A genética no contexto de sala de aula: dificuldades e desafios em uma escola pública de Floriano-PI

Palavras-chave: Déficits da Matemática básica, Ensino-aprendizagem de Genética, Terminologias Científicas

Resumo

A Genética pode se tornar uma área motivadora, caso seja trabalhada de forma interativa em sala de aula. Por isso, o presente artigo teve como objetivo identificar as principais dificuldades enfrentadas pelos alunos da 3ª série do Ensino Médio da escola ENOCS no município de Floriano/PI, no conteúdo de Genética, bem como os desafios enfrentados pelo professor da disciplina de Biologia. O percurso metodológico, foi norteado tendo como base uma pesquisa de natureza quali-quantitativa com enfoque descritivo. Como instrumento de coleta de dados utilizou-se um questionário com questões abertas e fechadas aplicado à 26 (vinte e seis) alunos e um questionário com perguntas abertas aplicado com o professor de Biologia. Constatou-se que, 64% dos alunos apresentaram dificuldades com os termos científicos de Genética, bem como em aplicá-los. Além disso, o professor da disciplina de Biologia corrobora no sentido de não ter sido construído uma base sólida no Ensino Fundamental sobre conteúdos essenciais para compreenderem a Genética Mendeliana. Portanto, há a necessidade da inclusão das novas metodologias de ensino para tornar a aula de Genética mais interessante e condizente com a realidade vivenciada pelos alunos e a promoção de atividades que favoreçam ao aprendizado em Genética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, M. S.; CARVALHO, B. A. P.; LIMA, M. M. O. A Genética no ensino médio: uma análise dos conhecimentos dos alunos de escolas públicas da rede estadual e federal em Floriano/PI. In: CONGRESSO NORTE E NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO, 11.,2016, Maceió. Anais… Maceió: IFAL, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem Matemática: uma nova estratégia. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

BRÃO, A. F. S.; PEREIRA, A. M. T. B. Biotecnétika: possibilidades do jogo no ensino de genética. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. v. 14, n. 1, p.55-76, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Publicada no DOU nº 98, terça-feira, 24 de maio de 2016, seção 1, páginas 44, 45, 46.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares Nacionais: Ciências Naturais /Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC /SEF, 1998.

CARVALHO, J. S.; GONÇALVES, N. M. N.; PERON, A. P. Transgênicos: diagnóstico do conhecimento científico discente da última série do ensino médio das escolas públicas do munícipio de Picos, estado do Piauí. R. bras. Bioci., v. 10, n. 3, p. 288-292, 2012.

CID, M.; CRUZ NETO, A. J. Dificuldades de aprendizagem e conhecimento pedagógico do conteúdo: o caso da Genética. Enseñanza De LasCiencias, Número Extra. VII Congresso, 2005.

COELHO, R. T.; BAO, F.; CORRENTE, A. C. R.; ROSSI, A. A. B. Genética na escola: dificuldades dos docentes no processo ensino-aprendizagem em Sinop-MT. In: 54º Congresso Brasileiro de Genética, 2008.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. Porto Alegre: Artmed, 2007.

EYNG, A. M. Currículo escolar. Curitiba: IBEPEX, 2007.

FRANZOLIN, F. Conteúdos básicos de genética para o ensino médio: comparando as opiniões dos professores da educação básica, dos docentes do ensino superior e dos documentos curriculares estaduais. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, n. Extra, p. 1373-1377, 2013.

GRIFFITHS, A. J. F. et al. Introdução à genética. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

KLUG, W.; CUMMINGS, M. R.; SPENCER, c. A.; PALLADINO, M. A. conceitos de Genética. 9. ed. São Paulo: Artmed, 2010.

LEWONTIN, R. C. et al. Introdução à Genética. 13. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2013.

LIMA, K. E. C.; VASCONCELOS, S.D. Análise Da Metodologia De Ensino De CiênciasNas Escolas Da Rede Municipal De Recife. Ensaio: aval.pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.52, p. 397-412, 2006.

MARTINS, S. G.; AVANZI, J. C.; SILVA, M. L. N.; CURI, N.; NORTON, L. D.; FONSECA, S. Rainfall erosivity and rainfall return period in the experimental, watershed of Aracruz, in the coastal plain of Espirito Santo, Brazil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 34, n.3, p.999-1004, 2010.

MELO, J. F. R. Desenvolvimento de atividades práticas experimentais no ensino de biologia: um estudo de caso. Brasília: UnB, 2010. 75f. Dissertação (Mestrado em ensino de Ciências), 2010.

MOURA, J.; DEUS, M. S. M.; GONÇALVES, N.; PERON, A. P. Biologia/Genética: O ensino de biologia, com enfoque a genética, das escolas públicas no Brasil – breve relato e reflexão. Revista Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 34, n. 2, p. 167- 174, 2013.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007. PIERCE, B. Genética: Um enfoque conceitual. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

PINHEIRO, M.C. Conceitos Básicos no Ensino de Genética: do Livro Didático ao Estudante. 40f. Dissertação - Curso de Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

REECE, J. B. et al. Biologia de Campbell. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2015.

REGINALDO, C. C.; SHEID, N. J.; GÜLLICH, R. I. C. O ensino de Ciências e a experimentação. In: ANPED Sul: Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul - p.1-13, 2012.

RIBEIRO JUNIOR, J. I. Análise estatística no Excel: guia prático. 2. ed. Viçosa, MG: UFV, 2013.

ROMANOSWISK, J. P. Formação e profissionalização docente. 3. ed. Curitiba: IBPEX, 2007.

SAMPAIO, C. F.; SILVA. A. G. Uma Introdução a BioMatemática: A importância da Transdisciplinaridade entre Biologia e Matemática. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL “EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE”. 4., 2012, Sergipe. Anais... Sergipe: UFSE, 2012.

SHAUGHNESSY, J.M. Research on statistics learning and reasoning. In: LESTER, F. (Ed.). Second handbook of research on mathematics teaching and learning. Reston: NCTM, 2007. p. 957-1010.

SKINNER, B. F. Tecnologia do ensino. São Paulo: Herder, 1972.

SMITH, M.K.; J.K. KNIGTH. Using the genetics concept assessment to document persistent conceptual difficulties in undergraduate genetics courses. Genetics, v. 191, n. 1, p.21-32, 2012.

SOUSA, E. S.; NUNES-JUNIOR, F. H.; CAVALCANTE, C. A. M.; HOLANDA, D. A. S. A Genética Em Sala De Aula: Uma Análise Das Percepções E Metodologias Empregadas Por Professores Das Escolas Públicas Estaduais De Jaguaribe Ceará. Conex. Ci. e Tecnol. Fortaleza/CE, v. 10, n. 4, p. 16 - 24, dez. 2016.

SUZUKI, D.T.; GRIFFITHS, A.J.F.; MILLER, J.H.; LEWONTIN, R.C. Introdução à Genética. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

WEINGARTNER, G. F. Objetos virtuais de aprendizagem como ferramenta metodológica no ensino de genética no ensino médio. Dissertação (Mestrado)- Universidade Tecnológica Federal Do Paraná, 2014.

ZATZ, M. Genética: escolhas que nossos avós não faziam. São Paulo: Editora Globo, 2012.

Publicado
2018-04-05
Como Citar
ARAÚJO, M. DOS S.; FREITAS, W. L. DOS S.; LIMA, S. M. DE S.; LIMA, M. M. DE O. A genética no contexto de sala de aula: dificuldades e desafios em uma escola pública de Floriano-PI. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 1, p. 19-30, 5 abr. 2018.
Seção
Artigos Gerais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)