Desenhos animados como possibilidades didáticas para ensinar conceitos químicos nos anos iniciais

  • Tais dos Santos Gonzalez Jacob Instituto Federal do Rio de Janeiro
  • Eline Deccache Maia Instituto Federal do Rio de Janeiro
  • Jorge Cardoso Messeder Instituto Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Educação Infantil, Desenhos animados, Ensino de Ciências

Resumo

O trabalho propõe a ideia de que temas químicos devem ser abordado de forma integrada aos demais conhecimentos, propiciando uma interface desde os primeiros anos de escolaridade, auxiliando a fomentar nos alunos seu espírito investigativo e o interesse pela área de ciências. Como objetivos bases da pesquisa destacam-se: identificar os conceitos químicos, vinculados aos desenhos animados, que são pertinentes ao currículo de ciências nas primeiras séries da Educação Básica; mostrar que conceitos químicos podem ser discutidos de forma contextualizada para esse segmento da educação. Foram usados sete episódios dos desenhos animados “Sid o Cientista” e “Cocoricó”, por despertarem interesse na faixa etária do primeiro segmento do ensino fundamental. Concluiu-se que os desenhos escolhidos se tornam recursos didáticos em potencial por encantar o público infantil, constituindo uma estratégia facilitadora na abordagem de vários assuntos relacionados à química, e que cotidianamente são vivenciados pelas crianças, sendo necessário trabalhá-los de forma coerente com os temas propostos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tais dos Santos Gonzalez Jacob, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Licenciada em Química pelo IFRJ/Nilópolis. Professora do Município do Rio de Janeiro (RJ), atuante no segmento do Ensino Fundamental I.

Eline Deccache Maia, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestrado em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutorado em Antropologia Social pelo Museu Nacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Concluiu o Pós-doutorado pela FIOCRUZ-Ba, atuando como pesquisadora no projeto de popularização de ciência: Ciência na Estrada: educação e cidadania, exercendo o papel de vice-coordenadora do mesmo. Acumulou experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Urbana, principalmente nos seguintes temas: juventude, educação, esporte, saúde, políticas públicas e popularização de ciências e Ensino de Ciências. Atualmente é professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro vinculada ao Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências (PROPEC) e coordenadora do Grupo de Pesquisa Ciência, (Arte), Tecnologia e Sociedade - C(A)TS. 

Jorge Cardoso Messeder, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Federal Fluminense (UFF), mestrado e doutorado em Ciências pelo Instituto Militar de Engenharia (IME). A gênese de sua titulação acadêmica ocorreu na área da Química Orgânica, com ênfase em Síntese, onde atuou nos seguintes temas: síntese de fármacos e quimioprofilaxia da Doença de Chagas. Atualmente é professor Associado I do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro onde desenvolve trabalhos nas áreas de Ensino de Ciências/Química, junto aos cursos de Licenciatura em Química e Mestrado Profissional e Acadêmico em Ensino de Ciências. A sua produção acadêmica se concentra principalmente em temas sobre Ensino de Química/Ciências, tanto na Educação Básica como no Ensino Superior, tendo enfoques em: CTS, Práticas de Ensino, Produção de Materiais Educativos e Relações entre Ensino, Aprendizagem e Pesquisa.

Referências

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=PD282. Acesso em: 10.01.2017.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2015: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: SECOM, 2014.

BIZZO, Nélio. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Ática, 2002.

CUNHA, J. B. Televisão: da sala de estar para a sala de aula. Disponível em: <http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/c50747326b146f3ebcef6b0249dcc866.PDF>. Acesso em: 10.01.2017.

DEMO, P. Complexidade e Aprendizagem - A dinâmica não linear do conhecimento. São Paulo: Atlas. 2002.

DUCATTI-SILVA, K. C. A formação no curso de pedagogia para Ensino de Ciências nas séries iniciais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Marília, SP, 2005.

ESHACH, H. Science literacy in primary schools and pre-schools. Netherlands: Springer, 2006.

FEILITZEN, Cecília Von; BUCHT, Catharina; Perspectivas sobre a criança e a mídia. Brasília: UNESCO, SEDH/ Ministério da Justiça, 2002.

JUNIOR, C. A. C. M. A abordagem química no ensino fundamental de Ciências. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. Quanta ciência há no Ensino de Ciências. São Carlos: EdUFSCar, 2008.

KINALSKI, A. C.; ZANON, L. B. O leite como tema organizador de aprendizagem de Química no Ensino Fundamental. Química Nova na Escola. São Paulo, n. 6, p. 15-19, 1997.

KIRSH, S. J. Cartoon violence and aggression in youth. Aggression and Violent Behavior 11. 547–557, 2006.

KOHN, K. Desenho animado: um brinquedo ou uma arma na formação da criança? Anagrama. São Paulo, ed. 1, p. 1-5, 2002.

LEITÃO, A. S. P. Desenhos animados televisivos, ética e educação física nos anos iniciais do ensino fundamental [recurso eletrônico]: diálogos possíveis. Porto Alegre: Orquestra, 2013.

LOPES, A. R. C. Conhecimento escolar em química: processo de mediação didática em ciência. Química Nova, São Paulo, v.30, n.5, p. 563-568, set/out, 1997.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização Científica no contexto das séries iniciais. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 1-17, 2001.

LUCKESI, C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. 3a edição, São Paulo: Cortez, 1996.

MARCELINO-JR, C. A. C. et al. Perfumes e essências: a utilização de vídeo na abordagem das funções orgânicas. Química Nova na Escola, n. 19, 2004.

MEGID NETO, Jorge; FRACALANZA, Hilário. O livro didático de Ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação, v. 9, n. 2. p. 147-157, 2003.

MARTINS, I. P. Formação inicial de professores de física e química sobre a tecnologia e suas relações sócio-científicas. Revista Eletrônica de Enseñanza de las ciências, v. 3, n. 1, p. 1-17, 2001.

MESQUITA, N. A. S.; SOARES, M. H. F. B. Visões de ciência em desenhos animados: uma alternativa para o debate sobre a construção do conhecimento científico em sala de aula. Ciência & Educação, v. 14, n. 3, p. 417-29, 2008.

MORAES R.; RAMOS, M. G. O ensino de Química nos anos iniciais – Ampliando e diversificando o conhecimento de mundo. Coleção explorando o ensino- Ciências. Ministério da educação: Brasília, v. 18, p. 43-60, 2010.

MOREIRA, A. F. B. & SILVA, T. T. (Orgs.) Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez. 1995.

MORAN, J. M. O Vídeo na Sala de Aula. Comunicação & Educação. São Paulo, n. 2, p. 27-35, 1995.

NASCIMENTO, L. e ROÇAS, G. O Nó da Avaliação em Ciências: formando, deformando ou conformando? R. Bras. de Ensino de C&T, 2016.

PAVÃO, A. Ensinar ciências fazendo ciências. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. Quanta ciência há no Ensino de Ciências. São Carlos: EdUFSCar, 2008.

PEREIRA, S. Investigação sobre crianças e televisão: a vertente da recepção e a vertente da programação. XXI, 5, p. 91-101, 2003.

PIZARRO, M. V.; LOPES Jr., J. Indicadores de Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica sobre as diferentes habilidades que podem ser promovidas no Ensino de Ciências nos anos iniciais. Investigações em Ensino de Ciências, v. 20, n. 1, 2015.

SCHNETZLER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. Importância, sentido e contribuições de pesquisa para o ensino de química. Química nova na escola. São Paulo, n. 1, p. 27–31, 1995.

SILVA, M. S. M. Desenho Animado e Educação: Calça Quadrada, Cabeça redonda? João Pessoa: UFPB, 2010.

SUTTON, S. B. The Ambiguity of Play. Cambridge e London: Harvard University Press, 2001.

TIDEMANN, P. W. Conteúdos de Química em livros didático de Ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 5, n. 2, p. 15-22 , 1998.

Publicado
2017-09-28
Como Citar
JACOB, T. DOS S. G.; MAIA, E. D.; MESSEDER, J. C. Desenhos animados como possibilidades didáticas para ensinar conceitos químicos nos anos iniciais. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 3, p. 61-77, 28 set. 2017.
Seção
Artigos Gerais