O Método Jigsaw e a mobilização de estilos de pensamento matemático por estudantes de Engenharia

  • Eloiza Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Benedito Antonio da Silva Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Aprendizagem Cooperativa, Método Jigsaw, Estilo de Pensamento Matemático, Engenharia

Resumo

Estudos mostram que compreender os estilos de pensamento dos alunos pode auxiliar os professores a diferenciarem o ensino no sentido de maximizar os resultados de aprendizagem. Desta forma, o objetivo deste trabalho é apresentar os resultados iniciais de uma pesquisa de doutorado que procura investigar os estilos de pensamento matemático mobilizados por alunos ingressantes no curso de Engenharia. Os estudos sobre estilos de pensamento de Sternberg e a categorização dos estilos de pensamento matemático desenvolvida por Ferri fundamentam as análises da pesquisa. O método jigsaw de aprendizagem cooperativa, desenvolvido por Elliot Aronson, foi utilizado na coleta de dados. Os primeiros resultados obtidos indicam uma predominância do estilo de pensamento matemático analítico, o que, em parte, pode ser consequência da influência exercida pelo professor sobre os alunos, uma vez que tal estilo é valorizado no modelo tradicional de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARONSON, E. Jigsaw in 10 Easy Steps, 2000. Disponível em: http://www.jigsaw.org/steps.htm. Acessado em: 10 dezembro 2013.

BARIANI, I.C. D. Estilos cognitivos de universitários e iniciação científica. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil, 1998.

BURTON, L. Mathematics and their Epistemologies - and the Learning of Mathematics. In: European Research in Mathematics Education I, Edited by Inge Schwank, 87 – 102, Osnabrück, 1999. Disponível em: http://www.fmd.uni-osnabrueck.de/ebooks/erme/cerme1-proceedings/ cerme1-proceedings-1-v1-0-2.pdf. Acessado em: 09 dezembro 2012

FERRI, R. B. Mathematical Thinking Styles - an Empirical Study. Third Congress of the European Society for Research in Mathematics, CERME 3, Bellaria, Itália. 2003. Disponível em: http://www.dm.unipi.it/~didattica/ CERME3/proceedings/Groups/ TG3/TG3_BorromeoFerri_cerme3.pdf. Acessado em: 20 maio 2013.

FERRI, R. B.. Mathematical Thinking Styles and Their Influence on Teaching and Learning Mathematics. In: 12th International Congress on Mathematical Education, Program Name XX-YY-zz (pp. abcde-fghij), 2012, COEX, Seoul, Korea. Disponível em: http://www.icme12.org/upload/submission/1905_F. pdf. Acessado em: 20 maio 2013.

FROTA, M. C. R. Perfis de Estilos de Aprendizagem Matemática de Estudantes Universitários. In: Educação Matemática Pesquisa. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática da PUC-SP. v.12, n.1, pp.89-110, 2010.

JOHNSON, D. W., JOHNSON, R. T. Making Cooperative Learning Work. Theory into Practice, v.38, n.2, pp. 67-73, 1999. Disponível em: http://www.proiac.uff.br/sites/default/files/documentos/cooperative_learning_johnsonjohns on1999.pdf . Acessado: em 10 setembro 2013.

SANTOS, M. C. S. C. Aprendizagem Cooperativa em Matemática: um estudo longitudinal com uma turma experimental do Novo Programa de Matemática do 2° ciclo do Ensino Básico. 2011. 617 f. Tese (Doutor em Ciências da Educação) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, 2011.

STERNBERG, R. J., ZHANG, L.-F. Styles of thinking as a basis of differentiated instruction. Theory into Practice, 44(3), 245–253, 2005. Disponível em: http://hub.hku.hk/bitstream/10722/45445/1/128798.pdf?accept=1. Acessado em: 10 fevereiro 2013.

VIEIRA, P. N. B. Estratégias Alternativas de Ensino-Aprendizagem na Matemática: estudo empírico de uma intervenção com à aprendizagem cooperativa, no contexto do ensino profissional. 2000. 271 f. Dissertação (Mestre em Psicologia) – Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, 2000.

Publicado
2015-03-01
Como Citar
GOMES, E.; SILVA, B. O Método Jigsaw e a mobilização de estilos de pensamento matemático por estudantes de Engenharia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 6, n. 1, p. 22-32, 1 mar. 2015.
Seção
Artigos Gerais