Ensino de triângulos com o Software Geogebra

  • André Tenório Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
  • Carlos Inácio dos Santos Carvalho Secretaria de Educação do Estado de Rio de Janeiro
  • Thaís Tenório Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Informática, GeoGebra, Triângulos, Construtivismo

Resumo

O emprego de recursos computacionais é cada vez mais comum nas salas de aula brasileiras. Por isso, analisar sua influência é importante. Neste estudo, foram avaliados os efeitos de um modelo didático construtivista com uso do software GeoGebra para o ensino de triângulos. Com o objetivo de comparar e verificar sua eficácia, o mesmo conteúdo foi ministrado pelo modelo tradicional em outra turma. Duas turmas de oitavo ano do Ensino Fundamental de um colégio estadual do Rio de Janeiro participaram da pesquisa. Em uma delas, o GeoGebra foi utilizado como ferramenta para a construção de figuras geométricas e na resolução de questões. De acordo com a observação durante as aulas, na turma em que o GeoGebra foi usado, os alunos mostraram-se mais independentes e estimulados a discutir o conteúdo matemático. A partir das resoluções das listas e dos testes, notou-se que o software ajudou no entendimento de triângulos e suas propriedades. Os dados estatísticos obtidos apontaram a existência de vantagens no modelo didático construtivista com uso do GeoGebra frente ao modelo tradicional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORBA, M.C.; PENTEADO, M.G. Informática e Educação Matemática. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio + Orientações Educacionais Complementares: ciência da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, 2002.

CARRAHER, D.W. A aprendizagem de conceitos matemáticos com auxilio do computador. In: ALENCAR, E.M.S.S. (Org.). Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez, 1992. p. 10-55.

CARVALHO, P.C.P. Fazer Matemática e usar Matemática. Salto para o futuro. Série Matemática não é problema. Boletim 6, 2005.

CHIRÉIA, J.V. Trabalhando com a resolução de problemas na Educação Básica. Portal dia a dia educação, 2013.

COLL, C.; SOLÉ, I. Os professores e a concepção construtivista in o construtivismo na sala de aula. Schilling, C. (Trad.) São Paulo: Ática, 2009.

COSTA, B.J.F.; TENÓRIO, T.; TENÓRIO, A. A Educação Matemática no Contexto da Etnomatemática Indígena Xavante: um jogo de probabilidade condicional. Bolema: Boletim de Educação Matemática, dez. 2014 (em impressão).

D’AMBROSIO, B.S. Como ensinar matemática hoje? Temas e Debates. Simpósio Brasileiro de Educação Matemática, Brasília, ano 2, n. 2, p. 15-19, 1989.

FERNANDES, N.L.R. Professores e computadores: navegar é preciso. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004.

GIL, A.C. Métodos e Técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GUERATO, E.T. Dificuldades e Possibilidades no Ensino da Geometria no EJA. 2008. 91 f. Dissertação (Curso de Especialização em Educação Profissional Técnica de Nível Médio na Modalidade EJA) – Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo, São Paulo, 2008.

GUIMARÃES, G.M.A.; ECHEVERRÍA, A.R.; MORAES, I.J. Modelos didáticos no discurso de professores de ciências. Investigações em Ensino de Ciências, v. 11, n.3, p. 303- 322, 2006.

GÜNTHER, H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 22 n. 2, p. 201-210, 2006.

GRAVEN, M. Mathematical learning opportunities for young learners with touch screen technology. Learning and Teaching Mathematics, vol. 9, p. 43-45, 2011.

GRAVINA, M.A., SANTAROSA, L.M.C. A aprendizagem da matemática em ambientes informatizados. PGIE Informática na Educação: Teoria e Prática, Rio Grande do Sul, v. 2, n.1, p. 73-87, mai. 1999.

HOHENWARTER, M.; FUCHS, K. Combination of dynamic geometry, algebra and calculus in the software system GeoGebra. Documento de trabalho. Áustria: University of Salzburg, 2004. Disponível em: <http://www.geogebra.org/publications/pecs_2004.pdf>. Acesso em: 6 fev. 2015.

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.M. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003.

MARTINS, L.F. Motivando o ensino da geometria. 2008. 56 f. Monografia (Especialização em Educação Matemática) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Santa Catarina, 2008.

MARTINS, L.V.; FIOREZE, L.A. O uso do software régua e compasso na construção de mosaicos. Disciplinarum Scientia, Rio Grande do Sul, v. 9, Série Ciências Exatas, p. 143-162, 2008.

PACHECO, C.B.L.P.M. Abordagem construtivista com o software régua e compasso no ensino-aprendizagem de triângulos. 2014. 91 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Novas Tecnologias no Ensino de Matemática) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2014.

PAVANELLO, R.M. O abandono da geometria no Brasil: causas e conseqüências. Zetetiké, Campinas, v.1, n. 1, p.7-17, mar. 1993.

PIRES, C. M. C. Perspectivas construtivistas e organizações curriculares: um encontro com as formulações de Martin Simon. Educação Matemática Pesquisa, v. 11, n.1, p. 145-166, 2009.

PORLÁN, R.; RIVERO, A.; POZO, R.M. Conocimiento profesional y epistemología de los profesores I: teoría, métodos e instrumentos. Enseñanza de las Ciencias, v. 15, n. 2, p. 155-173, 1997.

PORLÁN, R.; RIVERO, A.; POZO, R.M. Conocimiento profesional y epistemología de los profesores II: estudios empíricos e conclusiones. Enseñanza de lãs Ciencias, v. 16, n. 2, p. 171-289, 1998.

SCHMITZ, T.; QUADROS, A.P. Caminhos da Geometria na era Digital. In: ENCONTRO GAÚCHO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 10., 2009, Ijuí. Anais eletrônicos... Ijuí: UNIJUI, 2009. Disponível em: <http://www.projetos.unijui.edu.br/matematica/cd_egem/fscommand/MC/MC_28.pdf>. Acesso em: 6 fev. 2015.

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO. Currículo Mínimo 2012 Matemática. 2012. 23 p.

SNEDECOR, G.W.; COCHRAN, W.G. Statistical Methods. Iowa: State University Press, 1989.

SOUZA, P.R. Algumas considerações sobre as abordagens construtivistas para a utilização de tecnologias na educação. Laboratório Interdisciplinar em Informação e Conhecimento em Revista, v. 2, n. 1, p. 40-52, 2006.

TENÓRIO, T.; LEITE, R.M.; TENÓRIO, A. Séries televisivas de investigação criminal e o ensino de ciências: uma proposta educacional. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, vol. 13, n. 1, p. 73-96, jan. 2014.

XAVIER, S.A.; TENÓRIO, T.; TENÓRIO, A. Uma proposta de ensino-aprendizagem das leis dos senos e dos cossenos por meio do software Régua e Compasso. Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática, v. 7, n. 3, p. 158-190, dez. 2014.

ZUIN, E.S.L. Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática para o 3º e 4º Ciclos do Ensino Fundamental e o Ensino das Construções Geométricas entre outras considerações. In: REUNIÕES ANPED, 25., 2002. Anais... CD-ROM.

Publicado
2016-02-11
Como Citar
TENÓRIO, A.; CARVALHO, C. I. DOS S.; TENÓRIO, T. Ensino de triângulos com o Software Geogebra. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 7, n. 1, p. 1-18, 11 fev. 2016.
Seção
Artigos Gerais