A Experimentação nos Cursos de Licenciaturas em Química na modalidade a distância

  • Fernanda Alves Ponticelli Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Andréia Modrzejewski Zucolotto Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Educação à Distância, Projeto Pedagógico de Curso, Formação de Professores

Resumo

O presente artigo discute resultados de uma pesquisa qualitativa acerca das compreensões de experimentação encontradas nos Projetos Pedagógicos de cursos de Licenciatura em Química ofertados na modalidade a distância de Instituições de Ensino Superior localizadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-oeste do Brasil. A investigação emerge da identificação das políticas públicas de incentivo à formação de professores na modalidade a distância e a consequente ampliação de matrículas nesse sistema. O objetivo da pesquisa foi compreender como a experimentação está inserida nos Projetos Pedagógicos desses cursos, os quais constituíram o corpus de análise. A metodologia teve por base a Análise Textual Discursiva.  Os resultados indicam que a é experimentação entendida como parte de uma estrutura curricular que tem por objetivo desenvolver habilidades manipulativas de equipamentos de laboratório e que devem ser realizadas de forma presencial nos polos de apoio presencial. Desse modo, a educação a distância por possuir características específicas e exigir a necessidade de alunos autônomos e críticos, apresenta-se como modelo em potencial para desenvolver as potencialidades da experimentação.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARRA, V. M.; LORENZ, K. M. Produção de materiais didáticos de ciências no Brasil, período: 1950 a 1980. Ciência e Cultura, v. 38, n. 12, p. 1970-1983, 1986.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1998. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013, 562p.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Ministério da Educação, 2010.

BRASIL. Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Parecer CNE/CES 1.303/2001 – Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Química. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 07 dez. 2001.

BRASIL. Parecer CNE/CP 9/2001- Diretrizes Curriculares para Formação de Professores. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 18 jan. 2002.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais (Ensino Médio) Parte I – Bases Legais– Brasília: MEC/SEF, 2000. 126p.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais (Ensino Médio) Parte III - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias – Brasília: MEC/SEB, 2000.

BRASIL. Referencias de Qualidade para a Educação Superior a Distância. – Brasília: MEC/SEED, 2007.

BORGES, R. M. R.; SILVA, A.F.D.; DIAS, A.L.M. Ciência, Cultura e Educação na História dos Centros de Ciências no Brasil. Anais do VII Enpec, 2009.

FERREIRA, L.H.; HARTWIG, D.R.; OLIVEIRA, R.C. Ensino Experimental de Química: Uma Abordagem Investigativa Contextualizada. Química Nova na Escola, V. 32, n2, p.101–106, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 40 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GALIAZZI, M.C. Seria tempo de repensar as atividades experimentais no ensino de Ciências? Educação, ano XXIII, n.40, PUCRS, 2000. p.87-111. Apud GONÇALVES, F.P. O Texto de Experimentação na Educação em Química: Discursos Pedagógicos e Epistemológicos. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) — Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Centro de Ciências da Educação, Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

GALIAZZI, M.C. et al. Objetivos das Atividades Experimentais no Ensino Médio: A pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Ciência e Educação, v.7, n.2, p.249-263, 2001.

GALIAZZI, M.C.; GONÇALVES, F.P. A natureza pedagógica da experimentação: Uma pesquisa na Licenciatura em Química. Química Nova, v.27, n.2, p.326-331, 2004.

GASPAR, A. Museus e Centros de Ciências – Conceituação e proposta de um referencial teórico. 1993. Tese – Faculdade Educação, Universidade de São Paulo.

GUIMARAES, C.C. Experimentação no Ensino de Química: Caminhos e Descaminhos Rumo à Aprendizagem Significativa. Química Nova na escola. v.31, n.3, p.198-202, 2009.

GIORDAN, Marcelo. O papel da experimentação no ensino de Ciências. Química Nova na escola. n.10, p.43-49, 1999.

GONÇALVES, F.P. A problematização das atividades experimentais no desenvolvimento profissional e na docência dos formadores de professores de Química. 2009. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) — Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Centro de Ciências da Educação, Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

GONÇALVES, F.P. O Texto de Experimentação na Educação em Química: Discursos Pedagógicos e Epistemológicos. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) — Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Centro de Ciências da Educação, Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

GONÇALVES, F.P.; MARQUES, C. A. A problematização das atividades experimentais na educação superior em Química: uma pesquisa com produções textuais docentes - Parte II. Revista Química Nova , vol. 35, 2012, p. 837-843.

GONÇALVES, F.P.; MARQUES, C. A. A problematização das atividades experimentais na educação superior em Química: uma pesquisa com produções textuais docentes. Revista Química Nova, vol. 34, n. 5, 2011, p. 899-904.

GONÇALVES, F.P.; MARQUES, C. A. Contribuições Pedagógicas e Epistemológicas em testos de experimentação no ensino de Química. Investigação em Ensino de Ciências, v.11, n.2, p. 219-238, 2006.

HODSON, Derek. Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Enseñanza de las Ciencias, v.12, n.3, p.299-313, 1994.

IZQUIERDO, M.; SANMARTÍ, N.; ESPINET, M. Fundamentación y diseño de las prátcticas escolares de ciências experimentales. Enseñanza de las Ciencias, v.17, n.1, p.45-60, 1999.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatítica da Educação Básica 2016. Brasília: Inep, 2017.

LITTO, F.M. Aprendizagem a distância. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. 2010. 96p.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora Ijuí. 2 ed, 2016.

MORAN, J. M. O que é educação a distância. Universidade de São Paulo. 2002.

MOREIRA, I. C. A inclusão social e a popularização da ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 1, n. 2, p. 11-16, 2006.

PETERS, O. A educação a distância. São Leopoldo: Unisinos, 2002.

ROSITO, B.A. O ensino de ciências e a experimentação In: Construtivismos e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas / organizado por Roque Moraes – Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000. 203 p.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Marie Jane Soares Carvalho, Breno Gonçalves Bragatti Neves, Rafaela da Silva Melo. Cultiveduca. Brasil no. BR512014001340-5, 18 mai. 2014, 25 jan. 2016.

ZUCOLOTTO, A. M. Possibilidades de constituição do educador em Química. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

ZUCOLOTTO, A. M. A multiplicidade de atravessamentos possíveis na constituição do educador em Química In: XV Encontro Nacional de Ensino de Química (XV ENEQ), 2010, Brasília, DF. Anais dos Encontros Nacionais de Ensino de Química, 2010.

Publicado
2018-09-29
Como Citar
PONTICELLI, F. A.; ZUCOLOTTO, A. M. A Experimentação nos Cursos de Licenciaturas em Química na modalidade a distância. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 4, p. 21-37, 29 set. 2018.
Seção
Artigos Gerais