Aprendizagem Significativa e os Registros de Representação Semiótica na pesquisa em Educação Matemática: análise da produção científica de 2005 a 2016

Autores

  • Naíma Soltau Ferrão Universidade Cruzeiro do Sul
  • Cintia Aparecida Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v7i3.1171

Palavras-chave:

Estado da arte, Educação Matemática, Aprendizagem em Matemática, Aprendizagem Significativa, Registros de Representação Semiótica

Resumo

Este trabalho tem por objetivo apresentar um panorama das pesquisas que utilizam como referencial teórico a aprendizagem significativa, de Ausubel, e os registros de representação semiótica, de Duval, para abordar temas da Educação Matemática. O levantamento bibliográfico foi realizado no Portal de Periódicos Capes, no Banco de Teses da CAPES, no Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e no Google Acadêmico. As pesquisas foram analisadas tanto de forma quantitativa, segundo o ano de publicação, o nível de ensino, o tipo de publicação, o país de origem do pesquisador ou da Universidade na qual se desenvolveu a pesquisa, quanto de forma qualitativa segundo o foco temático do estudo. Foram identificados 45 estudos no período compreendido ente 2005 a julho de 2016. Destes, 36 tematizam aspectos relacionados à área de Educação Matemática. Verificou-se que apesar de pequena e recente, há uma tendência de crescimento no número de publicações que aliam a Teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel com a Teoria dos Registro de Representação Semiótica de Duval nos últimos quatro anos. Quanto aos focos temáticos verifica-se a predominância de estudos sobre o emprego das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) com vistas à aprendizagem significativa de estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano, 2002.

AUSUBEL, D. P. The psychology of meaning verbal learning. Grune and Stratton, 1963.

AUSUBEL, D. P., NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Org.). Pesquisa Qualitativa em Educação matemática. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

COLOMBO, J., FLORES, C. e MORETTI, M. Registros de representação semiótica nas pesquisas brasileiras em Educação Matemática: pontuando tendências. Zetetiké, v. 16, n. 29, p. 41-72, 2008.

DAMM, R. F. Registros de Representação. In: MACHADO, S. D. A. et al. Educação Matemática: uma introdução. São Paulo: EDUC, p. 167-188, 2010.

DUVAL, R. Quais teorias e métodos para a pesquisa sobre o ensino da matemática? Praxis Educativa, v. 7, n. 2, p. 305-330, 2012.

DUVAL, R. Registre de représentation sémiotique et fonctionnement cognitif de la Pensée Annales de Didactique et Sciences Cognitives. Strasbourg: IREM–ULP, v. 5, p.37-65. 1993.

DUVAL, R. Semiósis e Pensamento Humano: registros semióticos e aprendizagens intelectuais. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2009.

DUVAL, R. Sémiosis et penseé humaine. Registres sémiotiques et apprentissages intellectuels. Berne: Peter Lang, 1995.

DUVAL, R. Ver e ensinar a Matemática de outra forma: entrar no modo matemático de pensar: os registros de representações semióticas. São Paulo: Proem, 2011.

DUVAL, R.; FREITAS, J. L. M.; REZENDE, V. Entrevista: Raymond Duval e a Teoria dos Registros de Representação Semiótica. Revista Paranaense de Educação Matemática, v. 2, p. 10-34, 2013.

FERREIRA, F. A.; SANTOS, C. A. B.; CURI, E. Um cenário sobre pesquisas brasileiras que apresentam como abordagem teórica os registros de representação semiótica. EM TEIA: Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, v. 4, p. 1-14, 2013.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas ‘estado da arte’. Educação & Sociedade, Campinas, ano 23, n. 79, p. 257-272, 2002.

FIORENTINI, D. Mapeamento e balanço dos trabalhos do GT-19 (Educação Matemática) no período de 1998 a 2001. In: Reunião Anual da ANPEd, 25, Caxambu, MG. Anais..., Caxambu, MG: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação Matemática, 2002.

FIORENTINI, D. Rumos da Pesquisa Brasileira em Educação Matemática: o caso da produção científica em cursos de Pós-Graduação. (Tese Doutorado em Metodologia de Ensino) – Campinas, FE/UNICAMP, 1994.

MOREIRA, M. A ; MASINI, E. Aprendizagem significativa - a teoria de David Ausubel. São Paulo: Editora Moraes, 1982.

MOREIRA, M. A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília, Editora da UnB, 2006.

PAIS, L. C. Didática da Matemática: Uma análise da influência francesa. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS. R. T. As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte” em educação. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v. 6, n. 19, 2006.

RONCA, A. C. C. Teorias de ensino: a contribuição de David Ausubel. Temas em Psicologia, v. 2, n. 3, p. 91-95, 1994.

SANTOS, L. M. Concepções do professor de matemática sobre o ensino de álgebra. 122f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

Downloads

Publicado

2016-09-08

Como Citar

FERRÃO, N. S.; SANTOS, C. A. B. dos. Aprendizagem Significativa e os Registros de Representação Semiótica na pesquisa em Educação Matemática: análise da produção científica de 2005 a 2016. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 73–86, 2016. DOI: 10.26843/rencima.v7i3.1171. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1171. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)