na experimentação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 5, p. 94 - 113, 18 dez. 2018.
Seção
Artigos Gerais