Epistemologia, História e Ensino da Matemática: reflexões sobre formação e Aprendizagem Significativa

  • Marcos Alexandre Alves Centro Universitário Franciscano
  • Karla Jaqueline Souza Tatsch Centro Universitário Franciscano
Palavras-chave: Racionalidade crítica, Filosofia da Matemática, Ensino interdisciplinar, Aprendizagem Significativa, Atitude ativa

Resumo

Este artigo apresenta uma reflexão acerca da teoria histórico-epistemológica de Lakatos, com ênfase no conhecimento matemático, cujo propósito é provocar reflexões acerca da formação e da prática docente, por meio de uma relação com a teoria da aprendizagem significativa, proposta por Moreira. Propõe-se, expor as diretrizes metodológicas dos Programas de Pesquisa Científica, ressaltar a importância dos aspectos históricos e epistemológicos na produção do conhecimento matemático, questionar o predomínio, no ensino da matemática, de uma concepção empírico-indutivista, defender a promoção de uma prática educativa que estimule um ensino interdisciplinar e contextualizado, o entrelaçamento de saberes das diferentes áreas, a valorização do conhecimento específico como instrumento para estabelecer e compreender suas relações entre as diferentes áreas. Enfim, intenciona-se fomentar uma aprendizagem que seja significativa e voltada para o desenvolvimento da racionalidade crítica, em que os estudantes são incentivados a assumir uma atitude ativa e participativa nas discussões e no desenvolvimento das ideias matemáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Alexandre Alves, Centro Universitário Franciscano

Doutor em Filosofia da Educação - PPGE/UFPEL. Mestre em Filosofia - PPGF/UFSM. Licenciado em Filosofia - FAFIMC. Professor Adjunto do Curso de Filosofia e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Matemática - Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS - UNIFRA.

Karla Jaqueline Souza Tatsch, Centro Universitário Franciscano

Doutoranda em Ensino de Ciências e Matemática – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática – Centro Universitário Franciscano – UNIFRA. Professor Assistente no Curso de matemática - Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS - UNIFRA.

Referências

ALMEIDA, L. M. W.; BRITO, D. S. Modelagem Matemática na sala de aula: algumas implicações para o ensino e aprendizagem da Matemática. CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11, Blumenau: FURB, 2003.

BARBOSA, G.; MENEGHETTI, R. C. G. Filosofia da Matemática do quase-emprirismo e História da Matemática: traçando algumas considerações sobre o ensino de graduação em Matemática. X ENEM. Salvador, 2010.

BYNUM. W. Uma breve história da ciência. Porto Alegre: L&PM, 2013.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática: uma nova estratégia. São Paulo: Contexto, 2002.

BELTRÁN, P. La matemática de Lakatos: el papel de la prueba em la metodologia. La Ciencia de los Filósofos, Universidade de Sevilla, Espanha, p. 305-320, 1996.

BORGES. Imre lakatos e a metodologia dos programas de investigação científica. Curitiba: UFPR, 2008.

BRASIL. LEI 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Ministério da Educação. Brasília, 1999.

COVA, A.; INCIARTE, A.; PRIETO, M. Lakatos y los programas de investigación científica. Una opción para la organización investigativa Nacional. Omnia, v. 11, n. 3, p. 83-108, 2005.

FEYERABEND, P. Contra o método. Lisboa: Relógio D' Água, 2011.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Imago: Rio de Janeiro, 1976.

KÖHNLEIN, J. F. K.; PEDUZZI, L. O. Q. Sobre a concepção empirista-indutivista no ensino de ciências. Ciência Mão. USP, 2001.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006.

LABURU, C. E.; ARRUDA, S. M.; NARDI, R. Os programas de pesquisa de Lakatos: uma leitura para o entendimento da construção do conhecimento em sala de aula em situações de contradição e controvérsia. Revista Ciência & Educação. Bauru, v. 5, n. 2, 1998.

LAKATOS, I. O falseamento e a Metodologia dos Programas de pesquisa Científica. In: LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A. (org.). A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Cultrix, 1979.

LAKATOS, I. La metodología de los programas de investigación científica. Madrid: Alianza Editorial, 1989.

LAKATOS, I. A Lógica do Descobrimento Matemático: Provas e Refutações. Rio de Janeiro: Zahrar, 1978.

LAKATOS, I. Historia de la ciencia y sus reconstrucciones racionales. Madrid: Tecnos, 1987.

MENEGHETTI, R. C. G. O Intuitivo e o Lógico no Conhecimento Matemático: análise de uma proposta pedagógica em relação a abordagens filosóficas atuais e ao contexto educacional da matemática. Bolema, v. 22, n. 32, p. 161-188, 2009.

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

MOREIRA, M. A.; MASSONI, N. T. Epistemologias do século XX. São Paulo: EPU, 2011.

SILVA, G. H. G. da; MOURA, A. Q. O falibilismo de Lakatos e o trabalho com investigações matemáticas em sala de aula: possíveis aproximações. Acta Scientiae, Canoas, v. 17, n. 2, 2015.

SILVA, O. H. M. da; NARDI, R.; LABURU, C. E. Uma estratégia de ensino inspirada em Lakatos com instrução de racionalidade por uma reconstrução racional didática. Ensaio, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, 2008.

SILVEIRA, F. L. da. A metodologia dos programas de pesquisa: a epistemologia de Imre Lakatos. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 13, n. 3, 1996.

POPPER, K. R. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 2007.

Publicado
2017-09-28
Como Citar
ALVES, M. A.; TATSCH, K. J. S. Epistemologia, História e Ensino da Matemática: reflexões sobre formação e Aprendizagem Significativa. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 3, p. 78-93, 28 set. 2017.
Seção
Artigos Gerais