Potencialidades das atividades experimentais no ensino de Química

  • Diego Marlon Santos Universidade Estadual do Paraná
  • Lucila Akiko Nagashima Universidade Estadual do Paraná
Palavras-chave: Ensino de Química, Experimentação, Óleos Essenciais

Resumo

As práticas pedagógicas como as atividades experimentais são fundamentais no ensino de química, pois são uma forma eficiente na disseminação dos conteúdos, e apoio na construção do conhecimento, motivando o aluno ao desejo pelo saber, evitando a rotina de um ensino tecnicista. Este trabalho foi realizado de acordo com os pressupostos da pesquisa qualitativa com alunos do 3ºA e B do Ensino Médio, com o objetivo de investigar a opinião dos alunos a respeito da atividade experimental sobre extração de óleo essencial do cravo-da-índia, cujo levantamento foi realizado por meio de questionário. Com relação à metodologia, para que seja ampliada a eficiência do processo de aprendizagem, as atividades foram conduzidas com amplo questionamento por parte dos alunos, incentivando-os a buscar explicações para os fenômenos estudados. Foi observado que a maior parte dos alunos mostrou interesse deixando-os motivados no processo de ensino e aprendizagem, por se tratar de uma metodologia que oferece ao aluno mais chances de observar, analisar e discutir em grupos os resultados alcançados. No entanto, é preciso considerar que o importante é o desafio cognitivo que o experimento oferece e não o simples manuseio de equipamentos e vidrarias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Marlon Santos, Universidade Estadual do Paraná

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Paranaense (2005) e graduação em Química Licenciatura pela Universidade Paranaense (2005). Especialista em Meio Ambiente com ênfase em Química Ambiental pela Universidade Paranaense (2007), especialista em Docência do Ensino Superior: métodos e práticas educativas pela Universidade Paranaense (2007) e especialista em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2012), especialista em Gestão Ambiental em Municípios pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2014) e Mestrando em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar pela Universidade Estadual do Paraná (2014). Atualmente é professor do Colégio Estadual Enira Moraes Ribeiro - EFMP, ministrando aulas na Educação Profissional, no curso Técnico em Química. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Análise de Traços e Química Ambiental, Gestão Ambiental, Educação Ambiental, Ensino de Química e Ensino Profissionalizante.

 

Lucila Akiko Nagashima, Universidade Estadual do Paraná

Possui graduação em Química pela Universidade Estadual de Maringá (1977), graduação em Ciências de Primeiro Grau pela Universidade Estadual do Paraná (1972), mestrado em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Maringá (2004) e doutorado em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Maringá (2009). Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual do Paraná. Atua como docente no programa de pós-graduação strictu sensu (mestrado acadêmico em formação docente interdisciplinar).nas disciplinas - O Ensino de Ciências e os conhecimentos básicos comuns para o ensino-aprendizagem e O ensino de Física e Química na Educação Brasileira.Tem experiência na área de Química, e a pesquisa é essencialmente na área de Saneamento Ambiental, em tratamento de efluentes com Reagente Fenton e com coagulante orgânico a base de tanino. Também atua na área gerenciamento de resíduos sólidos.

Referências

AXT, R. O papel da experimentação no ensino de ciências. In: MOREIRA, M. A; AXT, R. Tópicos em ensino de ciências. Porto Alegre: Sagra, 1991.

BARATIERI, S. M.; BASSO, N. R. de S.; BORGES, R. M. R.; ROCHA FILHO, J. B. da. Opinião dos estudantes sobre a experimentação em Química no ensino médio. Experiência em Ensino de Ciências, v. 3, p. 19–31, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Média e Tecnológica (Semtec). PCN + Ensino médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/Semtec, 2002.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 2000.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CARRASCOSA, J.; GIL-PÉREZ, D.; VILCHES, A.; VALDÉS, P. Papel de la actividad experimental en la educación científica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 23, n. 2, p. 157-181, 2006.

CAVALCANTI, K. M. P. H.; SPRINGER, M. V., BRAGA, M. Atividades experimentais em Química através da metodologia de resolução de problemas. Anais... CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE EDUCACIÓN, Girona, 2013.

CHALMERS, A. F. O Que é a Ciência Afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: definição, projeto, pesquisa. In: FAZENDA, I. C. A. (Coord.). Práticas interdisciplinares na escola. 8 ed., São Paulo: Cortez, 158 p., 2001.

FONSECA, M.R.M. Completamente química: química geral, São Paulo: Editora FTD, v. 2, 2001.

GALIAZZI, M. C.; GONÇALVES, F. P. A Natureza Pedagógica da Experimentação: Uma Pesquisa na Licenciatura em Química. Química Nova, v. 27, n. 2, p. 326-331, 2004.

GIORDAN, M. O papel da experimentação no Ensino de Ciências. Química Nova na Escola. n. 10, p. 43-49, nov. 1999.

GONÇALVES, F. P.; MARQUES, C. A. Contribuições Pedagógicas e Epistemológicas em Textos de Experimentação no Ensino de Química. Investigação no Ensino de Ciências, v.11, n. 2, p. 219-238, 2006.

HOFSTEIN, A. P.; LUNETTA, V. The laboratory science education: Foundation for the twenty-first century. Science Education, v. 88, p. 28-54, 2003.

KUGLER, H. Educação Científica: cenário de crise. Ciência hoje. 2013. Disponível em: <http://cienciahoje.uol.com.br/alo-professor/intervalo/2013/12/educacaocientifica- cenario-de-crise>. Acesso em: 13 fev. 2015.

LEMBO, J. M. Por que falham os professores. São Paulo, SP: Editora P.U., 1975, 124 p.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Malabares, 2003.

NANNI, R. A natureza do conhecimento científico e a experimentação no ensino de ciências. Revista Eletrônica de Ciências. São Carlos – SP, n. 24, 26 de maio de 2004. Disponível em: <http://cdcc.sc.usp.br/ciencia/artigos/art_26/natureza.html.> Acesso em: 11 mar. 2015.

PARANÁ. Secretária de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares do Estado do Paraná, 2009. Disponível em: <http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_quim.pdf>. Acesso em: 17 mar. 2015.

POSSOBOM, C. C. F.; OKADA, F. K.; DINIZ, R. E. da S. Atividades práticas de laboratório no ensino de biologia e de ciências: relato de uma experiência. 2002. Disponível em: <http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2002/atividadespraticas. pdf>. Acesso em: 13 fev. 2015.

ROSITO, B. A. O ensino de ciências e a experimentação. In: SILVA, L. H. A. S.; ZANON,L. B. Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. 2. ed., Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

SCHNETZLER, R. P. A Pesquisa em Ensino de Química no Brasil: Conquistas e Perspectivas. Química Nova, v. 25, p.14, 2002.

SILVA, L. H. A. S.; ZANON, L. B. Experimentação no ensino de ciências. In: SCHNETZER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. (Orgs.). Ensino de ciências: fundamentos e abordagens. Campinas: V Gráfica, p. 120-153, 2000.

TAPIA, A. Motivação e aprendizagem no ensino médio. In: COLL, C et al. Psicologia da aprendizagem no ensino médio. Trad. Cristina M. Oliveira. Porto Alegre: Artmed, p.103-139, 2003.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 3. ed., 2002. ZANON, L. B.; SILVA, L. H. A. A Experimentação no Ensino de Ciências. In: Schnetzler, R. P.; Aragão, R. M. R. (orgs.). Ensino de Ciências: Fundamentos e Abordagens. Capes/Unimep: Piracicaba, cap. 6, p. 120-153, 2000.

Publicado
2017-09-28
Como Citar
SANTOS, D. M.; NAGASHIMA, L. A. Potencialidades das atividades experimentais no ensino de Química. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 3, p. 94-108, 28 set. 2017.
Seção
Artigos Gerais